domingo, 27 de novembro de 2016

MISSÃO PORTUGUESA DE NOVO NO MALI (M1863 - 43/2016)


Descolou, no dia 27 de novembro de 2016, da Base Aérea N.º 6, no Montijo, uma aeronave C-130H com um conjunto de militares da Força Aérea e do Exército, rumo ao Mali.
Os familiares e amigos puderam despedir-se dos militares que partiram e que vão passar o Natal fora de Portugal e longe dos seus. 


A cerimónia de despedida foi presidida pelo Chefe do Estado-Maior do Comando Conjunto para as Operações Militares do Estado Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), Vice-Almirante Fernando Pires da Cunha, e contou também com a presença do Comandante Aéreo, Tenente-General
Joaquim Borrego, bem como de outras altas entidades militares.


O contingente que partiu hoje constitui o grosso das tropas que vão cumprir a missão MINUSMA naquele país africano, sob a égide da Organização das Nações Unidas.
Nos últimos dias já tinham descolado outros dois grupos de militares, que constituíram o grupo avançado. No voo de hoje seguiu ainda uma equipa médica da Força Aérea, que voltará ainda este domingo e que é responsável por acompanhar e fazer regressar um militar português que adoeceu no terreno.



A missão prolongar-se-á por seis meses, sendo composta por cerca de 60 militares (que serão sucessivamente rendidos) e uma aeronave C-130H, da Esquadra 501 – “Bisontes”.



O destacamento fica enquadrado no contexto de Força Nacional Destacada na dependência do EMGFA.
Texto e imagens: FAP

terça-feira, 22 de novembro de 2016

INTERCEPÇÃO DE AERONAVES MILITARES RUSSAS - Actualização 22/11/2016 (M1862 - 42/2016)

Tupolev Tu-95 da Força Aérea Russa

A notícia ontem avançada pelo Pássaro de Ferro, em que os F-16 do Alerta de Reacção Rápida (QRA) da Força Aérea Portuguesa (FAP) teriam sido accionados nas primeiras horas da madrugada de 17 de Novembro de 2016, para interceptar uma aeronave (ou mais) russa, foi hoje confirmada.

Fontes oficiais da FAP confirmaram o accionamento do Alerta no horário descrito, para identificar duas aeronaves vindas de Norte, em direcção ao espaço aéreo de responsabilidade nacional. As aeronaves seriam identificadas como sendo dois Tupolev Tu-95, que percorreram ao largo, toda a costa ocidental portuguesa, até à Ponta de Sagres, tendo invertido a rota nesse ponto, rumo a Norte novamente. Ainda segundo a mesma fonte, não houve violação do espaço aéreo português em qualquer momento, nem qualquer manifestação de hostilidade por parte dos bombardeiros russos. Não houve ainda qualquer contacto rádio entre os caças portugueses e os bombardeiros russos.

Há todavia ainda vários dados confusos, relativamente ao mesmo período, envolvendo aeronaves militares russas e que poderão explicar as notícias contraditórias que têm surgido e que envolveriam ainda outras aeronaves, nomeadamente aviões de reabastecimento e caças de escolta.

No mesmo dia 17 de Novembro de 2016, o Ministério da Defesa Russo divulgou um vídeo de uma missão alegadamente realizada nesse mesmo dia, com o último modelo do quadrimotor a hélice da Tupolev, o Tu-95MS, em que mostra a largada de armamento. Pode ler-se no descritivo, que os mísseis de cruzeiro foram "lançados contra alvos na Síria", "a partir das águas do Mediterrâneo". Pormenoriza ainda que foram "realizados dois reabastecimentos nos mais de 11.000 km" de uma rota que passou pelo "Mar do Norte e Atlântico Oriental", "tendo regressado à base de origem [não especificada] após largada dos mísseis".



Ao minuto 0:12 e 0:18 do vídeo, é possível verificar a escolta de caças Su-35. Não é contudo possível inferir em que parte(s) da missão tal ocorreu (apesar de ser obviamente de dia), admitindo que todas as imagens e dados são referentes à missão da data referida. Certo é que as imagens da largada do míssil foram captadas a partir de um caça. Houve contudo envolvimento de caças Su-33 e Su-30, a operar a partir do porta-aviões Admiral Kuznetsov e da base de Hmeymim na Síria, respectivamente, ainda segundo a descrição do vídeo.

