segunda-feira, 25 de maio de 2020

DISPOSITIVO AÉREO DE COMBATE A INCÊNDIOS 2020 [M2141 - 59/2020]

Canadair CL-215

Segundo nota de imprensa do Ministério da Defesa (MDN), chegaram nesta segunda-feira, 25 de Maio de 2020, para integração no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), dois aviões de reconhecimento, avaliação e coordenação, perfazendo assim, para o período de 15 a 31 de Maio de 2020, um total de 30 meios aéreos disponíveis.

Dos 37 meios aéreos que o DECIR tinha previstos para esta segunda fase do empenhamento operacional, encontra-se em falta o lote de sete helicópteros ligeiros, que foi objecto de providência cautelar com efeitos suspensivos, aguardando-se por isso, pela decisão do Tribunal Administrativo de Loulé.

"A partir de Junho, Portugal contará com um total de 60 meios aéreos de combate aos incêndios, num processo liderado pela Força Aérea, dando cumprimento à RCM nº 160/2019, de 26 de Setembro, que assegurará um dispositivo igual ao de 2019, que foi o maior de sempre." pode ler-se  na nota.

Ainda segundo o MDN "Os concursos lançados pela Força Aérea cobrem o período 2020-2023, evitando deste modo a necessidade de mais concursos nos próximos anos." terminando com a consideração de que "para evitar a imprevisibilidade associada aos concursos de locação de meios aéreos e eventuais atrasos na sua disponibilização, o Governo decidiu implementar um novo modelo que passa pela aquisição de meios próprios de combate a incêndios," que entrará em funcionamento a partir de 2024.

Já na Comissão de Defesa Nacional (CDN) de passado dia 12 de Maio, o General CEMFA Joaquim Borrego referiu, em resposta a questões colocadas sobre a participação da Força Aérea no combate aos incêndios, que "está previsto a compra de meios próprios para o Estado, que vão ser operados pela Força Aérea. Essa resolução [...] penso que irá brevemente a Conselho de Ministros para aprovação, onde está o número de helicópteros, aeronaves de asa fixa e também UAVs". O Gen. Joaquim Borrego não adiantou então esses números, uma vez que "poderá haver alterações".

Para já, dos 60 meios previstos para 2020, apenas quatro pertencem portanto ao Estado, nomeadamente três helicópteros ligeiros Ecureuil da ANPC (ainda que operados por particulares), e um AW119 Koala da Esquadra 552 da Força Aérea.









sábado, 23 de maio de 2020

Notas sobre o Alouette III na Força Aérea do Gana [M2140 - 58/2020]



Prosseguindo com o tema dos Alouette III, trago-vos hoje algumas notas sobre o Gana, de onde recebi a dada altura, alguma correspondência, sob a forma de uma nota escrita, que num envelope com o timbre do Gabinete do Chefe de Estado-Maior da Força Aérea do Gana, transportava no seu interior, um emblema do Esquadrão nº3, que operava o Alouette III.




O Motto do 3º Esquadrão é “Servir com Honra”.


O Gana tornou-se independente do Reino Unido desde 1957, declarando-se República em 1960. A sua força aérea, formada um ano antes, foi constituída com a ajuda da Índia e de Israel, que providenciaram formação e também algum equipamento, nomeadamente aviões.
Numa fase inicial, o Esquadrão nº3, operava helicópteros de diversos tipos, como Westland Whirlwind Mk.3, Westland Wessex Mk.53, Hughes 269, e Sikorsky H-19D’s. Estes, foram mais tarde substituídos por outros aparelhos, como o Alouette III, e Bell 212’s.
Os Alouette III eram do modelo SA-316B (c/n1870, 1871, 1872, 1873) recebidos em 1972, operados pelo Esquadrão nº3 em diversos tipos de missão, como a instrução básica de pilotagem em helicópteros, o apoio às missões do exército e da marinha, e a componente de apoio civil, em diversas missões como evacuações médicas, inspecção de linhas de abastecimento de energia eléctrica, apoio à comissão nacional de eleições, busca e salvamento, e transporte aéreo diverso.

Os Alouette III voaram até 2006/2007(?) baseados em Burma Camp, altura em que foram retirados de serviço.





