quinta-feira, 17 de Abril de 2014

RED ARROWS NO MEDITERRÂNEO - (M1541 - 127PM/2014)

 A patrulha acrobática da Royal Air Force, que este ano comemora o seu cinquentenário, disponibilizou uma série de imagens das exibições que levou a cabo no Chipre, nos primeiros dias de abril, sobre a base aérea de Akrotiri que a Arma Aérea britânica ocupa, e sobre o Mar Mediterrâneo.

Ficam as fotos, sem mais comentários:

















Fotos: Red Arrows

AGUIAR-BRANCO, A UCRÂNIA E A DEFESA EUROPEIA (M1540 - 126PM/2014)



O ministro da Defesa Nacional, Aguiar-Branco, defendeu esta terça-feira que a crise entre a Rússia e a Ucrânia evidenciou a necessidade de uma política europeia comum e a importância de "não desvalorizar" o investimento no setor.

"É evidente que esta crise da Ucrânia/Rússia mostra que não há nada que seja adquirido e que é importante uma política de Defesa comum", afirmou, acrescentando que "é importante que não se desvalorize, como aconteceu no passado, as questões orçamentais ao nível da Defesa".

José Aguiar-Branco falava à Agência Lusa no final de uma reunião de ministros europeus dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, que terminou esta terça-feira na Cidade do Luxemburgo.

A situação na Ucrânia, analisada segunda-feira pelos ministros dos Negócios Estrangeiros, foi retomada num almoço dos ministros da Defesa, adiantou, sublinhando a "importância de se encontrar uma solução de natureza diplomática".

Por outro lado, acrescentou, foi reafirmada uma "posição de princípio muito forte no sentido em que não é tolerável que haja uma ação violadora do Direito Internacional".

Na segunda-feira, a chefe da diplomacia da EU, Catherine Ashton, anunciou a intenção de alargar a lista de personalidades russas e ucranianas pró-russas abrangidas por sanções após os recentes incidentes no leste da Ucrânia.

O governo ucraniano lançou no domingo passado uma operação que chamou de "anti-terrorista" contra os separatistas pró-russos armados que ocuparam os centros de poder em várias cidades do leste da Ucrânia.

Moscovo, que concentrou dezenas de milhares de soldados na fronteira com a Ucrânia, condenou a ação das autoridades ucranianas, com o presidente russo, Vladimir Putin, a garantir que defenderá os interesses dos russos em qualquer parte dos países que faziam parte da antiga URSS.

A Rússia não reconhece o governo provisório pró-europeu chegado ao poder após o derrube, no final de fevereiro, do presidente pró-russo Viktor Ianukovich, na sequência de manifestações sangrentas na capital ucraniana.

Tropas russas, auxiliadas por milícias pró-russas, tomaram no mês passado o controlo da península da Crimeia, que fazia parte da Ucrânia, e que acabou por se anexar à Rússia após um referendo cuja legitimidade não foi reconhecida pelos países ocidentais.

Fonte: TVI24

PILOTO DA RAF EFETUA PRIMEIRA ATERRAGEM VERTICAL EM F-35B (M1539 - 55AL/2014)


Um piloto da RAF, destacado na Base Aérea de Eglin, na Flórida (EUA), tornou-se o primeiro piloto do Reino Unido a realizar uma descolagem curta e uma aterragem vertical num caça F-35B Lightning II.
Vários pilotos da Royal Air Force estão destacados naquela base, efetuando treino em aviões de combate  F-35 que, num futuro próximo equiparão a Arma Aérea ao serviço de sua Mejestade.
O Squadron Leader Hugh Nichols foi, portanto, o primeiro piloto instrutorda RAF a realizar uma aterragem vertical no F-35B.
A entrega da frota de aviões Lightning II para serviço operacional está prevista para se iniciar em 2015, após um período de dois anos de treino  de tripulações efetuado nos EUA.
Os primeiros vôos operacionais a partir da Base Operacional Principal da RAF, em Marham, são esperados para 2018. Os ensaios de voo a bordo do porta-aviões da classe Queen Elizabeth também terão início em 2018, tendo como objetivo fornecer capacidade de ataque embarcada até 2020.


