quinta-feira, 19 de julho de 2018

F-16 PARA A ROMÉNIA SAIRÃO DA FAP (M1987 - 47/2018)

F-16 portugueses (esq) e romenos (dir) na base aérea de  Monte Real


No seguimento da notícia que aqui divulgámos na passada segunda-feira 16 de Julho, dando conta do interesse romeno em adquirir mais F-16 portugueses, ficou a dúvida sobre a proveniência das células a alienar.

Em resposta à Agência Lusa, o Ministério da Defesa confirmou esta quinta-feira a venda à Roménia, tendo adiantado que as aeronaves sairão do "inventário nacional", sendo posteriormente repostas por outras adquiridas aos EUA: "Tal como no programa anterior, as aeronaves a alienar fazem parte do inventário nacional, sendo repostas por aeronaves adquiridas aos EUA que são sujeitas a um programa de atualização, `Mid-Life Upgrade´, conduzido pela Força Aérea Portuguesa e pela Indústria de Defesa Nacional".

Em resposta ao pedido de informação realizado pela Roménia, o ministro da Defesa Azeredo Lopes deu despacho favorável ao processo, tendo a Força Aérea Portuguesa respondido poder ceder "até cinco aeronaves adicionais" [às 12 já alienadas].

O negócio necessita contudo ainda da anuência dos EUA, de onde são oriundos os F-16, mas dado o anterior processo de venda, bem como a parceria também estabelecida com Portugal para similar venda à Bulgária, será de crer não existirem impedimentos desse quadrante. Apesar da Roménia ter feito saber pretender as aeronaves com a maior brevidade possível, a calendarização da venda está, ainda assim, dependente destes aspectos burocráticos a resolver.

Ao contrário do que sucedeu com a primeira encomenda para a Roménia, em que nove aeronaves estavam no mercado como excedentes, a frota em uso na Força Aérea Portuguesa está actualmente reduzida ao número considerado ideal para as necessidades nacionais (30 células). Na verdade está ainda abaixo desse número, dado que as três células adquiridas aos EUA para completar as três dezenas definidas, não foram ainda entregues à FAP pela OGMA, onde se encontram em processo de modernização.

Entre compromissos da NATO  (NRF e patrulhamento aéreo de países aliados), patrulhamento aéreo do espaço aéreo nacional e treino de pilotos, o número de aviões disponíveis é por isso exíguo. Se retirarmos ainda os aviões em manutenção e o baixo número de mecânicos de material aéreo para lhes fazer face, este número é ainda menor. Qualquer alienação pode implicar por isso, uma redução da capacidade operacional da Arma Aérea nacional.

Apesar do comunicado do Ministério da Defesa referir que os aviões de reposição serão sujeitos ao programa Mid Life Upgrade (MLU), será também de questionar esta lógica, de continuar um programa que está em final de vida, quando existe já o padrão V, que torna as aeronaves compatíveis com caças de última geração e a par com a tecnologia "state of the art" dos aliados.

Esperamos para ver se há capacidade política para transformar numa oportunidade de modernização, aquilo que à partida parece ser apenas mais uma delapidação da capacidade de defesa nacional.





terça-feira, 17 de julho de 2018

CRÓNICA DE FÉRIAS (M1986 - 46/2018)



Confesso que não faço planos de férias tendo sempre em mente os Pássaros de Ferro, por isso e por comer muito queijo, e portanto ficar esquecido das coisas, passo muitas vezes ao lado dos sítios de aviação sem lhes dar a devida atenção. Este tem sido o caso de Tavira, onde já passei inúmeras vezes férias, e tenho por “sítios de aviação” as conversas de esplanada com os dois amigos que lá vivem, e o Aeródromo de Tavira, nome pomposo para um campo de ervas daninhas que conheceu poucos aviões.
No período de férias que passei por lá, recentemente, e num dia qualquer que não sei precisar, fui dar um giro ao centro, qual turista, de máquina fotográfica em riste, assente na “almofadinha do amor”, a disparar a torto e a direito para os monumentos e curiosidades várias, eis se não quando, passei pela Casa de Fotografia Andrade, e decidi entrar para fazer uma pergunta:

-- haverá fotografias do avião que nos anos 40 aterrou ali para as bandas da praia
de Sta. Luzia?