Rui “A-7” Ferreira
Entusiasta de Aviação

Agradecimentos: Sérgio Couto, Pierre Guillard.


sexta-feira, 22 de maio de 2020

DESTACAMENTO DE C295 NO MALI ADIADO PARA JULHO [M2139 - 57/2020]

O Gen. CEMFA Joaquim Borrego na visita aos treinos da Esquadra 502 na BA6 - Montijo        Foto: FAP

Apesar da sessão da Comissão de Defesa Nacional (CDN) de passada terça-feira 19 de Maio de 2020 ter sido dominada pelas questões relacionadas ou decorrentes da pandemia de COVID-19, dois temas relacionados com meios da Força Aérea foram aflorados pelo ministro da Defesa, logo no início.

Na sua alocução, João Gomes Cravinho deu conta do adiamento do início do destacamento do C295M da Esquadra 502 da Força Aérea Portuguesa no Mali, de 15 de Maio para o início de Julho.

Portugal comprometeu-se em disponibilizar uma aeronave C295M e 70 elementos, durante seis meses, no âmbito da  MINUSMA (Missão das Nações Unidas para a estabilização do Mali), tal como o Pássaro de Ferro oportunamente noticiou. Contudo, a pandemia de COVID-19 levaria ao adiamento da data de início do destacamento português. A aeronave a mobilizar contudo, não será para missões de informação, vigilância e reconhecimento, ao contrário do que foi em Janeiro ventilado, mas sim de transporte táctico.

A Esquadra 502 tem contudo vindo a realizar a preparação para as condições que poderão vir a enfrentar, nomeadamente com aterragens em pistas não preparadas, reacções a ameaças e utilização de contramedidas electrónicas. Os treinos foram realizados em conjunto com o Núcleo de Operações Táticas de Projeção da Força Aérea, responsável por garantir um perímetro de segurança ao redor da aeronave. O General CEMFA Joaquim Borrego, acompanhou um destes treinos, no qual se inteirou dos preparativos em curso.




Também na apresentação à CDN de 19 de Maio, o ministro da Defesa referiu ainda que "estão a ser finalizados os termos do concurso" para a aquisição de helicópteros de evacuação, prevista na Lei da Programação Militar.
Recordamos que a falta de helicópteros de uso táctico para apoio das missões das Forças Nacionais Destacadas em África, vem sendo extremamente penalizante, tendo estas que se apoiar em operadores terceiros.


terça-feira, 19 de maio de 2020

SUPER TUCANO REALIZAM INTERCEPÇÃO NO AMAZONAS [M2138 - 56/2020]

Embraer A-29 Super Tucano  da FAB

A Força Aérea Brasileira (FAB) interceptou, na tarde de segunda-feira 18 de Maio de 2020, um avião de pequeno porte em voo irregular sobre o estado do Amazonas. A acção, planeada previamente com a Polícia Federal,  envolveu duas aeronaves A-29 Super Tucano da FAB, além de todo o Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (SISDABRA).

A aeronave suspeita foi classificada como tráfego aéreo desconhecido e passou pelos procedimentos de averiguação e persuasão, chegando ao tiro de aviso, tudo sob a coordenação do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE).

O avião foi depois escoltado até à aterragem, no Aeroporto de Porto Urucu, em Coari, Amazonas, onde a Polícia Federal assumiu os procedimentos subsequentes.

Esta acção fez parte da Operação Ostium destinada a desencorajar actividades ilícitas transfronteiriças, na qual actuam em conjunto, a FAB e Órgãos de segurança pública brasileira.

Actualização 
Veio a confirmar-se que a aeronave, um Piper Seneca,  era proveniente do Peru, transportando 400 kg de cocaína. O piloto foi detido imediatamente, mas dois traficantes que seguiam também na aeronave conseguiram evadir-se para a mata, estando a ser procurados.


sábado, 16 de maio de 2020

Notas sobre o Alouette III na Força Aérea do Gabão [M2137 - 55/2020]



Integrando a antiga África Equatorial, uma colónia francesa recebeu a independência em Agosto de 1960, ao mesmo tempo que diversas outras colónias, ainda que mantivesse uma forte ligação a França.
A sua força aérea, Forces Aériennes Gabonaises, foi criada no ano seguinte, essencialmente com aeronaves francesas, para as missões de ligação e transporte, sendo mais tarde incorporados outros meios, nomeadamente defensivos e ofensivos.
Do inventário fizeram parte, até há poucos anos, um total de seis Aerospatiále SA-319B Alouette III.
À semelhança de algumas outras forças africanas, era nas OGMA que as suas aeronaves efectuavam as revisões gerais, nomeadamente os Alouette III, apesar de algumas dificuldades com que esse país se debatia e as consequências para a operacionalidade da sua frota.

