domingo, 25 de junho de 2017

O "PORTUGAL" VOA JÁ AMANHÃ (M1905 - 42/2017)

Créditos na imagem: Tiago Palla/jetphotos.net

«O novo avião da TAP com emblemática pintura "retro" apresenta-se aos portugueses em Lisboa e no Porto. É um Airbus A330-300, é uma homenagem a Portugal e aos Portugueses e vai promover o País aquém e além-fronteiras.
A primeira aeronave da TAP a exibir uma pintura “retro” descola esta segunda-feira e vai pôr os portugueses a olhar para o céu.
O Airbus A330-300, batizado de “Portugal” é um tributo da TAP à sua já longa história, que é também a história do País. Hoje como outrora, a TAP cruza os céus em nome de Portugal e dos Portugueses, já lá vão 72 anos.
A pintura do novo avião “Portugal” faz parte de um conjunto de ações programadas pela companhia para celebrar essa ligação histórica e indissociável entre a TAP, Portugal e os portugueses.
Ao iniciar os voos comerciais de longo curso, em que irá promover Portugal além-fronteiras, da América do Norte, à América do Sul, passando por África, o "Portugal” apresenta-se esta segunda-feira, dia 26, num primeiro voo nacional de demonstração.
O itinerário deste primeiro voo foi criteriosamente desenhado para mostrar aos Portugueses e ao mundo este verdadeiro embaixador de Portugal, tendo passagem assegurada pelos cenários mais icónicos de Lisboa e Porto.
Quem voou nas décadas de 50, 60 e 70 vai emocionar-se ao recordar estas cores. E quem nunca voou, também. É um ícone a que é impossível ficar indiferente. A todos, a TAP apela a que vejam o “Portugal” voar. Basta olhar para o céu na segunda-feira de manhã.

O itinerário:


O “Portugal” descolará de Lisboa pelas 9:00, rumo ao Porto. Na Invicta, irá sobrevoar a Foz e fará a primeira passagem baixa na pista do Aeroporto Sá Carneiro, pelas 10:00. De regresso a Lisboa, sobrevoará Cascais, a ponte 25 de Abril e, pelas 11:30, terá uma passagem baixa na pista, antes de aterrar no Aeroporto Humberto Delgado ao 12:00.
O avião: O “Portugal” é um dos três Airbus A330-300 que a TAP recebe este verão e que contribuem para o aumento de capacidade da companhia face à abertura de novas rotas, nomeadamente a rota de longo curso para o Canadá (Toronto), inaugurada a 10 de junho.
Com a matrícula CS-TOV, tem  capacidade para 285 passageiros e ostenta a imagem corporativa da TAP utilizada entre os anos 50 e 70. É recriada, de forma fiel, a tipografia ‘Transportes Aéreos Portugueses’ e o logotipo da companhia na época, popularmente conhecido como “Passarola”.
Este é o segundo avião da TAP a receber o nome do País. O primeiro a chamar-se “Portugal” foi um Boeing 747-200, recebido pela TAP em fevereiro de 1972.
A imagem clássica escolhida para este avião “retro”, a mais emblemática antiga identidade corporativa da companhia, foi utilizada pela primeira vez no avião Lockheed Super Constellation, recebido pela TAP em julho de 1955, tendo o Boeing 727-200 sido o último a exibi-la.

Foto: Carlos Silva

Agora, é um moderno Airbus A330-300 a vestir estas “cores”. O significado que elas carregam, esse, é o mesmo.»

Texto: Press release da TAP

terça-feira, 20 de junho de 2017

O FOGO, OS AVIÕES, A MENTIRA E A VERDADE (M1904 - 41/2017)

 Foto: Ejército del Aire

Hoje o dia fica marcado pela notícia - oficialmente desmentida - da alegada queda de uma aeronave de combate aos incêndios que, desde sábado passado, destroem a floresta na zona do Pinhal Interior 

     - pinhal interior é, em si mesmo uma designação falsa, na medida em que de pinhal pouco resta e deveria ser, sim "Eucaliptal Interior".