A suportar a versão russa, há relato de que o QRA em Bodo, no Norte da Noruega, terá sido chamado a indentificar oito aeronaves ainda nas últimas horas do dia 16 de Novembro, sendo 3 Tu-95MS, 3 Il-78 (reabastecedores) e duas aeronaves de escolta não especificadas. Além de uma gravação audio alegadamente das comunicações HF russas, não há menção relativamente à origem nem fidedignidade destas informações, que no entanto foram colocadas na internet num espaço temporal compatível com a missão (23:37h de 16/11/2016).

As notícias veiculadas pela imprensa espanhola, das quais demos eco no Pássaro de Ferro, falavam apenas num caça Su-35, acompanhado por um avião de reabastecimento, que teria contornado a Península Ibérica até Rota e regressado para trás, após esse ponto no Sul de Espanha. Não é mais uma vez citada a fonte, nem a sua idoneidade. Esta versão, pelo espaço temporal coincidente e o alegado envolvimento dos F-16 portugueses, é categoricamente negada pela FAP, que efectuou contacto sim, mas com dois Tu-95, que inverteram o curso na zona da Ponta de Sagres.

Seria possível uma segunda formação ter passado mais afastada de Portugal sem ser detectada? Atravessar todo o Mediterrâneo nas mesmas condições (com alguns pontos de estrangulamento, como sejam Gibraltar, Sardenha, Sícilia, Grécia)? Em nenhuma destas regiões há até ao momento relato da passagem das aeronaves russas naquela data.
Contudo, e ao contrário de outras ocasiões, nenhuma das forças aéreas comprovadamente envolvidas emitiu qualquer comunicado acerca dos acontecimentos.

Aguardam-se novos desenvolvimentos, que possam trazer alguma luz, ao que realmente ocorreu na madrugada de 17 de Novembro.








segunda-feira, 21 de novembro de 2016

FORÇA AÉREA VOLTA A INTERCEPTAR AERONAVE RUSSA (M1861 - 41/2016)

Caça F-16AM da Força Aérea Portuguesa em configuração de defesa aérea

Passados cerca de dois anos sobre as intercepções de bombardeiros russos Tu-95 ao largo da costa portuguesa, acontecimentos profusamente comentados na época, novo episódio terá sucedido nas imediações do Espaço Aéreo nacional.

Segundo noticiou a imprensa espanhola, um caça russo Sukhoi Su-35 (modelo por confirmar) efectuou uma incursão possivelmente a partir de Solsty (a Sul de São Petersburgo) até Rota no Sul de Espanha, tendo sido acompanhado sucessivamente pelos alertas aéreos de Noruega, Reino Unido, França, Espanha, Portugal e novamente Espanha (Sul).

Tal como referido, a situação não é virgem nos últimos anos, mesmo numa região tão distante da Rússia, como Portugal. Além dos referidos episódios com os Tu-95 em Outubro de 2014, mais recentemente passaram ao largo de Portugal bombardeiros supersónicos Tu-160, em missão de ataque para a Síria. A novidade desta vez, prende-se com o facto de alegadamente se ter tratado de um caça e não de bombardeiros de longo alcance.

O episódio terá decorrido na noite de 16 para 17 de Novembro passado. Após ser interceptado e acompanhado por F-16 noruegueses, Typhoon britânicos e Rafale franceses, pela 1:23h de quinta-feira, os EF-18 do alerta aéreo espanhol em Saragoça, interceptaram o caça russo, que de deslocava sem transponder activo, sendo por isso uma aeronave não identificada.

Pela zona de Gijón, o caça vindo do Norte voltou a Oeste, para contornar toda a costa setentrional galega, sempre escoltado pelos EF-18. Ao voltar de novo a Sul e atingindo Finisterra, a parelha de F-16 de alerta da Força Aérea Portuguesa, descolada de Monte Real pela 1:10h, rendeu os congéneres espanhóis no espaço de influência lusitano. Após contornar toda a costa ocidental portuguesa, e atingindo a zona do Cabo S. Vicente pelas 2:18h da madrugada, o alegado Su-35 ter-se-á dirigido de novo em direcção a zona espanhola, tendo por isso sido accionado o alerta em Espanha mais uma vez.

Pelas 2:27h os EF-18 espanhóis estabeleceram novamente contacto com o(s) russso(s) na zona do litoral de Huelva, tendo seguido sobre o Golfo de Cádiz. Após ter passado pela base aeronaval de Rota, terá invertido a rota e regressado à sua base de origem.

A acompanhar todo o percurso seguiria ainda um avião reabastecedor, sem o qual seria impossível percorrer toda a distância para um caça.