Numa das visitas que fiz às OGMA, tive oportunidade de fotografar o Alouette III TR-KCC (s/n 2219), e incluo aqui uma foto do Paulo Bandeira que ficou melhor que as minhas...







Rui “A-7” Ferreira
Entusiasta de aviação

Agradecimentos: Paulo Bandeira.


sexta-feira, 15 de maio de 2020

EDITORIAL - 14 ANOS [M2136 – 54/2020]


O Pássaro de Ferro existe há 14 anos.
Começou como blogue de histórias mais ou menos pessoais e, paulatinamente, transformou-se numa página de informação e atualidade sobre a aviação, sobretudo a militar.
A partir do último trimestre de 2011, altura em que foi feita uma importante reformulação gráfica e de conteúdos, o Pássaro de Ferro assumiu uma matriz mais institucional e, com essa transformação, surgiram, para além da página principal-âncora, quatro sub-páginas: "Pássaro de Ferro-Operations" - dedicado a artigos de fundo publicados na imprensa especializada; "Porta de Embarque 04" - dedicado à aviação civil; "Iron Bird Photos" - Galeria exclusivamente dedicada à fotografia e a "Loja Pássaro de Ferro" em associação com a Loja "Imagens e Ideias" que disponibiliza algum merchandizing alusivo à temática da aviação.
E como os números são sempre um dado com interesse, aqui ficam alguns dados relativos ao universo Pássaro de Ferro.
Mais 4,1 milhões de visualizações no total das páginas (desde Setembro de 2011) com mais de 3 milhões apenas na página principal - Pássaro de Ferro; 35 mil seguidores na rede social Facebook; mais de 2100 edições na página principal; 43 artigos de fundo e vários milhares de fotografias publicadas nas diversas páginas.
A página de Facebook do Pássaro de Ferro tem mais 35 mil seguidores um pouco por todo o mundo, ultrapassou há dias os 30 mil "fãs/gostos" e tem um alcance médio mensal de mais 2 milhões de pessoas e mais de meio milhão de interações com as diversas publicações diárias.
O Pássaro de Ferro tem, também, presença no Twitter.
No fim deste editorial, ficam os agradecimentos a todos os que colaboram ou colaboraram com o Pássaro de Ferro ao longo destes anos e a todos os que nos seguem e leem!
Obrigado!

quarta-feira, 13 de maio de 2020

KOALA ESTREIA-SE EM BUSCA E SALVAMENTO [M2135 – 53/2020]


Foto: FAP
Foto: FAP
Segundo informação divulgada na página oficial da Força Aérea Portuguesa (FAP) na rede social Facebook, durante o primeiro destacamento operacional  do modelo AW119 Koala, no Aeródromo de Manobra nº1 (AM1), em Ovar, o aparelho foi mobilizado para realizar buscas na praia da Barra.

Sendo a primeira vez que a Esquadra 552 assegura o alerta de Busca e Salvamento (SAR) com Koala no AM1, substituindo o Alouette III nessas funções, pode por isso dizer-se que o novo "Zangão" não perdeu tempo em mostrar serviço, tendo sido empenhado nas buscas a um jovem desaparecido desde o dia de ontem naquela praia da região de Aveiro.

Dessalinização após buscas sobre o mar        Foto: FAP

Os primeiros dois helicópteros AW119 Mk.II Koala chegaram a Beja em Fevereiro de 2019, tendo iniciado a primeira actividade operacional em Agosto seguinte. A missão SAR vinha contudo ainda a ser assegurada pelos últimos Alouette III operacionais. Com o galopante aproximar da retirada de serviço destes últimos, o testemunho é agora passado à nova geração de asas rotativas da FAP, também nesta missão.

A Esquadra 552 recebeu até ao momento quatro dos cinco AW119 Koala previstos no contrato com a Leonardo, aguardando-se a entrega da última aeronave para Junho de 2020, altura em que a frota Alouette III deverá finalmente cessar funções em definitivo.

Os elementos do destacamento da Esq. 552 no AM1     Foto: FAP

Durante o dia de hoje, além do Koala de alerta, foram mobilizados para auxiliar nas buscas, um P-3C CUP+ da Esquadra 601, bem como a corveta da Marinha NRP João Roby. Ontem esteve nas buscas um EH101 Merlin da Esquadra 751.