Fonte: The Telegraph
Tradução e adaptação: Pássaro de Ferro

quarta-feira, 16 de Abril de 2014

MIG-29 DA UCRÂNIA SOBREVOA COLUNA DE SEPARATISTAS PRÓ-RUSSOS (M1538 - 54AL/2014)


Um inesperado espetáculo  de exibição de força foi protagonizado pela Força Aérea da Ucrânia sobre Kramatorsk, hoje, 16 de abril. Nada mais nada menos do que um Mig-29 Fulcrum, visivelmente armado, que sobrevoou uma coluna de separatistas pró-Rússia, a muito baixa altitude. 
Todavia, e curiosamente, a aeronave ostentava um esquema de alta visibilidade, branco, amarelo e  azul, isto é, uma aeronave que pertence à patrulha "Ucranian Falcons", a patrulha acrobática da Força Aérea Ucraniana.

A versão vídeo:


NAVE ESPACIAL, MISSÃO ESPECIAL (M1537 - 125PM/2014)

Boeing X-37B      Foto: USAF

A nave espacial da Força Aérea dos EUA (USAF) está em órbita há quase 500 dias - um recorde de longevidade no espaço. Mas depois de quase um ano e meio de missão, o Pentágono não revela qualquer pormenor sobre o que o X-37B anda a fazer, nem quando regressará.

A USAF lançou a nave não tripulada X-37B no topo de um foguetão Atlas-5 em dezembro de 2012. Desde então deu a volta à Terra milhares de vezes, sobrevoando locais interessantes como a Coreia do Norte e o Irão.

Similar ao Space Shuttle em aparência, o pequeno X-37B tem contudo cerca de um quarto do tamanho dos antigos vaivém espaciais. Pode no entanto, e tal como já comprovado pela terceira vez, ficar em órbita muito mais tempo, principalmente devido a não ter restrições impostas pelo fator humano. A sua primeira missão no espaço durou 225 dias, a segunda 469 e a terceira vai já nos 491.
O que faz ao certo em órbita é desconhecido, tendo o porão de carga do aparelho o tamanho de uma pequena carrinha pickup.

Eventualmente - para já ninguém diz quando - a nave planará de regresso à Terra, de modo similar ao que o Space Shuttle fazia, aterrando numa pista da USAF na Califórnia.

X-37B após aterragem   Foto: USAF

O X-37B começou como um projeto da NASA para a construção de uma pequena nave espacial não tripulada. A NASA entregou o projeto à Defense Advanced Research Projects Agency em 2004, mas após problemas orçamentais, o programa foi transferido para  USAF, que o continua a gerir. O Gabinete Phantom Works da Boeing construiu dois X-37B.

Dada a ausência de informação oficial, os rumores abundam. Um dos mais interessantes é o que afirma que o X-37B tem a capacidade "escutar" outros satélites em órbita. A ideia é apelativa, mas os EUA têm já outros satélites de menor dimensão e mais difíceis de detetar para essas funções. Outro rumor é o de que se destina a interferir com satélites de outros países.
Outro ainda mais interessante, alega que o X-37B é uma espécie de bombardeiro orbital, capaz de atingir alvos no solo.

Para Brian Weedan, antigo oficial do Comando Espacial da USAF, o X-37B não é mais do que um banco de ensaios para desenvolvimento de novas tecnologias: "A atual missão tem tido a mesma órbita praticamente desde o lançamento, manobrando ocasionalmente apenas para manter essa órbita. Isso é consistente com missões de deteção/ISR (Intelligence, Surveillance, Reconnaissance) remoto."

O X-37B estará provavelmente a testar tecnologias  a usar em futuros satélites espiões. Novas câmeras, novos radares e sensores a testar no espaço, para melhorar depois na Terra. Um satélite espião é uma tecnologia extremamente cara para depender de tecnologia não testada.

