sábado, 30 de setembro de 2017

CEM ANOS DE AVIAÇÃO NAVAL (M1921 - 58/2017)

Para assinalar o centenário da Aviação Naval Portuguesa, entre outra iniciativas comemorativas de tão nobre data, uma delas consistiu na pintura de um helicóptero Lynx 19201 da Marinha de Guerra Portuguesa - Esquadrilha de Helicópteros da Marinha.
Para o fazer, foi contactado o Miguel Amaral, ele próprio uma autoridade nacional em pinturas especiais em aeronaves.
Ficam para a posteridade os registos fotográficos do Paulo "Oneshotland" Fernandes, a quem o Pássaro de Ferro agradece pela sua cedência e excelência!




Para não variar, mais um notável trabalho!




"Talent de bien faire!"
 
 
Siga a Marinha!
 
 
 Edição: António Luís
Fotografia: Paulo "Oneshotland" Fernandes

 

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

F-16 PARA A ROMÉNIA - FIM DE CICLO (M1920 - 57/2017)


Fechou-se ontem com a cerimónia e hoje com a partida dos aviões, um ciclo (pelo menos a parte principal e mais visível dele) inédito na Força Aérea, com a entrega do último trio de caças F-16 (MLU) transformados em Portugal e na Base Aérea nº5, e com destino à arma aérea da Roménia.
Tendo em conta todo o processo, tratou-se de algo que, sendo novo, foi também motivo de orgulho para todos os que foram parte ativa (mais e menos) em todo o processo.
Os três aparelhos descolaram hoje, rumo aos Cárpatos e atrás deles seguramente duas sensações distintas. O trovão dos seus motores rumo à Roménia anunciou o seu poder e as suas capacidades, fruto também da mestria de todos os que neles trabalharam rumo ao objetivo final e, depois do trovão, o silêncio da sua partida definitiva e o vazio, digamos, que se instala.
Fica o registo oficial e mais três fotos dos aviões já no céu, rumo ao seu destino.




Texto e edição: António Luís
Fotos: Força Aérea Portuguesa e Marco Casaleiro

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

ANTES QUE PASSEM À HISTÓRIA (M1919 - 56/2017)


Na passada edição do RIAT, ocorrida em julho passado nos céus de Fairford, os F-4E Gregos e os Tornado britânicos cheiravam já a despedida.
São grandes máquinas, carregadas de História e Glória nos céus do mundo.
Antes que uma "prateleira" os receba para regozijo do pó suspenso dos dias, aqui ficam algumas imagens destes Senhores em ação, captadas pelo António Godinho.
Antes que seja tarde de mais.










domingo, 24 de setembro de 2017

ANGOLA RECEBE PRIMEIROS SU-30 (M1918 - 55/2017)

Su-30 já com a pintura angolana nas instalações da 558 ARZ em Baranovich             Foto: Dmitriy Berdasov
idem                                                                 Foto: Dmitriy Berdasov


Os primeiros dois  Sukhoi Su-30KN de um total de doze adquiridos por Angola, foram expedidos esta semana, a partir das instalações da 558 ARZ em Baranovichi na Bielorússia, onde foram modernizados. Segundo o su-director da empresa, Aleksander Vorobei, os restantes dez deverão seguir-se-lhes de acordo com o calendário estabelecido, até às primeiras semanas de 2018.


SU-30 angolanos ainda em pintura primária

Os caças pertencem a um lote de 18 Su-30K, utilizados anteriormente pela Força Aérea Indiana, que foram retomados pela Rússia até 2011, após a Índia receber a versão mais moderna Su-30MKI.

Angola adquiriu doze desses caças, em contrato orçado em cerca de 1000M USD (dados não-oficiais) datado de Outubro de 2013, tendo sido modernizados para o padrão Su-30KN. Estas modificações incluem, segundo a agência de notícias Tass, o sistema de radar, que permitirá disparar contra dois alvos aéreos simultaneamente com mísseis guiados por radar, mapeamento digital e modos de observação do solo. As alterações prevêem ainda a substituição de alguns instrumentos analógicos por ecrãs digitais multi-funções e um sistema de vídeo. Terá ainda uma panóplia de armamento ar-ar e ar-terra alargada, sendo um verdadeiro caça multi-funções.


Descolagem para o primeiro voo a 31 de Janeiro de 2017
Primeiro voo da primeira célula modificada para o padrão Su-30KN

Rolagem da primeira célula em Baranovichi, Bielorússia

O voo da primeira célula modificada aconteceu a 31 de Janeiro de 2017, mas a entrega ocorreria apenas durante a semana transacta. Inicialmente programada para 2015, sofreu um atraso de sensivelmente dois anos, por razões que se deverão prender com a crise económica gerada pela baixa do preço do petróleo, embora a versão oficial fale em modificações adicionais nos aviões, solicitadas por Luanda.

Regresso do primeiro voo de um Su-30KN destinado a Angola

Notícias veiculadas na imprensa em Julho de 2017, davam conta de negociações entre Luanda e Moscovo, para a aquisição das restantes seis células do lote ex-indiano, mas nada foi confirmado ainda oficialmente.

A Força Aérea Nacional de Angola possui já vários modelos de caças e bombardeiros da família Sukhoi, nomeadamente Su-22, Su-24, Su-25 e Su-27, para além de MiG-21 e MiG-23 também de origem russa/soviética.

Su-27UB da Força Aérea Nacional de Angola          Foto: Autor desconhecido

No Google Maps vê-se o que parece ser um Su-30 com a camuflagem angolana nas instalações da ARZ em Baranovichi




ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>