Screenshot do programa Flightradar com registo do P-3 na região das buscas  via Twitter LP-ADSB



sábado, 9 de maio de 2020

Notas sobre o Alouette III na Royal Jordanian Air Force [M2134 – 52/2020]



Trago-vos hoje um pequeno apontamento sobre mais um utilizador militar do Alouette III, desta feita a Real Força Aérea da Jordânia cujo texto original de um artigo escrito há muito tempo atrás, referia o seguinte:

Jordânia 
Al Qwwat Aljawwiva Almalakiya , ou Real Força Aérea da Jordânia (RJAF), recebeu entre 1965 e 1974, em diversas remessas, um total de 12 Alouette III, sendo 9 do modelo SA-316B e 3 do modelo SA-319C.  Até à data da sua retirada de serviço, os Alouette III da RJAF serviram nas missões de transporte aéreo diverso, SAR, MEDEVAC, operações de assalto, treino de pilotagem, transporte VIP, nomeadamente no transporte da família real da Jordânia.  Esta última missão, como acontece em outros países, esteve a cargo de uma esquadra especial, designada por Royal Flight, formada em 1973 e que operou o Alouette III até 1988. De 1965 até 1988, os Alouette III fizeram parte da frota de transporte aéreo da RJAF, em 1973 foram ainda constituídos os esquadrões nº3 e nº7, que estiveram no activo entre 1975 e 1988. Actualmente existe apenas um  Alouette III operacional, que voa honrosamente na categoria de relíquia pelos pilotos da RJAF.

A Real Força Aérea Jordana recebeu não 12 mas 8 Alouette III, que nos 3º e 7º Esquadrões, baseados na Base Aérea Rei Abdul e Amman, respectivamente. As suas missões incluíam a instrucção, evacuações sanitárias, busca e salvamento, transporte aéreo, fotografia aérea, e patrulhamento fronteiriço. Apesar da Jordânia ter estado envolvida em diversos conflitos regionais, os Alouette III não receberam armamento nem estiveram envolvidos em acções de combate. Uma parte dos aparelhos foram modificados, nomeadamente para poderem utilizar rádios que lhes permitissem comunicar com as forças terrestres, distinguindo-se pela estrutura de suporte montada na parte inferior da cauda.

Alguns destes aparelhos estiveram ao serviço das mais altas individualidades do pais e, claro, da família real, no designado “Royal Flight”.

Hoje, como se imaginam, os Alouette III jordanos já não estão operacionais, foram retirados de serviço ainda que três deles tenham visto serviço posteriormente na Áustria, e em Espanha.


Na altura em que fiz o texto original recebi também alguma correspondência oficial, ainda que nada de substancial à laia de informação histórica sobre a operação do Alouette III. O material recebido, dentro de um envelope oficial, eram um emblema e uma foto de cada uma das esquadras.



    
 

Emblema do 3rd Squadron e foto de um aparelho da esquadra


 


    Emblema do 7th Squadron e foto de um aparelho da esquadra



Mais algumas fotos, estas do Pierre Gillard.

https://pierregillard.zenfolio.com/rjaf/h504782bc#he4c4df5

https://pierregillard.zenfolio.com/rjaf/h504782bc#hd2fa9bf

https://pierregillard.zenfolio.com/rjaf/h504782bc#hd2fa9bf



Rui “A-7” Ferreira
Entusiasta da Aviação


Nota do autor: a Jordânia tem uma outra relação com Portugal no que toca a aviação militar., não só partilhou este mesmo tipo de aeronave como um outro, anos depois, um outro helicóptero que "aparentemente" nunca voou nem usou as cores nacionais... o EC-635, já que foi destinatário de vários destes aparelhos que não integraram a nossa aviação militar... mas isso, são outras histórias...

quarta-feira, 6 de maio de 2020

FINLÂNDIA: TREINO DE F/A-18 COM MIRAGE 2000-5F - [M2133 - 51/2020]


A cooperação internacional faz parte das atividades diárias da Força Aérea Finlandesa, e o COVID-19 não impede o treino com os seus "parceiros" no ar. 
Hoje mesmo, 6 de maio, a Força Aérea Finlandesa realizou treino de combate aéreo com o destacamento Mirage 2000-5F da Força Aérea Francesa, baseado na Base Aérea de Ämari, na Estónia. 
Quatro F/A-18 Hornet finlandeses e três Mirage 2000-5F franceses participaram da missão de treino, que teve lugar no espaço aéreo da Finlândia.