A resposta foi por demais animadora, mais ainda porque prontamente me mostraram a dita… fotografia, feita pelo avô do Sr. Luís Andrade, também ele fotógrafo e proprietário da casa. A fotografia que procurava, está acessível para visionamento de todos, já que integra um espaço magnífico, de sua criação, um museu da fotografia, onde se pode encontrar uma pequena amostra do espólio de mais de 120 anos desta casa na fotografia da cidade e da região. Na exposição é possível ainda ver uma outra foto, de um avião que se despenhou nas salinas de Tavira, por altura da guerra civil de Espanha, mas que não consegui identificar.
O espólio constante da exposição, e muito outro, encontra-se compilado em livro, que aliás o Sr. Luís Andrade com muito orgulho me mostrou, e nele consta ainda uma terceira foto, de um aparelho que, no período da 2ª Grande Guerra, se despenhou em Moncarapacho.
Conversamos um pouco sobre fotografia, direitos de autor e tudo mais, justificando-me o porquê de não me vender as fotos, o que compreendi. Bem sei o que é ver fotos em livros e na internet sem dizer: água vai…

A aeronave visada na foto que procurava é, a que, devido ao mau tempo que se fazia sentir, aterrou de emergência na praia de Santa Luzia a 27 de Agosto de 1942. Um Vickers Wellington Mk.I C (reg. HD967) da RAF (10th ADU), que provinha de Portreath, na Cornualha (Inglaterra) rumo a Gibraltar. Todos os 6 tripulantes saíram ilesos e o aparelho foi integrado na Aeronáutica Militar [1].

Quanto às demais aeronaves, e com muita pena minha, não me foi possível saber as datas concretas das mesmas, nem consegui tão pouco distinguir pelas imagens quais seriam.

Naturalmente, e como não queria deixar de ofertar aos meus caros leitores Pássaro-Ferrosianos uma fotografia, de motivo, digamos … aeronáutico, segue a foto abaixo, durante a longa e árdua tarefa de rascunhar a presente posta …


Rui Ferreira
Entusiasta de Aviação




Nota do autor: 
O autor deseja tornar público o seu agradecimento ao Sr. Luís Andrade (Casa Fotografia Andrade), pela simpatia e disponibilidade com que me recebeu e pelos esclarecimentos que me facultou.

Fontes:
[1] – José Augusto Rodrigues autor das três edições em livro, revistas e já muito alteradas do “Batalha de Aljezur” (1988 1988 1988);


Outras fontes:

Museu - http://barlavento.pt/destaque/familia-andrade-oferece-museu-de-fotografia-a-tavira


Livro - http://barlavento.pt/destaque/os-andrade-fotografos-de-tavira-imortalizados-em-livro


segunda-feira, 16 de julho de 2018

ROMÉNIA QUER MAIS F-16 PORTUGUESES (M1985 - 45/2018)

F-16 romenos e portugueses: uma parceria para continuar


O ministro da Defesa romeno revelou na passada sexta-feira 13 de Julho de 2018, a intenção de adquirir mais cinco F-16 a Portugal, a adicionar à encomenda inicial de doze, entregues entre 2016 e 2017, e a operar no país dos Cárpatos.

Em declarações à imprensa local, Mihai Fifor acrescentou que o pedido foi realizado pelo secretário de Estado Mircea Dusa, durante a visita que este realizou a Portugal no início de Julho.
A intenção é de aumentar a actual frota de F-16 romena que inclui nove versões monolugares e três bilugares, com mais quatro monolugares e um bilugar.

Sobre os valores envolvidos no potencial negócio, Mihai Fifor não se alongou, tendo adiado a questão para depois:"Falaremos sobre o montante a pagar por estes aviões mais no final do ano, quando temos a intenção de levar uma Lei ao Parlamento, para continuar o programa F-16. É ainda cedo para falar de custos neste momento", concluiu acerca do assunto.
A Roménia pagou um total de 628M EUR pela dúzia de F-16 iniciais, embora este valor incluísse treino de pilotos e técnicos, bem como material de apoio e armamento.

