terça-feira, 30 de junho de 2020

FORÇA AÉREA COMEMORA 68 ANOS AMANHÃ, 1 DE JULHO - [M2159 - 77/2020]


"A Força Aérea assinala, amanhã, dia 1 de julho, o seu 68.º Aniversário com uma série de eventos adaptados às atuais circunstâncias, dos quais se destacam: passagens aéreas e a manobra “Missing Man” em homenagem às vítimas da Pandemia.

Todas as capitais de distrito serão sobrevoadas por diferentes aeronaves (Chipmunk, C-130H, C-295M, Epsilon TB-30, P-3C e F-16), entre as 10H00 e o 12H30. Os horários das passagens aéreas serão disponibilizados nos Canais da Força Aérea.


A homenagem às vítimas da Pandemia, através da manobra aérea denominada “Missing Man”, decorrerá na zona de Belém (Lisboa), sobre o Mosteiro dos Jerónimos, entre as 10H45 e as 11H00. Na sua versão mais tradicional, esta saudação é realizada por quatro aeronaves de combate, durante um funeral ou homenagem, em memória de um piloto desaparecido no desempenho das suas funções. As quatro aeronaves (neste caso F-16) voam em formação e um dos aviões saí em subida vertical desaparecendo depois no horizonte.

Além desde momentos tão característicos da Força Aérea, foram preparados um conjunto de eventos digitais, como vídeos e passatempos que serão divulgados nos Canais Oficiais da Força Aérea (emfa.pt, Facebook, Instagram, Youtube e Twitter)."


sábado, 27 de junho de 2020

HMS Edinburgh em Leixões … up yer kilt! [M2158 - 76/2020]



Aqui há dias, passei umas imagens a um amigo de um Lynx que fotografei também aqui há uns anos, num vaso de guerra em Leixões, ao qual ele se referiu nos seguintes termos: sobre o « HMS Edinburgh  um belo navio!.. Já foi abatido. Bons tempos em que era frequente navios de guerra em Leixões. Quando vinha a STANAVFORLANT (penso que é assim que se escreve) era um FARTOTE, era uma tarde inteira a fazer visitas eram sempre pelo menos 6, tenho guardado vários prospectos desses navios. Tenho um dum destroyer da RN classe County que foi o primeiro que visitei com um heli a bordo um Wessex azul e amarelo anos 70».

Era de facto, um fartote, e ainda que não tenha visitado muitos, porque nunca estava atento a estes movimentos portuários, ainda visitei alguns, nomeadamente o célebre HMS Sheffield (atingido com o Exocet nas Malvinas), o nosso Barracuda (até fui lá dentro!), e devo ter por aí mais uma ou duas fotografias ou slides a propósito de alguns aparelhos que vi em Leixões que ainda não partilhei.

Neste caso, o meu amigo não tinha com ele o prospecto do HMS Edinburgh, o que é pena, completava a ilustração das imagens que hoje partilho, à laia de memória de velho do Restelo, de um Westland Lynx HAS.3 (XZ720/422), catita, que vemos no deck do HMS Edingburgh, junto com um Sting Ray, o torpedo padrão da Royal Navy, utilizado por navios e helicópteros.


Rui “A-7” Ferreira
Entusiasta de aviação

Agradecimentos: Sérgio Couto, Com. Hugo Cabral.










sexta-feira, 26 de junho de 2020

MINISTRO DA DEFESA VOA EM F-16 [M2157 - 75/2020]



De acordo com fontes não oficiais, o ministro da Defesa Nacional terá realizado esta manhã uma missão em F-16. Depois de ter voado em Alouette III na semana passada, por ocasião da cerimónia de despedida do histórico helicóptero, foi agora a vez de Gomes Cravinho experimentar o voo no actual caça multi-role da Força Aérea Portuguesa, num altura em que se vem falando sobre o futuro desta frota.