Este episódio tem, tal como referido, várias nuances relativamente aos anteriores que se sucederam junto do espaço aéreo português, nomeadamente o facto de se tratar de um caça e não bombardeiros de longo alcance e também por se tratar (caso se confirme) de um Su-35, o modelo mais recente no inventário russo.
Outra possibilidade é a de que se trate do "irmão" Su-34, relativamente parecido com o Su-35, mas de ataque ao solo e não um caça de superioridade aérea como o Su-35.

Caças russos Su-35 (esquerda) e Su-34 (direita)
Este tipo de actividade por parte dos russos, com vários episódios que temos relatado no Pássaro de Ferro, tem normalmente como objectivo testar tempos de reacção das defesas da NATO, bem como explorar eventuais pontos fracos em zonas fronteiriças e na coordenação entre as diversas forças aéreas. Poderá ainda servir para aferir o alcance do radar dos diversos caças em uso na NATO. De notar que na rota realizada, foram efectuados contactos com quatro modelos diferentes de caças ocidentais (F-16AM, Typhoon, Rafale e EF-18M).

Já em Abril de 2015 e tirando partido das condições definidas pelo Tratado de Armas Convencionais de Viena, que permite a inspecção de instalações militares dentro nos países signatários do tratado, uma delegação russa solicitou mesmo comparência na base aérea de Lossiemouth, que assegura o alerta aéreo do norte do Reino Unido, tendo "por coincidência" presenciado o lançamento da parelha de alertada RAF, para interceptar... dois bombardeiros russos.

Não há até ao momento confirmação oficial dos acontecimentos. A descolagem da parelha de alerta portuguesa foi comentada nas redes sociais à hora referida de quinta-feira, 17 de Novembro de 2016.

Ler actualização de 22/11/2016

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

OPINIÃO - TRÊS OU SEIS ANOS É MUITO TEMPO (M1860 - 40/2016)


Estas fotografias não deveriam ser notícia, digamos, nem ter a tremenda carga simbólica que tem.
Tratam-se de registos da passagem pela ilha da Madeira, hoje, de uma parelha de caças F-16 da Força Aérea Portuguesa, no âmbito do exercício militar "Lusitano 2016" cujas operações aéreas aconteceram no Aeródromo de Manobra nº3, em Porto Santo, na região Autónoma da Madeira.
Não deveria ser notícia, porque não deveria ser uma passagem que aconteceu mais de 6 anos depois, repito, mais de 6 anos depois desde a última vez que tal aconteceu, justamente em 2010, aquando da comemoração festiva dos 58 anos da Força Aérea.
Ainda assim, é preciso recuar 3 anos para registar a última e fugaz passagem de caças F-16 pelo Porto Santo, durante o exercício "Lusitano 2013", que foi aqui reportado.
Como é evidente, a culpa não é da Força Aérea, nem das esquadras, nem dos pilotos.
A responsabilidade pertence ao poder que tulela as forças armadas e que não entende - por ausência de prova política e prática - que a Região Autónoma da Madeira é território português e que, perante o quadro geopolítico atual, é "apenas" uma região que está no flanco sul/sudoeste da apetecível e ameaçada Europa e que, sem necessidade de meter explicador, tem praticamente a mesma importância estratégica e geográfica que tem os Açores.
A defesa deste flanco sul/sudoeste não é (não deveria ser...) matéria de simples retórica de circunstância política; a continuidade territorial, bem como o sentimento de pertença à nação portuguesa, não deverão ser (não deveriam ser...) meras alusões discursivas, sem qualquer consecução prática visível.
A gestão dos recursos da defesa, deveria caucionar com mais frequência a presença de meios que preencham o tremendo vazio que alimenta o isolamento e a sensação de desagregação do território.
Como é evidente, estou mais do que ciente que a prática política dispensa este "romantismo patriótico", uma vez que ele não é prioritário em termos práticos, nem tão pouco concorre muito para a sobrevivência dos regimes em Estados cuja democracia e a tranquilidade são, por assim dizer, dados adquiridos, como é o nosso, adormecidos que estão à sombra certa dos votos que se sucedem sem preocupações deste género.
Mas para mim, cidadão português e atento a estes problemas e a estas ausências, é preocupante constatar que mais rapidamente  as forças armadas e em especial as esquadras de F-16 se deslocam a exercícios fora do país

(no âmbito das suas missões operacionais e no quadro da NATO, facto que não questiono de nenhuma forma)
do que marcam presença - concreta, física, operacional, vigilante - em regiões periféricas, tão vulneráveis e, simultâneamente, tão decisivas para a soberania nacional e até para a segurança da Europa, como são os Açores e, neste caso (aqui em análise) da Madeira.


