quinta-feira, 8 de agosto de 2019

UCRÂNIA INTERESSADA NO A-29 SUPER TUCANO [M2052 - 39/2019]

Embraer A-29B Super Tucano          Imagem de arquivo


As Forças Armadas Ucranianas estarão a considerar a possibilidade de adquirir o avião de ataque leve A-29 Super Tucano. Segundo notícia divulgada na passada semana na imprensa sul-americana, o Comandante da Força Aérea Ucraniana, Gen. Sergi Drozdov realizou recentemente um voo num A-29 da Força Aérea Brasileira, em formação de quatro aeronaves, a partir da Base Aérea de Campo Grande, Brasil.

Além do voo na aeronave, constaram do programa da visita reuniões em São Paulo com o executivos do fabricante Embraer, bem como uma série de reuniões de trabalho em Brasília e Campo Grande, onde os representantes ucranianos foram briefados sobre a organização táctica da FAB, bem como o funcionamento do sistema de treino de pilotos e a manutenção do A-29 Super Tucano.

Os ucranianos terão interesse no A-29, tanto para o treino avançado de pilotos de caça, como para o ataque leve. O país continua com uma zona de conflito latente com separatistas russos no leste do país, onde uma aeronave com as características do Super Tucano poderá ser útil.

Dado que as Forças Armadas ucranianas utilizam maioritariamente equipamento de fabrico próprio ou remanescente do período soviético, especula-se se os aviões de fabrico brasileiro receberão adaptações para os compatibilizar com esse tipo de material e armamento. A ser verdade, essa possibilidade poderia  na verdade abrir o Super Tucano a um novo mercado e permitir à indústria ucraniana tornar-se fornecedor de armamento para utilizadores do A-29.

Não há por enquanto informação acerca do número de aeronaves a adquirir, ou se outros modelos similares estarão em análise por parte ucraniana.


terça-feira, 6 de agosto de 2019

VALORES DO PROGRAMA KC-390 [M2051 - 38/2019]

O Embraer KC-390 que irá voar com as cores portuguesas a partir de 2023

Na sequência da decisão de aquisição dos aviões de transporte militar Embraer KC-390, deliberada no Conselho de Ministros do passado dia 11 de Julho de 2019, foi publicado em Diário de República a 29 do mesmo mês, a Resolução nº120/2019, que aprova as despesas relacionadas com o referido Programa.

No documento é por isso assim possível saber com mais pormenor os sub-programas que constituem o Programa global de aquisição do KC-390, bem como as verbas alocadas a cada um, repartidas do seguinte modo:

1 — Autorizar a despesa com:
a) A aquisição de cinco aeronaves KC -390, com a calendarização de entrega prevista no anexo I
da presente resolução e que dela faz parte integrante, e de um simulador de voo, ao consórcio constituído por Embraer, S. A., e Embraer Portugal, S. A., até ao montante máximo de €606.158.571,00 a que acresce imposto sobre o valor acrescentado (IVA) à taxa legal em vigor;
b) A contratação dos serviços de sustentação logística das aeronaves e do simulador de voo,
ao consórcio constituído por Embraer, S. A., e Embraer Netherlands B. V., até ao montante máximo
de € 109.817.204,00, a que acresce IVA à taxa legal em vigor;
c) A aquisição dos equipamentos de guerra eletrónica (EW Suite) para as aeronaves KC -390, à
Elbit Systems EW and Sigint — Elisra, até ao montante máximo de € 44.969.053,00, a que acresce
IVA à taxa legal em vigor.