Isso não significa contudo que o X-37B não esteja a espiar outros países. A sua rota leva-o a sobrevoar países como Coreia do Norte, Irão, Paquistão, Afeganistão e China. Os testes podem muito bem estar a ser realizados sobre alvos reais, desde silos de mísseis na Coeria do Norte, aos estaleiros onde estão a ser construídos os novos porta-aviões chineses.

Embora seja apenas mais uma suposição, o tempo que o X-37B está em órbita leva a crer que esses sensores estão já a funcionar aparentemente muito bem.





VAIVEM EUROPEU TESTADO EM CASTELO BRANCO (M1536 - 124PM/2014)

"Nariz" do Spacecraft europeu      Foto: ESA

O Intermediate Experimental Vehicle, ou IXV - a designação dada ao vaivém espacial europeu pela Agência Espacial Europeia - está a ser testado em Castelo Branco, no novo centro de ensaios aeronáuticos do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ), revelou ao Expresso o administrador do ISQ Joaquim Guedelha.

Este centro de ensaios começou a funcionar este ano, vocacionado para os testes aeronáuticos e espaciais, mas também para as indústrias naval e automóvel, e para o setor da energia - onde se inclui a área petrolífera e de gás natural e ainda a petroquímica.

O interesse prático destes testes é "prever o desgaste das peças em materiais compósitos e o tempo médio da sua vida útil", explica o administrador do ISQ.

Fonte: Expresso

X-47B EXECUTA VOO NOTURNO (M1535 - 123PM/2014)

Foto: US Navy

As operações da Aeronave de Combate Não Tripulada X-47B durante o dia já não são novidade. A novidade foi desta vez a primeira operação noturna com este avançado drone.

Foto: US Navy

O acontecimento deu-se a partir da Base Aeronaval de Patuxent River, Mariland, EUA.
Os voos noturnos são o próximo passo no desenvolvimento incremental do conceito de operações de rotina. A Marinha dos EUA irá continuar a executar testes com o X-47B para amadurecer os procedimentos standard,  para o uso conjunto do espaço aéreo em cooperação de aeronaves tripuladas e não tripuladas.

Fonte: Navy Live
Tradução: Pássaro de Ferro

DESCOBERTO LOCAL DE TESTES DE DRONE DE COMBATE BRITÂNICO (M1534 - 122PM/2014)


Imagens de stélite das Digital Globe parecem mostrar o BAE Taranis, Veículo Aéreo Não Tripulado (VANT) furtivo, na base de Woomera, Austrália.

Foi revelado em fevereiro passado pela BAE Systems, que o VANT de combate tinha realizado com sucesso o primeiro voo num local incerto na Austrália, em agosto de 2013. Imagens recentes  parecem confirmar que os testes se estão a realizar em Woomera, no sul da Austrália, uma base bem conhecida dos spotters de aviação. Mesmo apesar das imagens não terem grande definição, medições usando o Google Earth, sugerem que a aeronave tem 9 m de envergadura, tal como a informação revelada publicamente para o Taranis. Mais medidas contudo são praticamente impossíveis com recursos apenas a imagens desta qualidade, além de que o nariz da aeronave parece possuir um tubo de pitot ou aparelhos de comunicações.

Imagens de outubro de 2013 já mostravam o VANT numa das placas da base e equipamento de suporte em volta, sugerindo atividade pré-voo.

Nigel Whitehead da BAE informou que uma série de voos foram realizados durante o último ano, a diferentes altitudes e velocidades, mas mais detalhes não foram então avançados.

O projeto franco-britânico Taranis foi batizado com o nome do deus celta do trovão e é comparável ao X-47B americano. Tal como este, foi projetado para voar com um certo grau de autonomia, desde a descolagem à aterragem. De acordo coma infografia da BAE, o VANT de combate pode voar sobre a localização do alvo usando um plano de voo pré-determinado, proporcionando vigilância persistente até o alvo ser identificado positivamente. Pode largar então armamento a partir de duas estações internas, após confirmação de um controlador humano no comando de missão. Além desta capacidade standard de ataque ao solo, não se conhecem muitas mais características ofensivas, especialemnte no que respeita a aeronaves inimigas.