Para concluir, seria bom que o próximo registo da presença ou passagem destas aeronaves que são também prova e garante da soberania nacional nesta terra tão periférica, não ocorresse, apenas, no próximo ano de 2019 ou 2022!
Texto: António Luís
 Fotos: Nelson Sousa/Madeira Spotting Community 

domingo, 25 de setembro de 2016

DIA DE BASE AÉREA ABERTA [BA5-MONTE REAL] (M1859 - 39/2016) [Parte III]

Nesta última parte, lançamos um olhar ao "contingente" belga presente na BA5, em mais um dos habituais destacamentos em Monte Real, para operações conjuntas com as duas esquadras que operam os F-16 em Portugal, a 201 - Falcões e a 301 - Jaguares. Destaque para o avião com a pintura especial, comemorativa dos 25 anos do OCU belga, presente na exposição estática.









 
O Pássaro de Ferro deixa também o olhar pousado sobre a presença humana naquele evento, estimada em cerca de 16 mil pessoas que, como é bom de ver, coloca os olhos, o espanto e a admiração nas máquinas que rasgam o céu e administram de forma soberana os níveis de ruído.
É sempre uma oportunidade de estar próximo de aviões que frequentemente são notícia, sobretudo pelas missões internacionais que asseguram, como foi caso recente no patrulhamento aéreo do Báltico.
É também uma forma de aproximar as pessoas do meio militar e do reconhecimento do seu trabalho.






Destaque também para a presença de várias dezenas de spotters (indentificáveis pelos seus coletes refletores) que, como se diz numa certa e específica gíria, "fizeram o gosto ao dedo", disparando milhares de vezes os obturadores das suas máquinas com lentes de diversos tamanhos e alcances, fazendo de certa forma jus ao lema da Base Aérea nº5: "Alcança quem não cansa!" 


Edição e texto: Pássaro de Ferro
Fotografia: Paulo Fernandes

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

DIA DE BASE AÉREA ABERTA [BA5-MONTE REAL] (M1858 - 38/2016) [Parte II]


A segunda edição é inteiramente dedicada aos F-16MLU que em breve vão operar na Força Aérea Romena, que já voaram sob as cores nacionais e cujo historial de aquisição e adaptação para a arma aérea romena já foi amplamente noticiado nas nossas edições.

[Se quiser saber mais sobre todo este processo, experimente colocar na caixa de pesquisas desta página a designação "F-16 Roménia" e avance.]


Todo este programa de venda/aquisição destas aeronaves por parte da Roménia a Portugal foi absolutamente pioneiro, no sentido do aprontamento das aeronaves em território nacional, com o "know how" dos técnicos e pilotos da Força Aérea (particularmente dos F-16) que, para além do trabalho nos aviões, formaram os técnicos romenos, desde a manutenção até às tripulações.
As primeiras seis aeronaves seguem dentro de dias para a Roménia, iniciando uma fase inédita na arma aérea daquele país dos Cárpatos.
No domingo passado, alguns F-16 romenos evoluíram em Monte Real, sendo que entre aparelhos ainda com as cores nacionais e alguns já com o padrão adotado pela Roménia, foi uma espécie de oportunidade para a despedida.








Edição e texto: Pássaro de Ferro
Fotografia: Paulo Fernandes e Rui Ferreira

DIA DE BASE AÉREA ABERTA [BA5-MONTE REAL] (M1857 - 37/2016) [Parte I]

Decorreu no passado domingo mais um evento integrado nas comemorações dos 64 anos da Força Aérea Portuguesa.
A Base Aérea nº5, em Monte Real, esteve aberta e nela entraram cerca de 16 mil pessoas para assistir ao vivo, a cores e in loco às manobras aéreas previstas para aquele dia - operações/missões de treino operacional das Esquadras 201 Falcões e 301 - Jaguares,bem como a atividade dos F-16 (quase) romenos e o destacamento de F-16 da Bélgica, estes regulares visitantes em Monte Real.
Esta primeira edição no Pássaro de Ferro retrata a atividade dos F-16 nacionais, os da Força Aérea Portuguesa, bem como do C295 - nos batismos de voo - e a passagem de um P-3C da Esquadra 601 - Lobos.
A Pássaro de Ferro agradece ao Paulo Fernandes a disponibilidade para a cobertura fotográfica deste dia e eventos associados, como sempre com um trabalho de excelente nível.














Edição e texto: Pássaro de Ferro
Fotografia: Paulo Fernandes

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>