domingo, 24 de setembro de 2017

ANGOLA RECEBE PRIMEIROS SU-30 (M1918 - 55/2017)




Os primeiros dois  Sukhoi Su-30KN de um total de doze adquiridos por Angola, foram expedidos esta semana, a partir das instalações da 558 ARZ em Baranovichi na Bielorússia, onde foram modernizados. Segundo o su-director da empresa, Aleksander Vorobei, os restantes dez deverão seguir-se-lhes de acordo com o calendário estabelecido, até às primeiras semanas de 2018.



Os caças pertencem a um lote de 18 Su-30K, utilizados anteriormente pela Força Aérea Indiana, que foram retomados pela Rússia até 2011, após a Índia receber a versão mais moderna Su-30MKI.

Angola adquiriu doze desses caças, em contrato orçado em cerca de 1000M USD (dados não-oficiais) datado de Outubro de 2013, tendo sido modernizados para o padrão Su-30KN. Estas modificações incluem, segundo a agência de notícias Tass, o sistema de radar, que permitirá disparar contra dois alvos aéreos simultaneamente com mísseis guiados por radar, mapeamento digital e modos de observação do solo. As alterações prevêem ainda a substituição de alguns instrumentos analógicos por ecrãs digitais multi-funções e um sistema de vídeo. Terá ainda uma panóplia de armamento ar-ar e ar-terra alargada, sendo um verdadeiro caça multi-funções.


Descolagem para o primeiro voo a 31 de Janeiro de 2017
Primeiro voo da primeira célula modificada para o padrão Su-30KN

Rolagem da primeira célula em Baranovichi, Bielorússia

O voo da primeira célula modificada aconteceu a 31 de Janeiro de 2017, mas a entrega ocorreria apenas durante a semana transacta. Inicialmente programada para 2015, sofreu um atraso de sensivelmente dois anos, por razões que se deverão prender com a crise económica gerada pela baixa do preço do petróleo, embora a versão oficial fale em modificações adicionais nos aviões, solicitadas por Luanda.

Regresso do primeiro voo de um Su-30KN destinado a Angola

Notícias veiculadas na imprensa em Julho de 2017, davam conta de negociações entre Luanda e Moscovo, para a aquisição das restantes seis células do lote ex-indiano, mas nada foi confirmado ainda oficialmente.

A Força Aérea Nacional de Angola possui já vários modelos de caças e bombardeiros da família Sukhoi, nomeadamente Su-22, Su-24, Su-25 e Su-27, para além de MiG-21 e MiG-23 também de origem russa/soviética.

Su-27UB da Força Aérea Nacional de Angola          Foto: Autor desconhecido

No Google Maps parece ver-se um Su-30 com a camuflagem angolana nas instalações da ARZ em Baranovichi




terça-feira, 22 de agosto de 2017

HELIS DA MARINHA DE REGRESSO À NATO E COM MODERNIZAÇÃO EM MARCHA (M1917 - 54/2017)

Fragata NRP D. Francisco de Almeida com Lynx Mk.95 a bordo

A fragata NRP D. Francisco de Almeida da Marinha de Guerra Portuguesa, integra desde 6 de Agosto a Força Naval Permanente da NATO (Standing NATO Maritime Group 1 - SNMG1), que está de prontidão para a condução de variadas missões em diferentes teatros de operações.

A força é agora comandada pelo Comodoro norueguês Peter Kammerhuber na fragata HNoMS Otto Sverdrup. Além do NRP D. Francisco de Almeida integram ainda a frota a fragata HMCS Charlottetown (Canadá) e o navio abastecedor FGS Rhoen (Alemanha).

HNoMS Otto Sverdrup e NRP D. Francisco de Almeida        Foto: Marinha Portuguesa

A bordo da D. Francisco de Almeida segue o destacamento "Vader Flight" da Esquadrilha de Helicópteros da Marinha (EHM) com o Lynx Mk.95 n/c19203, além de duas equipas do Pelotão de Abordagem dos Fuzileiros, num total de 188 elementos incluindo a guarnição do navio.

Até 6 de Dezembro da fragata comandada pelo Capitão-de-fragata João Pedro Monteiro Silva , irá participar em vários exercícios internacionais e qualquer operação de responsabilidade da NATO que seja atribuída ao SNMG1

Vídeo da entrada da D. Francisco de Almeida no porto de Leith (Edimburgo)


De partida para Plymouth no Reino Unido está também a fragata NRP Corte-Real, para participar no intenso treino operacional Flag Officer Sea Training (FOST) da Royal Navy, com vista a realizar o processo de certificação para integrar o SNMG1 no ano de 2018. Este treino inclui todo o espectro de ambientes das operações navais, em especial a defesa contra ataques terroristas executados a partir do mar. A bordo, o Lynx do destacamento "Red Bull" da EHM.