As ambições da Roménia de aumentar a sua frota de F-16 não se esgotam contudo nesta segunda encomenda a Portugal: "No próximo período, discutiremos também os outros 36 F-16 que queremos comprar. Temos várias possibilidades em equação, falámos com vários Estados que têm F-16 e que os podem disponibilizar para venda, incluindo os EUA, Israel ou Grécia".

Esta vontade de criar mais Esquadras de voo equipadas com F-16 tinha já sido expressa anteriormente pelo executivo romeno, podendo actualmente ter ganho maior força, com o acidente com um MiG-21, que vitimou o piloto e levou à paralisação da frota por motivos de segurança.
Os MiG-21 romenos, apesar de modernizados, estão já em fim de vida, necessitando de substituição.

Da parte portuguesa não se conhecem ainda comentários oficiais acerca do tema. Sabe-se contudo que Portugal realizou no ano passado uma oferta à Bulgária para o fornecimento de oito F-16 MLU, que viriam dos EUA e seriam modernizados pela OGMA em Portugal, para depois seguirem para a Bulgária. Será por isso de acreditar, que os moldes deste potencial negócio com a Roménia, estejam dentro do mesmo princípio, o que não implicaria por isso uma redução da frota de F-16 ao serviço da Força Aérea Portuguesa, estabelecida em 30 aeronaves.

A OGMA está aliás,a  concluir a modernização das três últimas células, que completam os 30 F-16 da frota nacional, depois da saída dos doze aviões com as cores romenas.
Quer a venda à Roménia, quer à Bulgária, permitiriam à OGMA manter a linha de modernização de F-16 em aberto, por mais alguns anos.










domingo, 15 de julho de 2018

FORÇA AÉREA DA AUSTRÁLIA TRAZ BOEING 737 A LISBOA (M1984 - 44/2018)


Na sequência da recente passagem por Lisboa do Governador Geral da Austrália, Peter Cosgrove, surgiu a oportunidade - se não única, pelo menos rara - de fotografar um Boeing 737 da Real Força Aérea daquele país.
Ficam em registo, as belas imagens de Paulo Fernandes e Fernando Machado, que gentilmente nos cederam as fotos que obtiveram. 






sexta-feira, 13 de julho de 2018

PROGRAMA KC-390 CUSTA 600 MILHÕES (M1983-43/2018)

Protótipo 02 do Embraer KC-390 no RIAT 2018. A aeronave seguirá no Domingo 15/7 para Farnborough.


O Correio da Manhã avançou esta quarta-feira 11 de Julho de 2018, que o Governo português teria já chegado a acordo com a Embraer - fabricante do KC-390 - por uma verba a rondar os 600M EUR, por cinco unidades do novo avião de carga de uso militar.

Apesar de não citar a fonte, a mesma publicação avançava então, que o Primeiro-ministro António Costa poderia aproveitar a cimeira da NATO que decorreu em Bruxelas, para anunciar oficialmente o negócio, o que não veio a confirmar-se. O Pássaro de Ferro teve entretanto oportunidade de contactar fonte oficial da Embraer, que negou haver já confirmação oficial dos valores ou mesmo do negócio fechado.

Relembramos que as negociações entre o Estado português e a Embraer encontram-se a decorrer há já aproximadamente um ano, depois do Governo ter autorizado as mesmas em Diário de República em Julho de 2017, ficando então definido o final de Outubro do mesmo ano, como data limite para a sua conclusão, o que não viria a verificar-se. Sabe o Pássaro de Ferro que as condições financeiras do negócio têm sido o entrave principal à efectivação do acordo que transformaria Portugal no primeiro comprador externo do avião de carga brasileiro. Portugal tem contudo também participação no projecto e produção das aeronaves através da OGMA, bem como na manutenção de futuros operadores.