A notícia da alegada queda do Canadair, que muitos OCS difundiram e o Pássaro de Ferro partilhou, pelo que foi dito e afirmado pelas autoridades (ANPC e Governo), era falsa.
E assim sendo, ela engrossa uma tenebrosa lista de notícias falsas, disseminadas pelas redes sociais, por sites de notícias forjadas e pela onda catastrofista que, invariável e despudoradamente é cavalgada por interesses estranhos à verdade dos factos, motivados pela febre do protagonismo e dos hits que dão dinheiro.
É uma espécie de "condição abutre" que paira sobre a desgraça alheia, cobrindo-a com mais desgraça e pronta a chupar os cadáveres até aos ossos.
O papel dos órgãos de comunicação social sérios, como é o caso do Pássaro de Ferro, está, por isso, sobre permanente escrutínio e, evidentemente, exposto por inerência natural, digamos, às notícias falsas que por vezes são tremendamente "vestidas" de realidade e em que a voragem mediática frequentemente descarta os filtros devidos à sua depuração.
São tempos "estranhos" estes, proporcionados pela total abertura do espaço comunicacional, sobretudo o que assenta nas plataformas digitais globais, largada à vontade, às vontades mais variadas. Desde as mais sérias às mais estúpidas.
E a estupidez, infelizmente, está generosamente distribuída.

Edição: António Luís

segunda-feira, 12 de junho de 2017

COMEMORAÇÕES DO DIA DE PORTUGAL NO PORTO (M1903 - 40/2017)


Durante o fim de semana passado as Forças Armadas Portuguesas fizeram-se representar na invicta cidade do Porto para as comemorações de mais um 10 de junho - Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.


Na Avenida dos Aliados, em pleno e muy nobre coração da cidade capital do Norte, a Força Aérea manteve uma presença significativa, através da exposição de meios e aeronaves, nomeadamente ALIII, F-16 e Alpha Jet.


A presença destes meios, algo inusitada naquele local atraiu muitas pessoas quede uma forma tão simples e tão eficaz puderam ver de perto aeronaves que a maioria das vezes apenas vêem olhando para o céu. 


No dia 10 de junho, o habitual desfile militar comemorativo do dia de Portugal, que decorreu na zona da Foz, contou com a presença dos três ramos das Forças Armadas - Marinha, Exército e Força Aérea - desfile esse que foi sobrevoado com os meios aéreos ao serviço da arma aérea nacional Portuguesa.




Estas comemorações, para além do seu simbolismo, potenciam igualmente a relação que se deseja próxima e orgulhosa dos cidadãos relativamente às (suas) Forças Armadas. E essa proximidade e orgulho são tanto mais necessários porquanto o mundo se encontra numa situação tão ambígua e cheia de pontos de interrogação relativamente à sua paz e segurança.

Fotos: Rui Ferreira
Luís Neves

quinta-feira, 8 de junho de 2017

PORTUGAL APROVA AQUISIÇÃO DE KC-390 (M1902 - 39/2017)

KC-390 em largada de para-quedistas      Foto: Embraer


"Foi hoje aprovada uma Resolução do Conselho de Ministros que autoriza o início das negociações com a Embraer, Defesa e Segurança, S.A., para a aquisição de cinco aeronaves KC-390, com opção de mais uma, e um simulador de voo (fullflight simulator CAT D), para instalação e operação em território nacional.

A importância estratégica que a indústria aeronáutica pode desempenhar para o desenvolvimento económico nacional, enquanto indústria de elevado valor acrescentado com capacidade para estimular e valorizar o investimento em inovação, dinamizar a criação de redes de empresas de base tecnológica e a disseminação horizontal de tecnologias entre setores, promover o emprego qualificado e as exportações, justificou o envolvimento de Portugal, desde 2010, no projeto de desenvolvimento e produção do KC-390."