Lynx Mk.95 da EHM

Entretanto, o primeiro (n/c 19204) dos cinco helicópteros da frota da EHM iniciou já o processo de modernização nas instalações da Leonardo em Yeovil (Reino Unido), que incluirá a substituição dos motores Rolls Royce Gem 42 pelos LHTEC CTS800-4N, novo glass cockpit com três ecrãs multifunções, novo sistema de navegação e novo guincho de salvamento, elevando as células ao padrão Mk.95A. Até ao final do ano de 2017, uma segunda célula (n/c 19201) deverá iniciar igualmente os trabalhos de modernização.


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

SUCESSOR DO ALOUETTE III EM AVALIAÇÃO (M1916 - 53/2017)

Sud-Aviation SE-3160 Alouette III da FAP


O Ministério da Defesa confirmou a recepção de duas propostas para o concurso de substituição dos helicópteros ligeiros Alouette III da Força Aérea Portuguesa. A Airbus Helicopters apresentou-se com o H125 (anteriormente conhecido por AS350B3e), enquanto a Leonardo concorreu com o AW119Kx.

O novo modelo a ser escolhido terá como missão primária a instrução de pilotagem e secundárias de busca e salvamento, apoio no combate a incêndios e evacuações sanitárias.

H125 (então AS350B3) em uso pela Protecção Civil 


O H125 poderá ter como vantagem ser um dos helicópteros mais usados em todo o mundo, acumulando um total  superior a 30 milhões de horas voadas. Está classificado como sendo um excelente helicóptero de montanha, tendo inclusivamente estabelecido o recorde mundial de aterragem e descolagem  uma altitude de 8850m, no Monte Evereste.
Tem também sido extensamente utilizado no combate a incêndios em território nacional, estando algumas unidades em uso pela Protecção Civil , herdadas da extinta EMA. Poderá ser este outro trunfo a favor do H125, caso haja a intenção de integrar os helicópteros da Protecção Civil  no inventário da FAP, para uma desejável uniformização de frotas.

Leonardo AW119Kx Koala                              Foto: Leonardo


Já o AW119Kx Koala da Leonardo está descrito pelo fabricante como o "mais espaçoso e mais potente helicóptero monomotor multifunções", características eventualmente valorizadas para as funções de Busca e Salvamento. Sendo um projecto mais recente que o concorrente da Airbus, poderá igualmente tirar alguns dividendos nos aspectos técnicos. Está em uso em oito países em todo o mundo, entre forças armadas, forças de segurança e particulares.

As propostas estão desde o início de Julho em fase de avaliação por parte da comissão nomeada para o efeito, sendo avaliadas segundo os parâmetros processuais definidos aquando do anúncio do concurso, e que contemplam além do preço, mais-valias técnicas e logísticas.

O valor máximo previsto a gastar com o programa de aquisição, entre 2018 e 2020 é de 20,5M  EUR. O Ministério da Defesa afirmou pretender concluir o processo de aquisição dos helicópteros até ao fim do corrente ano de 2017.





quinta-feira, 27 de julho de 2017

KC-390 OFICIALIZADO (M1915 - 52/2017)

KC-390 já no horizonte da FAP

Foi hoje, 27 de Julho de 2017, publicada em Diário da República a resolução de Conselho de Ministros  109/2017, que autoriza as negociações entre o Estado português e a Embraer SA, para a aquisição de aeronaves de carga multifunções KC-390, a respectiva sustentação logística e um simulador de voo.

Desde 8 de Junho que é conhecida da decisão, altura em que foi realizado o Conselho de Ministros que aprovou o documento agora promulgado. Contudo, o texto agora público revela novos detalhes acerca de todo processo, bem como sobre a frota C-130H Hercules que se pretende venha substituir na Arma Aérea nacional:

Fica por exemplo, claro que a aquisição do KC-390 para a Força Aérea Portuguesa (FAP) esteve  sujeita desde o início, à participação portuguesa no desenvolvimento da aeronave, que teve "o acompanhamento, através deste Ramo das Forças Armadas, do desenvolvimento de configuração da aeronave KC-390, com o objetivo de fazer refletir nesta especificações técnicas e logísticas imprescindíveis às aeronaves destinadas a Portugal."

Estão igualmente declarados os custos de desenvolvimento do KC-390 participados pelo Estado Português, orçados em 30M EUR entre 2012 e 2015, acrescentados por 16,6M EUR para 2016 e 4,14M EUR para 2017, provenientes do orçamento do IAPMEI.