A Força Aérea Finlandesa realiza frequentes missões de treino de combate aéreo e interoperação com alguns destacamentos aéreos que participam do Policiamento Aéreo do Báltico da NATO, desde 2015. 
Esta cooperação oferece aos pilotos do F/A-18 do país dos mil lagos  uma oportunidade "económica" de treinar com parceiros internacionais, enquanto voam e executam as sua missões operacionais normais.

Caça "Gripen" da vizinha Suécia, em avaliação na Finlândia.

Recorde-se que a Finlândia está já em processo de substituição da sua frota "Hornet" e recentemente, efetuou avaliações dos caças Eurofighter Typhoon, Rafale, Grippen, F/A-18E "Super Hornet" e F-35, com vista a apurar o seu substituto.

Imagens: Força Aérea da Finlândia

terça-feira, 5 de maio de 2020

DOGFIGHTS SOBRE O MAR EGEU [M2132 - 50/2020]

Mirage 2000-5 Mk.2 da Força Aérea Helénica (Polemiki Aeroporia)

Um vídeo filmado através da mira (Head Up Display-HUD) de um caça grego Mirage 2000-5 a interceptar um F-16C turco, foi tornado público esta terça-feira 5 de Maio de 2020.



O incidente alegadamente ocorreu sobre o Mar Egeu no passado domingo 3 de Maio, e terá envolvido pelo menos outro Mirage grego e outro F-16 turco. É possível ouvir o piloto grego, que perseguia o F-16 turco, a dizer "apanhei-o" o que significa que terá bloqueado o F-16 adversário, como alvo no radar (lock-on). É ainda possível ouvir um segundo piloto grego a dizer "chegou outro". Depois do recontro, os caças turcos ter-se-ão evadido, voltando a leste, para fora do espaço aéreo grego.

Não foi entretanto, possível confirmar se nesta intercepção se trata dos mesmos F-16 turcos que perseguiram  o helicóptero NH90, que transportava o ministro da Defesa grego Nikolaos Panagiotopoulos e o chefe do Estado-Maior da Defesa Nacional, general Konstantinos Floros, após uma visita às ilhas Oinousses, Agathonissi and Farmakonissi, também no passado domingo.


Fotos captadas dentro do NH90 que transportava o min. Defesa e Chefe de Estado Maior gregos    (c) FA Helénica

Já esta terça-feira, dois caças turcos realizaram um voo não autorizado sobre esta cadeia de ilhas do leste do mar Egeu. Essa violação específica do espaço aéreo da Grécia, que foi registada às 10h27 de hoje, vem numa longa sequência de provocações da parte turca.

O número de violações do espaço aéreo grego por aeronaves turcas aumentou acentuadamente em 2019, de acordo com um relatório recente do Estado-Maior da Defesa Nacional Helénico: “O número de violações do espaço aéreo nacional grego por aviões militares turcos chegou a 4811 em 2019, o maior número em um ano civil desde 1987. Houve 384 "dogfights" entre caças gregos e turcos no ano passado, enquanto apenas 13 incidentes desse tipo ocorreram em 2010 ”, afirma o relatório.

A Turquia reclama soberania sobre várias pequenas ilhas do leste do mar Egeu desde 1996, tendo-se agravado as reclamações turcas desde que Erdogan ascendeu ao poder em Ancara.

Reportagem sobre o alerta da Força Aérea Helénica na ilha de Skyros

Apesar da base dos Mirage 2000 gregos ser em Tanagra, no continente, a Força Aérea Helénica tem alertas permanentes em bases avançadas nas ilhas de Skyfos (de onde descolaram para a intercepção de 3/5/2020) e Limnos, onde se vão revezando com destacamentos de outras Esquadras de F-16, na missão de Quick Reaction Alert (QRA). Dependendo do estado de alerta, o tempo de resposta de nestas ilhas pode baixar até aos 2 minutos, o que exige ter pilotos permanentemente dentro dos caças, com o motor em marcha.




domingo, 3 de maio de 2020

EUA SOLICITAM F-16 BELGAS PARA COMBATE AO DAESH [M2131 - 49/2020]

SABCA F-16AM Fighting Falcon da Componente Aérea Belga

Segundo a imprensa belga, aquele país recebeu um pedido formal dos EUA, a 23 de Maio do ano passado, para aumentar a contribuição na luta contra o Daesh. O pedido terá novamente sido confirmado a 5 de Dezembro de 2019 e novamente a 24 de Abril do corrente, em carta do Comando Central do Estado-Maior da Defesa dos EUA.

A Bélgica poderá por isso nesse âmbito, vir a enviar quatro F-16 até ao final deste ano, pelo período de um ano, provavelmente para uma mistura de missões de apoio a forças terrestres e reconhecimento.