2 — Autorizar a realização de despesas, não incluídas no número anterior, necessárias à plena
concretização do programa de aquisição e sustentação das aeronaves KC -390, até ao montante
máximo de € 66.388.172,00, a que acresce IVA à taxa legal em vigor, nomeadamente:
a) A aquisição à International Aero Engines AG (IAE) dos serviços de sustentação logística
dos motores;
b) A aquisição ao Governo dos Estados Unidos da América (EUA) dos equipamentos a fornecer pelo Estado Português à Embraer para instalação nas aeronaves (Government Furnished
Equipment — GFE);
c) A aquisição dos equipamentos de apoio no solo (Ground Support Equipment — GSE) e
demais equipamentos específicos não incluídos nos contratos a que se refere o n.º 1, necessários
à execução dos vários elementos de missão;
d) A aquisição da infraestrutura SI/TIC para suportar os sistemas de treino e apoio à missão;
e) A construção e ou adaptação das infraestruturas necessárias à sua operação a partir da
Base Aérea n.º 6; e
f) As demais despesas indispensáveis ao acompanhamento e fiscalização do programa.


O número 3 do documento refere ainda que as verbas referidas nos números anteriores são provenientes da Lei de programação Militar.


Tal como havíamos já noticiado, as aeronaves serão entregues ao ritmo de uma por ano, entre 2023 e 2027, patente no anexo I do documento, conforme referido acima.


Os encargos financeiros serão repartidos por 12 anos, entre 2019 e 2030, de acordo com o seguinte quadro:



sábado, 27 de julho de 2019

ROYAL INTERNATIONAL TATTOO 2019 - I - [M2050 - 37/2019]

 WAH-64D Apache

Mais uma vez o Pássaro de Ferro marcou presença no maior festival aéreo do mundo, o Royal International Air Tattoo, na sua edição deste ano, que teve lugar o fim de semana passado.
Fotografias de António Godinho.

A-400M "Atlas"

Belgian Air Force 2 Wing 'D-Day Viper' F-16AM


Belgian Air Force F-16 Solo Display "Dark Falcon"


British Airways Boeing 747-436 + Royal Air Force 'Red Arrows' Hawk T.1A

Civillian Aero L-29 Delfin

Civilian Beech 18S

Embraer EMB-314 Super Tucano

Hellenic Air Force 'Daedalus' Demo Team T-6A Texan II

Finnish Air Force F/A-18 Hornet

domingo, 21 de julho de 2019

67 ANOS DA FORÇA AÉREA - FESTIVAL AÉREO NA BA5 - III [M2049 - 36/2019]


O festival aéreo comemorativo dos 67 anos da Força Aérea Portuguesa, que teve lugar a 29 de junho na BA5 - Monte Real, foi abrilhantado pelos "Yakstars" (Portugal), "Patrulla Aspa" (Espanha) e "La March Verte (Marrocos).













Fotografia: Paulo "Oneshootland" Fernandes

quinta-feira, 18 de julho de 2019

P-3 DA FAP NA NORUEGA [M2048 - 35/2019]

O destacamento da Esquadra 601 da Força Aérea Portuguesa em Andoya, Noruega       Foto: Esq. 601

A Esquadra 601 - Lobos teve o P-3C n/c 14809 destacado em Andoya, Noruega, no âmbito do exercício NATO "Dynamic Mongoose".
O exercício, que decorreu entre 1 e 12 de Julho, juntou aeronaves de guerra anti-submarina e navios de nove países diferentes: Alemanha, Canadá, Dinamarca, EUA, França, Noruega, Portugal, Reino Unido e Turquia.

Ao todo, oito aviões e oito helicópteros participaram no exercício, para além de quatro submarinos e sete navios, que se desenrolou nas condições sempre imprevisíveis e exigentes do Atlântico Norte

A guerra anti-submarina é uma missão complexa, que requer coordenação entre navios de superfície, submarinos, aeronaves de asa fixa e helicópteros. Cada meio, aporta um tipo diferente de capacidades: os navios têm maior capacidade de permanência e podem transportar helicópteros, os aviões de patrulha têm maior velocidade e conseguem cobrir largas áreas rapidamente e os submarinos são melhores para realizar buscas e recolha de informação sem serem detectados.