É este o texto que se pode ler no comunicado de Conselho de Ministros de 8 de Junho de 2017.
O KC-390 tem como finalidade substituir a frota de C-130H Hercules ao serviço da Força Aérea Portuguesa, nas missões de transporte táctico de pessoal e carga, lançamento de tropas para-quedistas.
A nova aeronave da Embraer, tem ainda capacidade de fornecer reabastecimento aéreo de combustível a aeronaves compatíveis, bem como o combate a incêndios florestais.

De recordar que as aeronaves C-130 da FAP, têm na sua generalidade quase 40 anos, estando actualmente na iminência de sofrer uma actualização dos sistemas de navegação e comunicações, que lhe permitam voar durante mais alguns anos, até que uma solução permanente, que agora se sabe ser o KC-390, os substituam.

O próximo passo no programa de aquisição do KC-390 para a FAP, será a constituição de um grupo de trabalho integrando os ministérios da Defesa, Finanças, Economia e Ciência e Tecnologia, que negociará com o fabricante Embraer.

De notar ainda que o KC-390 teve desde a fase de projecto um envolvimento relevante da indústria portuguesa, e terá também vários dos componentes fabricados pela OGMA em território português, nomeadamente a secção central da fuselagem, estabilizadores horizontais e portas do trem de aterragem principal.






domingo, 28 de maio de 2017

NO MUSEU DO AR, À NOITE (M1901 - 38/2017)


No passado dia 20 de maio, o pólo do Museu do Ar no AM1 - Maceda/Ovar abriu as suas portas para atividades noturnas, no âmbito da designada. "Noite dos Museus".
Uma oportunidade para retratar as aeronaves que fazem parte do acervo daquele pólo museológico, em condições de luminosidade menos ortodoxas, digamos.
No AM1 estão preservadas algumas aeronaves bem interessantes e com muita muita história sobre as suas asas.





Aliás, caminhar num Museu do Ar, em boa medida faz com que, em vez de caminhar, voemos de mão dada com o silêncio que agora envolve aqueles aviões e helicópteros.
Embrenhando-nos no espírito e absorvendo todo o ruído que o silêncio daqueles motores carrega, é fácil darmos connosco sobrevoando este ou aquele local que nos é querido, ou imaginando os homens e mulheres que voaram e fizeram voar aquelas aeronaves, sob diversas condições, umas em paz, outras em guerra, sempre com o espírito de missão como baluarte e orientação.




À noite, e ainda por cima sob o brilho cintilante das estrelas, as condições de voo podem ser excecionais, elevando bem alto os níveis do eterno sonho do voo!
Fotos: Rui Ferreira

sábado, 27 de maio de 2017

DESTACAMENTO DE C-130 DA BÉLGICA NO AM1 (M1900 - 37/207)



Estiveram destacadas recentemente no Aeródromo de Manobra nº1 em Maceda - Ovar (AM1), aeronaves C-130 Hércules da Força Aérea Belga.
Os propósitos deste destacamento prendem-se com o treino de operações fora da MOB (Main Operation Base), para treino de tripulações e pessoal de apoio às operações, tendo em conta o envolvimento da Bélgica em diversos teatros de operação, um pouco por todo o mundo.
Estas aeronaves, operando a partir do AM1, foram observadas em operação em algumas zonas do país, nomeadamente em Tancos, na pista da antiga BA3.






Fotos: Rui Ferreira

sexta-feira, 19 de maio de 2017

SONIC BOOM SOBRE A LOURINHÃ (M1899 - 36/2017)

F-16AM Fighting Falcon da FAP

A Protecção Civil da Lourinhã emitiu ontem um comunicado à população, através da sua página de Facebook, informando que "o forte estrondo que se fez sentir às 15h30, foi originado por manobras de dois aparelhos F-16 da Força Aérea Portuguesa, sediados na Base Aérea de Monte Real, que sobrevoavam o nosso território em missão de treino."