"Este processo será submetido ao governo em breve, mas é muito cedo para adivinhar a resposta. Dada a actual situação política, o parlamento também será envolvido no processo de tomada de decisão ", disse o ministro Goffin, após perguntas de Kris Verduyck (SP.A), Annick Ponthier (Vlaams Belang) e Theo Francken (N-VA). "Está planeado iniciar o destacamento a partir de Outubro, mas não há um prazo rígido, para que não haja pressão até lá".

A Bélgica juntou-se à força aliada anti-Estado Islâmico, liderada pelos Estados Unidos em 2014. Os F-16 belgas estiveram destacados um total de 27 meses, em dois períodos distintos, durante os quais realizaram 991 missões, totalizando 9.500 horas de voo e quase mil bombardeamentos de precisão a alvos terrestres.


A Componente Aérea Belga regressou recentemente de um destacamento de oito meses em Siauliai, Lituânia, onde esteve no patrulhamento aéreo do Báltico, ao abrigo do programa de defesa aérea da NATO, igualmente com quatro caças F-16.


sábado, 2 de maio de 2020

NTM2020 – 0, Covid19 – 2 [M2130 - 48/2020]



Entusiasmado com a possibilidade da realização do NATO Tiger Meet de 2020, ainda que na perspectiva de uma romaria dominical (incluindo o respectivo farnel e garrafão de tinto supimamente degustado na sombra de uma asa de avião), apressei-me desde logo a tentar aferir a data ao certo do exercício bem como dos principais eventos para tentar assistir.

Bem vistas as coisas, consegui ir a todos Tiger Meet que se realizaram por cá, em 1987, 1996, e 2002, sendo certo que apenas num deles com acesso mais consoante o de um membro da imprensa especializada (ainda que da forma mais amadora possível). A única experiência fora de portas foi aliás, o NTM2001, em Kleine Brogel, na Bélgica, onde fui com os meus dois bons amigos Emanuel Alves e Luís Neves, numa estopada que fizemos de carro, um “road trip” com paragem prévia em Le Bourget para dois dias na Feira Internacional de Aviação, tudo sob os auspícios de uma publicação aeronáutica nacional, o que é já de si um facto notável!


Foto dos três com o carro tigre e o F-104


Por essa altura também, escrevi umas quantas linhas sobre o tema, na dita publicação, tema de que gosto bastante, e cujo bichinho comichento contraí, como não podia deixar de ser, com os kits de plástico à escala, um deles em particular, o F-104 Starfighter da ESCI à escala 1/72, com o esquema do Esquadrão 439 “Tigers” das Canadian Armed Forces. Lindo!

É talvez o kit que mais vezes fiz, este da ESCI, de um avião 
que adoro, e que tive já oportunidade de ver voar algumas vezes.

Claro está que os nossos Jaguares e as suas montadas, FIAT G.91, Alphajets e agora F-16, fazem juz, como sempre fizeram, ao valor das Lusitanas Gentes e já trouxeram o troféu para casa por diversas vezes, nomeadamente no ano passado, em 2019. Estiveram ambos os troféus SilverTiger Trophy e Tiger Spirit Award em exposição em Monte Real aquando do festival aéreo do ano passado (acho que nunca tinha visto ao perto). Os troféus fazem verdadeiramente justiça ao lema: It’s Hard to be Humble.

Quanto ao NTM2020, ora, contava eu dizer algo sobre o assunto, mas quis o Sr. Murphy, que pelos vistos tem mais a ver com o NTM do que se diz para aí, que nos tirassem o tapete por duas vezes este ano, sendo adiado de Maio para Julho e depois para Maio de 2021, tudo por causa de um ser minúsculo, natural ou engenhocado, com um poder tremendo, o de uma “gripezinha” com a força de fazer parar nações e as suas gentes, com uma taxa de letalidade que, à dada o escrito se aproxima a passos largos das 250.000 fatalidades a nível mundial, fora as que não se sabe…

Neste parágrafo seguinte, introduziria algumas notas sobre as minhas imagens captadas este ano, mas como não o posso fazer, deixo-vos com algumas imagens do NTM2017, do meu bom Amigo John Camp, que me fez o favor de fazer chegar para partilhar com a mole humana deste digníssimo sítio de aviação.















Rui “A-7” Ferreira
Entusiasta de Aviação

Agradecimento ao John Camp pela cedência das fotos.


         


ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>