segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Lajes War Cemetery - Pássaros de Éter [*] (M1263 - 14RF/2013)



Notas sobre o Lajes War Cemetery 

Na oportunidade conferida de realizar uma recolha, meramente ilustrativa, para um estudioso da arte cemiterial, dos túmulos existentes no Lajes War Cemetery, ouso tecer algumas notas sobre aquele que é o único cemitério de guerra em território nacional, alusivo ao período 1939-1945, e portanto da 2ª Grande Guerra.
Este conflito, em que o nosso País apenas participou, se assim se pode dizer, numa fase mais tardia das hostilidades, não possui outro cemitério do género, pese embora existam, como se sabe, em diversas localidades, sepulturas de diversos militares estrangeiros que pereceram em combate neste período.

A construção do Lajes War Cemetery, tem origem na presença militar inglesa a partir de 1943, na ilha Terceira, cujo inicio tem lugar com o desembarque do contingente britânico no dia 8 de Outubro de 1943, para as obras de ampliação da pista e a instalação do contingente inglês no Campo de Aviação das Lajes. A sua inauguração oficial, depois  das alterações, tem lugar a 15 de Dezembro de 1943.
Uma das primeiras referências que encontrei sobre o cemitério dá nota que, «Nos primeiros dias de Novembro de 1943, os oficiais britânicos, juntamente e com o capelão da RAF, Pearce, e com o Reverendo H.L.O. Rees, pediram para se fazer um cemitério aos soldados britânicos que pudessem falecer na Ilha. Combinou-se que a Câmara reservaria um espaço no cemitério Municipal, pagando os britânicos por sepultura comum 100$00 e 500$00 por uma concessão permanente. Contudo, a Câmara Municipal decidiu que seria melhor fazer um cemitério só para os britânicos, junto ao Bairro Nossa Senhora de Fátima, relativamente perto da Base das Lajes.(...) » [1]
De facto, o túmulo mais antigo, de um dos Sapadores dos Royal Engineers, tem como data de óbito o dia 3 de Novembro de 1943, sendo que até ao final desse ano mais oito óbitos se registaram, alguns deles resultantes do primeiro acidente aéreo.
«(...)a 4 de Dezembro , a “Fortaleza Voadora” B-17 FK206 “K” depois de ter descolado às 03:26 da pista de chapas das Lajes, caiu no mar 30 segundos depois, tendo falecido a tripulação e os passageiros. Esta aeronave era comandada pelo “FG Officer” Desmond E. Morris.
Os corpos dos falecidos jazem no “Lajes War Cemetery” localizado na Canada Joaquim Alves, junto ao Bairro Nossa Senhora de Fátima.» [2]
A julgar pela análise da informação na tabela abaixo, nem todos os corpos resultantes deste acidente poderão ter sido resgatados.
Refira-se ainda que, num acidente aéreo em particular, a 14 de Março de 1945, em que um Liberator se despenhou logo após a descolagem, perderam a vida 19 militares, entre tripulação e passageiros.

À entrada do cemitério, pode ler-se uma inscrição em inglês e português,

1939 – 1945
THE LAND ON WHICH THIS CEMETERY STANDS IS THE GIFT OF THE PORTUGUESE PEOPLE FOR THE PERPETUAL RESTING PLACE OF THE SAILORS SOLDIERS AND AIRMEN WHO ARE HONOURED HERE.

1939 – 1945
O TERRENO ONDE ESTÁ ESTE CEMITÉRIO É UMA DÁDIVA DO POVO PORTUGUÊS PARA QUE SIRVA DE LUGAR ETERNO DESCANSO AOS MARINHEIROS SOLDADOS E AVIADORES CUJA MEMÓRIA AQUI SE PERPETUA.


Localização

Coordenadas GPS: 38°44'28.15"N  27° 4'47.77"W

Esquema 


Sepulturas

No total, podemos encontrar 49 sepulturas, na sua quase totalidade resultantes de acidentes aéreos, e na sua grande maioria de militares da Royal Air Force, mas também do Royal Engineers (2), Royal Australian Air Force (2), Royal Canadian Air Force (7), Royal New Zealand Air Force (1), Royal Navy (1), Forças Polacas (1), e ainda um elemento da Marinha Mercante Inglesa, conforme esquema e listagem. As nacionalidades dos militares são, Austrália (2), Canadá (7), Checoslováquia (3), Nova Zelândia (1), Polónia (1), e Reino Unido (35).
A par dos óbitos que se registam de forma esporádica, os que resultam de acidentes aéreos são os que causam mais vítimas, se não vejamos, 4 Dezembro 1943 (3); 13 Dezembro 1943 (4); 20 Fevereiro 1945 (2); 8 Março 1945 (8) e 14 Março 1945 (19).

Listagem------>PDF

Nem todas as sepulturas são relacionadas com acidentes aéreos.
Todos os acidentes aéreos que consegui relacionar se encontram-se no: [link].

Notas

[1] – extracto da tese de mestrado “O impacto da presença britânica na ilha Terceira (1943-1946), de Francisco Miguel Lima Nogueira, Setembro de 2008.
[2] – extracto do livro “Base Aérea das lajes (Contribuição para a sua história), de Manuel de Meneses Martins, Março de 2003.

[*] - Os Pássaros de Ferro, sendo criaturas de ar e de sonho, assumem para mim todas as formas que possamos imaginar e mais umas quantas formas que não conseguimos conceber pelas limitações próprias das nossas capacidades de compreender o Real.
Assim, ouso chamar a estes outros pássaros, Pássaros de Éter, porque possuem uma forma que vai para lá de um conjunto mais ou menos organizado de átomos.

Fontes Adicionais:
Free Czechoslovak Air Force - http://fcafa.wordpress.com/page/13/

Agradecimentos: MAJ.USAF C.C.Masotti, Dr. Francisco Queiroz, Manuel de Meneses Martins, Miguel Santos, Pedro Santos




Edição (texto, fotos, esquemas e pesquisa): Rui Ferreira

0 Voaram em formação:

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>