Dado que a passagem ao voo supersónico, que causa este tipo de fenómeno, denominado "sonic boom" está em condições normais limitada a voos sobre o mar, precisamente para evitar transtornos e inquietação das populações, é possível que a referida "missão de treino" tenha na verdade sido uma missão real, situação na qual os caças de alerta estão autorizados a passar a barreira do som sobre terra.

Coincidência ou não, ontem mesmo, bombardeiros B-1B da Força Aérea dos EUA, realizaram uma missão de treino de ida e volta desde Ellsworth no Dacota do Sul, até à Jordânia no Médio Oriente, com passagem pela Área de Controlo Aéreo portuguesa.


Embora também seja possível os F-16 terem passado a barreira do som acidentalmente, é verosímil que o boom sónico sobre a Lourinhã, tivesse acontecido numa intercepção aos bombardeiros estratégicos da USAF.

Apesar de se tratar de aeronaves de um país aliado, ao contrário dos bombardeiros russos que nos últimos anos têm visitado a costa portuguesa, caso não tenha havido uma adequada comunicação do plano de voo (ou este não ter sido cumprido), a parelha de F-16 de alerta da Força Aérea Portuguesa em Monte Real é accionada para identificar e acompanhar, qualquer tipo de aeronave.

A Protecção Civil da Lourinhã apelou à calma da população e solicitou que qualquer situação anómala causada pelo episódio lhe seja reportada, para articulação com a Força Aérea.


Agradecimentos: André Carvalho



BULGÁRIA: F-16 PORTUGUESES AFINAL... TALVEZ (M1898 - 35/2017)

F-16A MLU modernizado em Portugal


Apesar da divulgação da proposta sueca, como vencedora do concurso do programa de aquisição de caças para a Força Aérea Búlgara, o novo ministro da Defesa daquele país veio hoje informar que irá rever as ofertas, entre as quais se encontra a portuguesa.

Tal como o Pássaro de Ferro oportunamente noticiou a 26 de Abril de 2017, o então governo interino anunciou o Saab JAS-39 Gripen como vencedor. O timing da decisão contudo foi algo estranho, dado ter acontecido a escassos dias da tomada de posse do novo Governo.

E é esta precisamente a razão invocada pelo novo ministro da Defesa de Sófia, Krasimir Karakachanov : "o novo Governo irá rever e discutir as três ofertas para a compra de novos caças modernos para a Defesa búlgara. (...) O Governo interino actuou precipitadamente quando apresentou um relatório sobre as ofertas no Conselho de Ministros, sabendo que não teriam tempo para olhar para ele", proferiu em entrevista à rádio búlgara Focus.
Concluindo ainda: "as ofertas serão calculadas de novo, para avaliar as possibilidades para o Estado búlgaro. O contrato irá custar uma soma considerável, cerca de 1500M BGN [Nota: cerca de 770M EUR], pelo que o Governo tem de evitar cometer erros".

Reabrem-se assim as possibilidades, para que a oferta apresentada por Portugal de F-16 vindos dos EUA e modernizados em Portugal, possa ser a escolhida por Sófia, para substituir a envelhecida frota de MiG-29 da FA Búlgara.
Itália com Typhoon igualmente em segunda mão e Suécia com Gripen novos, foram os restantes países presentes ao concurso.




segunda-feira, 15 de maio de 2017

EDITORIAL - ONZE ANOS NO AR - (M1897 - 34/2017)