"Os planeadores do exercício e a equipa de submarinos da NATO realizaram um excelente trabalho ao conceber este exercício, de modo a operarmos em diferentes ambientes, que nos exigem estar constantemente a avaliar a nossas área de operações, realçando a diversidade das capacidades e a interoperabilidade das capacidades marítimas da NATO" disse a propósito o Contra-Almirante Edward Cashman, comandante do Standing NATO Maritime Group One (SNMG1), que participou do exercício.
"Conceberam o exercício de modo a desafiar o pessoal e as unidades do Grupo-tarefa, para termos de compreender as diferentes condições do oceano, tal como ao nosso adversário e como os submarinos irão tirar partido dessas condições ambientais em seu partido" concluiu.

As tripulações dos meios aéreos participantes, na tradicional "foto de família"      Foto: NATO

quarta-feira, 17 de julho de 2019

CENTRO EUROPEU DE TREINO DE HELICÓPTEROS EM SINTRA [M2047 - 34/2019]

Imagem do exercício Hot Blade patrocinado pela EDA realizado em Portugal


Tal como o Pássaro de Ferro havia dado conta anteriormente, Portugal tinha uma candidatura bem encaminhada para receber o futuro centro europeu de treino dedicado às aeronaves de asa rotativa.
Apesar de correr praticamente sozinho numa primeira fase, uma candidatura da Alemanha ainda fez duvidar do destino do centro que irá centralizar o treino de tripulações de 17 países europeus. Ontem contudo, seria finalmente anunciada a decisão favorável à proposta nacional.
Antes disso, a Força Aérea Portuguesa organizou por quatro vezes o exercício "Hot Blade" direccionado também às asas rotativas e patrocinado pela mesma Agência Europeia de Defesa, que agora entrega o futuro Centro Multinacional de Treino de Helicópteros, ao nosso país.

No comunicado do Ministério da Defesa a propósito, pôde ler-se:

"O Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, anunciou esta terça-feira 16 de Julho de 2019, que o Centro Multinacional de Treino de Helicópteros (MHTC, na sigla em inglês), vai ficar localizado em Portugal.  

“Estaremos efetivamente em condições de abrir esse centro de formação em Sintra em 2021”, afirmou o Ministro da Defesa numa conferência de imprensa conjunta com Jorge Domecq, Diretor-Executivo da Agência Europeia de Defesa (EDA), a quem “tive oportunidade de agradecer pelo trabalho que fez para criar as condições para que o centro de formação multinacional de helicópteros viesse para Portugal”.

O Centro Multinacional de Treino de Helicópteros, que vai ficar localizado na Base Aérea nº1 de Sintra, “é um centro de formação que eu creio que será de grande valor acrescentado para Sintra, para a Força Aérea, para o nosso país, como também para a formação de pilotos e tripulações de helicóptero dos países da União Europeia", afirmou João Gomes Cravinho, que estima a vinda, ao longo do ano, de “até uns 200 pilotos e membros de tripulações de helicópteros em formação permanente”, de pelo menos 17 países.

O Diretor-Executivo da EDA, Jorge Domecq afirmou-se entusiasmado com a escolha de Portugal, cuja candidatura era “a melhor e mais completa opção” e lembrou que “a origem deste programa está na EDA desde 2009” e procura “fornecer uma abordagem standard ao treino das diferentes equipas dos diferentes Estados-membros para operações”.

Com um investimento “na ordem dos quatro milhões de euros” do lado português, o Centro de Formação Multinacional de Helicópteros vai reunir na Base Aérea n.º 1, em Sintra, três polos que até agora estavam localizados em países diferentes: um para exercícios, outro de treino dos pilotos e ainda o de treino de tripulação."