No documento são ainda tecidas considerações acerca das capacidades do KC-390 citando a FAP: "o KC-390 cumpre com as características técnicas apresentadas pelo fabricante, cumprindo com os requisitos operacionais e logísticos definidos pela própria Força Aérea", acrescentando que "o processo de certificação atualmente a decorrer, genericamente de acordo com o cronograma inicialmente previsto e que deverá terminar no final de 2017, tem vindo a dar garantias adicionais relativamente ao cumprimento dos requisitos e características técnicas do KC-390".

Os objectivos da aquisição do KC-390 são descritos como reforçar "as atuais capacidades de transporte aéreo, de busca e salvamento, evacuações sanitárias e apoio a cidadãos nacionais, nomeadamente entre o Continente e os Arquipélagos. Incluem-se também as capacidades adicionais de reabastecimento em voo e de combate a incêndios florestais, o que possibilita que Portugal disponha de aeronaves com funções de duplo uso (civil e militar), que respondem a necessidades permanentes do país."

As negociações, agora autorizadas oficialmente na pessoa do Ministro da Defesa Nacional, contemplam "até cinco aeronaves KC-390, com opção de mais uma, a respetiva sustentação logística e um simulador de voo (fullflight simulator CAT D), para instalação e operação em território nacional", com Capacidade Operacional Inicial (IOC) estabelecida até final de 2021.

Destas negociações, que deverão estar concluídas no prazo máximo de três meses, devem ficar definidas as condições técnicas e financeiras com a Embraer para fornecimento dos equipamentos, bem como análise de cronogramas do programa de aquisição e análise dos preços de mercado de aeronaves semelhantes, "de modo a garantir que o preço praticado está abaixo ou em linha com os preços praticados". O estudo deverá contemplar ainda os montantes máximos de financiamento público, com recurso preferencial à Lei da Programação Militar ou fundos comunitários, para o sistema de armas, mas também para a sustentação logística de motores, aquisição de equipamento de apoiono solo, adaptação de infraestruturas, formação e treino, equipamentos específicos não previstos na configuração base (da aeronave), até ser atingida a Capacidade Operacional Final (FOC).

Esta equipa deverá ainda avaliar a possibilidade da suspensão do programa de modernização da frota C-130 (aprovada pelo Despacho nº 7859/2016), com possibilidade das verbas previstas para esta modernização garantirem a sustentação destas aeronaves até ser atingida a FOC do KC-390 e "outras capacidades da Força Aérea, previstas na Lei de Programação Militar"








sexta-feira, 21 de julho de 2017

PANAVIA TORNADO NO RIAT2017 (M1914 - 51/2017)


No último RIAT - Royal International Air Tatoo, ocorrido em Fairford no passado fim de semana, para além do SU-27 da Ucrânia como uma das principais estrelas, mostrou também o Panavia Tornado italiano [Italian Air Force - 311 Gruppo], numa pintura especial bastante atrativa.
As exibições do Tornado são sempre pujantes e, tendo em conta que cada vez há menos destes aviões operacionais, começa a ser tão precioso como raro assistir às suas exibições.
Uma vez mais, o Pássaro de Ferro agradece a colaboração fotográfica do António Godinho.








Edição: António Luís
Fotografia: António Godinho

terça-feira, 18 de julho de 2017

SU-27 "Flanker" no RIAT2017 (M1913 - 50/2017)


Decorreu no passado fim de semana o inevitável RIAT - Royal International Air Tatoo, provavelmente o maior evento aeronáutico de todo o mundo e que, ano após ano, reúne milhares de pessoas em torno dos aviões.
Este ano, entre vários destaques, surgiu o Sukhoi SU-27 "Flanker" com um inusitado e não menos atraente padrão das cores da Força Aérea da Ucrânia. Seguramente uma ação de "charme" de Kiev que, cá pelo ocidente, caiu nas boas graças de todos os que apreciam as aeronaves Sukhoi.
O Pássaro de Ferro agradece ao António Godinho, um dos vários portugueses que se deslocou a Fairford e que, simpaticamente, facultou estas belas imagens de um dos mais elegantes e belos aviões de combate da história e do mundo!







Pormenor dos bocais de exaustão e do desenho da aeronave.

 Descolagem da versão bilugar do SU-27.

Edição: António Luís
Fotografia: António Godinho

segunda-feira, 17 de julho de 2017

65º ANIVERSÁRIO DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA (1912 - 49/2017) - Dia do AM1 aberto


Ontem, dia 16 de julho, o Aeródromo de Manobra nº 1, em Maceda - Ovar esteve aberto ao público no âmbito das comemorações dos 65 anos da Força Aérea Portuguesa.
O Pássaro de Ferro, através do Rui Ferreira, esteve lá e disso dá conta na breve sinopse fotográfica que se apresenta.
O destaque - agora natural - vai para o Alouette III que, como se sabe, estará a cumprir as suas últimas operações na Força Aérea, agora que o processo para a sua substituição parece avançar.












Edição: António Luís
Fotografia: Rui Ferreira

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>