O Taranis está em desenvolvimento desde dezembro de 2006, quando a BAE assinou contrato com o Ministério da Defesa britânico e seria revelado ao público em 2010. A versão de demonstração agora a voar levou 1,5 milhões de horas.homem a construir e custou cerca de 300M USD.

Fonte: War is Boring
Tradução e adaptação: Pássaro de Ferro



ACIDENTE COM YAK-130 RUSSO (M1533 - 53AL/2014)


Um avião de treino, Yak-130, da Força Aérea Russa, despenhou-se ontem, na terça-feira, perto de Astrakhan, na Rússia. 
Sobre as causas do acidente/incidente e do estado de saúde do co-piloto da aeronave, nada foi relatado.
O Yak-130 é um avião de treino e ataque ligeiro, lançado há relativamente pouco tempo e que tem sido uma das marcas do ressurgimento da indústria aeronáutica militar da Rússia, e tendo sido escolhido para algumas forças aéreas, nomeadamente por ter estado presente no ano passado no Salão de Paris, em Le Bourget.

Fonte: RNovosti
Tradução e adaptação: Pássaro de Ferro

25 ANOS DE EPSILON - nova pintura especial (M1532 - 52AL/2014)

A formação liderada pelo novo "pintura especial" à chegada À BA1    Foto: Paulo Fernandes/OneShootLand

Dia 31 de janeiro de 1989, são 09H35 em Tarbes - no Sul de França - quando a torre de controlo autoriza o voo AFP0253 a descolar da pista 02.
A bordo, o então Major Piloto-Aviador Carlos Gromicho e o Capitão Piloto Hungria Teixeira colocam gás a fundo e iniciam a corrida de descolagem com o primeiro Epsilon português, número de cauda 1401, adquirido pela Força Aérea Portuguesa. Destino: Base Aérea N.º 1 (BA1), em Sintra.
Volvidas quatro horas e meia e após uma paragem para reabastecimento na Base Aérea de Valladolid (Espanha), o novo avião da Força Aérea chegava ao espaço aéreo de Sintra, onde um C-212 Aviocar da Esquadra 401 o esperava para obter as primeiras fotografias em território nacional. Prosseguiu depois para a aterragem, “escoltado” por dois Cessna T-37C da Esquadra 102.
Na realidade, este não foi o primeiro voo do 1401 (mais tarde 11401), mas sim o décimo. O primeiro foi efetuado em 23 de janeiro de 1989. Entre 23 e 26 de janeiro desse ano, o Major Gromicho e o Capitão Teixeira efetuaram quatro voos cada neste avião com pilotos franceses, o que os habilitou a efetuarem os voos de aceitação.
A 30 de janeiro teve então lugar o voo de aceitação do 1401 com tripulação portuguesa, sendo este considerado o primeiro voo oficial. Apesar de a contabilização, em termos de horas de voo da frota, começar a 23 de janeiro.

A cerimónia oficial de apresentação do Epsilon aconteceu no dia 01 de fevereiro - na BA1 - e contou com a presença do Ministro da Defesa Nacional. Teve então início uma nova etapa na instrução elementar e básica da aviação militar em Portugal.
Ao contrário do 1401 (totalmente construído em França), os restantes 17 aviões foram montados em Portugal pelas Oficinas Gerais de Material Aéreo (OGMA), em Alverca. 14 (do 1402 ao 1415) foram entregues ainda durante o primeiro semestre de 1989, com o 18º - e último - avião (o 1418) a ser entregue a 09 de junho de 1990.

Foto: Paulo Fernades/OneShootLand

A 16 de abril de 2014 teve lugar na BA1 a comemoração dedicada aos atuais e antigos militares que trabalharam ligados ao Epsilon, durante estes 25 anos de operações, com a revelação da nova pintura comemorativa no avião n/c 11410, integrado em formação que sobrevoou a BA1 no regresso de uma missão de treino.

Fonte: Força Aérea Portuguesa
Adaptação: Pássaro de Ferro

Pub

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>