Segundo o Ministério da Defesa mostraram interesse em integrar o MHTC, além de Portugal, a Alemanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Croácia, Eslovénia, Espanha, Finlândia, Grécia, Hungria, Itália, República Checa, Reino Unido, Suécia, e ainda a Sérvia, Suíça e Ucrânia fora da União Europeia.
O MDN adiantou ainda que está também previsto um “centro de simuladores tácticos que permitirão uma formação com cenários de conflitos irregulares, guerra urbana, busca e salvamento”.


terça-feira, 16 de julho de 2019

OGMA ANUNCIA CONTRATO DE MANUTENÇÃO DA FROTA MERLIN DA FAP [M2046 - 33/2019]

Foto: OGMA

A OGMA anunciou ontem 15 de Julho de 2019, através da sua conta na rede social Twitter, a celebração, com a DGRDN (Direção Geral de Recursos da Defesa Nacional), de um contrato para a manutenção de 2º e 3º Escalão do sistema de armas EH101 Merlin.

No mesmo "tweet" pode ainda ler-se que o contrato cobre a totalidade dos doze helicópteros que compõem a frota ao serviço da Força Aérea Portuguesa (FAP), actualmente (e por enquanto) ainda baseados na Base Aérea nº6, sita no Montijo.

A manutenção da frota EH101 da FAP tem sido o "calcanhar de Aquiles" de uma aeronave que, sendo excelente para as missões que lhe são atribuídas, tem enfrentado sucessivos problemas de operacionalidade, devido à manutenção, cujo contrato não foi assegurado adequadamente pelo Estado Português aquando da sua aquisição. Desde Dezembro de 2018, quando terminou o anterior contrato com a Leonardo - que é também o fabricante do modelo - que a manutenção estava a ser realizada ao abrigo da extensão do mesmo contrato, que estava contudo limitada legalmente, no tempo.



quinta-feira, 11 de julho de 2019

OFICIAL: PORTUGAL COMPRA KC-390 [M2045 - 32/2019]



No comunicado do Conselho de Ministros de hoje, 11 de Julho de 2019 pode ler-se:

"O Conselho de Ministros aprovou hoje a aquisição de cinco aeronaves KC-390, assim como a contratação dos serviços de sustentação logística das aeronaves e do simulador de voo e a aquisição dos equipamentos de guerra eletrónica.

A aquisição das aeronaves KC-390 e de um simulador de voo, e respetiva sustentação logística, com as configurações e especificações técnicas, operacionais e logísticas definidas pela Força Aérea, permitirá reforçar as atuais capacidades de transporte aéreo, de busca e salvamento, evacuações sanitárias e apoio a cidadãos nacionais, nomeadamente entre o Continente e os Arquipélagos, incluindo-se, também, as capacidades adicionais de reabastecimento em voo e de combate a incêndios florestais, o que possibilita que Portugal disponha de aeronaves com funções de duplo uso (civil e militar), que respondem a necessidades permanentes do país.

As características únicas da aeronave KC-390 estabelecem um novo padrão para o transporte militar estratégico, até aqui apenas possível de assegurar com aeronaves quadrimotores, de superiores dimensões e capacidades, constituindo-se assim, nesta classe, como a solução que satisfaz integralmente os requisitos definidos pelo Estado Português, bem como os exigidos para participação nas operações militares que poderão decorrer das alianças de que Portugal faz parte".

O negócio está avaliado em 827M EUR, com a primeira entrega esperada para Fevereiro de 2023, após o que o ritmo de entregas deverá ser mantido em uma nova aeronave por ano até 2027. A manutenção incluída no contrato é para os primeiros 12 anos de operação.

Os KC-390 substituirão os C-130H Hercules atualmente ao serviço da Força Aérea Portuguesa na Esquadra 501 - Bisontes. A Força Aérea, juntamente com o Ministério da Defesa e o Ministério da Administração Interna, estudam contudo ainda a possibilidade de manter a frota de C-130 operacional para o combate a incêndios, mesmo após a entrada em serviço do KC-390.




sexta-feira, 5 de julho de 2019

67 ANOS DA FORÇA AÉREA - FESTIVAL AÉREO NA BA5 - II [M2044 - 31/2019]


Nesta edição, ficam as aeronaves da Força Aérea presentes em terra e em evolução nos céus!













Fotografia: Paulo "OneShootland" Fernandes
Rui "A7" Ferreira

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>