Os KC-390 destinam-se a substituir a envelhecida frota C-130H Hercules em uso na Força Aérea Portguesa, a voar já há alguns anos com algumas restrições, devido principalmente à necessidade de actualização de sistemas de comunicações e navegação. O programa contempla ainda equipamento de apoio e um simulador de voo, com opção para uma sexta célula de KC-390.

A feira internacional de aviação de Farnborough que se inicia na próxima segunda-feira 16 de Julho, e onde a Embraer marcará presença com um protótipo do KC-390, parece para já, uma ocasião mais apropriada para anunciar um possível acordo que levará o KC-390 a voar com as cores lusitanas.





terça-feira, 10 de julho de 2018

66 ANOS DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA - ÉVORA, JULHO 2018 [III] (M1982-42/2018)


Terceira e última parte da reportagem fotográfica do Pássaro de Ferro (pela objetiva do Paulo Frenandes) nos 66 anos da Força Aérea Portuguesa, comemorados nos céus de Évora no passado dia 1 de julho.
Edição integralmente dedicada aos convidados.


Na imagem, "Vador", o piloto do F-16 "Dark Falcon" belga que rasgou de forma impressiva os céus de Évora. Um privilégio!








Patrulha Acrobática "ASPA" de Espanha.

 Patrulha acrobática "Marche Vérte" de Marrocos.


Os Yakstars".



O Europhigter Typhon, de Espanha.

Fotografia: Paulo Fernandes


segunda-feira, 9 de julho de 2018

66 ANOS DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA - ÉVORA, JULHO 2018 [II] (M1981-41/2018)

SA-316 Alouette III - Esquadra 552- Zangões

A Força Aérea Portuguesa comemorou, a 1 de julho passado, os 66 anos como ramo independente das Forças Armadas.
Os elementos principais de uma arma aérea, são os Homens e as Máquinas que operam, em estreita relação de confiança mútua, quase como se apenas de um só se tratasse.
Aos 66 anos, a Força Aérea Portuguesa enfrenta tremendos desafios, porque os tempos são incertos e a operação dos seus meios cumpre essa incerteza, fruto do compasso do tempo e de opções que, no mínimo, podem (e devem) ser discutiveis, porque delas depende, inclusivamente, a possibilidade do  seu próprio futuro e das missões que lhe estão confiadas.
Mas isto é matéria para quem decide, ao nível político (de que tudo depende...) e ao nível da própria Força Aérea e dos que a pensam.
Aos militares da Força Aérea cabe operar os meios e enobrecer o ato do voo, cumprindo os objetivos - humanos, militares, sociais... operacionais.
Aos que contemplam o voo das máquinas, por cima de todas as dores de pescoço, ficam os arrepios na espinha de ver, ouvir e sentir, o seu troar tremendo.
Com respeito, com orgulho e com confiança.
Porque as nações e os seus valores também se fazem disso.
Em Évora, a Força Aérea fez desfilar os seus meios operacionais, dando-se a conhecer um pouco mais.
Ficam as imagens do Paulo Fernandes, a quem o Pássaro de Ferro agradece, de novo!



 TB-30 Epsilon - Esquadra 101-Roncos

C-130H Hércules - Esquadra 501-Bisontes

Dassault Falcon 50 - Esquadra 501-Linces 

 EH-101 Merlin - Esquadra 751-Pumas




 F-16M - Esquadras 201-Falcões e 301-Jaguares

Nota: As opiniões expressas nesta edição, vinculam apenas o seu autor.

Texto: António Luís
Fotografia: Paulo Fernandes

quinta-feira, 5 de julho de 2018

66 ANOS DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA - ÉVORA, JULHO 2018 [I] - (M1980-40/2018)


O ponto alto das comemorações dos 66 anos da Força Aérea Portuguesa foi o festival aéreo, realizado em Évora, no passado domingo , dia 1 de julho.
Dele damos agora conta, através das fotografias desta primeira edição que dedicamos ao evento, fotos gentilemente cedidas pelo Paulo Fernandes, a quem o Pássaro de Ferro agradece.








ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>