Os onze anos do Pássaro de Ferro, que se cruzam hoje, reforçam a ideia que desde 15 de maio de 2006 foi bandeira desta marca. Qualidade e seriedade.
Volvidos estes 11 anos, o mundo e a Internet estão diferentes. A democratização do seu acesso tornou-se cada vez maior e o fator “visibilidade do que é publicado” está assim ao alcance de mais pessoas, facto que acarreta acrescidas responsabilidades a um espaço cuja temática é tão especificamente sensível como é a aviação militar.
A página de facebook ligada ao Pássaro de Ferro vai já a caminho dos 14 mil seguidores e, sobretudo nela, percebe-se que a informação que é disponibilizada nem sempre é lida e os comentários proliferam visivelmente desinformados, não raras vezes populistas, facto que, não sendo propriamente novidade, é um fator de preocupação para quem responsavelmente publica.
As pessoas querem ter acesso às coisas, tem acesso mas, não querem perder tempo a ler e a perceber o que lêem. Mais do que um minuto ou dois na Internet é uma eternidade e quer-se sempre passar à página seguinte. O conhecimento, sendo mais fácil de adquirir, funciona, de certa forma, em contra-ciclo com a lógica elementar, isto é: está disponível, mas o tempo que se lhe quer dedicar encolhe na medida em que o queremos espartilhar por mais e mais locais. Sendo assim, há que fazer escolhas, seriamente, e seguir coerentemente com elas.
Algumas das peças que são publicadas no Pássaro de Ferro não se compadecem com leituras em passo de corrida e em olhares diagonais, por isso, os leitores deverão ter plena consciência de que, para se ter a informação com substância, digamos, é preciso dedicar-lhe tempo e atenção. De outra forma, não resulta.
A proliferação de plataformas de notícias falsas obriga os espaços sérios, como o Pássaro de Ferro, a redobrar a atenção relativamente ao que é publicado. E isso é matéria sagrada!
Como é evidente, agradecemos a todos os que nos seguem, de forma séria e responsável, e confiam no que é publicado neste espaço.
É para todos eles que nos dedicamos, assim, à aviação.

António Luís
Paulo Mata
[Editores do Pássaro de Ferro]
 

quinta-feira, 11 de maio de 2017

40 DIAS E 40 NOITES - SUBSTITUTO DO ALOUETTE III (M1896 - 33/2017)

Começou a contagem decrescente para o anúncio do substituto do Alouette III na FAP

O procedimento do concurso para a aquisição de helicópteros ligeiros, destinados à substituição da frota dos lendários Alouette III da Força Aérea Portuguesa, foi publicado hoje 11 de Maio de 2017, em Diário de República.

No Anúncio de Procedimento n.º 3831/2017, podem ler-se os contornos gerais que haviam sido já anunciados pelo ministro da Defesa em Março passado:
"Aquisição de 5 helicópteros ligeiros monomotor (com a opção de mais 2), incluindo treino, sobresselentes e material de apoio, incluindo a possibilidade de retoma dos helicópteros Alouette III da Força Aérea", com o valor base de 20,5M EUR, e um prazo de execução de 28 meses.

O prazo para entrega das propostas é de 40 dias e os critérios de adjudicação são:

A - Valia económica - 55%

A1 - Custo global da aquisição (85%)

A2 - Valoração da retoma dos helicópteros Alouette III (15%)


B - Valia Técnico-Operacional - 25%

B1 - Piloto automático 3 eixos (30%)

B2 - Sistema de combustível redundante (20%)

B3 - Sistema elétrico redundante (20%)

B4 - Número de lugares para passageiros com 2 pilotos (20%)

B5 - Rádio com 16 canais VHF-FM, banda marítima (4%)

B6 - Sistema de gravação de dados de voo (2%)

B7 - ICS com supressão de ruído ativa (2%)

B8 - Provisões para ligação de rádio externo transportável na cabine (2%)


C - Valia Técnico-Logística - 20%

C1 - Custo do ciclo de vida (45%)

C2 - Flight Trainer Device para treino de pilotos (20%)

C3 - Computer Based Training para treino de manutenção (15%)

C4 - Centro MRO certificado para a aeronave a menos de 600 NM (15%)

C5 - Centro MRO certificado para o motor na Europa (5%)





ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>