O voo decorreu sensivelmente entre as 11h45 e as 13h05, a partir da Base Aérea nº5, em Monte Real.
A missão terminou com a dessalinização do F-16BM n/c 15120 em que voou o titular da pasta da Defesa, e do asa F-16AM n/c 15112, no EOR poente da pista 36. Por essa razão, será de crer que pelo menos parte da missão tenha decorrido em ambiente marítimo.










segunda-feira, 22 de junho de 2020

ONZE PAÍSES DA NATO FIRMAM ACORDO PARA A FORMAÇÃO DE PILOTOS [M2156 - 74/2020]


Onze ministros da Defesa da NATO lançaram na passada sexta-feira, 19 de junho de 2020, uma iniciativa para criar uma rede de instalações de treino para pilotos. Os Ministros da Defesa da Bulgária, Croácia, República Checa, Grécia, Hungria, Montenegro, Macedónia do Norte, Portugal, Roménia, Espanha e Turquia assinaram uma Carta de Intenções confirmando o estabelecimento da iniciativa NATO Flight Training Europe (NFTE), a fim de unir forças para o treino de pilotos de aviões de combate, helicópteros, asas fixas e drones.

Vários aliados europeus de "menor dimensão" possuem requisitos anuais de treino de pilotos numa escala que não justifica o estabelecimento ou a continuação de centros de voo nacionais, sendo que a citada iniciativa multinacional NATO colmatará as necessidades dessas nações nessa matéria.

A assinatura da correspondente Carta de Intenções foi efetuada virtualmente a partir das capitais dos países participantes, logo após a conclusão da reunião dos Ministros da Defesa da NATO. Nos termos deste acordo, os onze aliados investigarão opções para a criação de uma rede europeia de instalações de treino para tripulações aéreas, beneficiando-se tanto quanto possível das estruturas  já existentes.

Essa cooperação multinacional aumentará as instalações de treino europeias e permitirá que as tripulações aéreas treinem mais perto de casa. Como tal, trata-se de um excelente exemplo de cooperação em prol de uma necessidade comum. ”, destacou o vice-secretário geral, Mircea Geoană.
A iniciativa proporcionará economia de custos e maior interoperabilidade entre os Aliados participantes e beneficiará a disponibilidade geral das forças aéreas da NATO.

A propósito deste assunto, na passada terça feira, à margem das cerimónias da despedida do Alouette III na Base Aérea nº11 em Beja, o ministro da Defesa Nacional confirmou que as negociações para a instalação de uma escola multinacional de pilotos de caça, com "um parceiro privado canadiano", prosseguem, apesar de algum atraso causado pela pandemia de COVID-19. Desconhece-se contudo, existe alguma relação com a notícia desta edição.

Desde o fim das operações do Alpha Jet que várias hipóteses se tem colocado (esta já em 2013...), sem contudo se ter chegado, até ao presente, a uma solução.

Aguardam-se, evidentemente, mais e melhores detalhes e desenvolvimentos sobre estes assuntos.


sábado, 20 de junho de 2020

Aventuras em sucatas … [M2155 - 73/2020]



Palhais, no Barreiro, foi local de repouso final de alguns aviões, ou o que restava deles e que, na minha senda de identificar todos os locais que possuíam aviões, ou o que resta deles (aviation wrecks&relics, ou w&r), sempre que podia perseguia a possibilidade de ir aos locais verificar, identificar e, se possível documentar com fotografias.

Em Setembro de 2000, desloquei-me pela segunda vez a Palhais, em busca de um desses locais, cuja primeira referência (Novembro de 1995) dava nota da existência de um lote de sucata de aviões, anteriormente anotado na região de Alverca. A lista de aparelhos ou partes identificadas nesse local revelou-se ser agradavelmente extensa. Passei por lá uma vez, em Setembro de 1996, e da estrada fiz algumas fotos, mas nada de especial, já que vinha com a família e não me podia prestar a grandes devaneios.
Voltei então aqui quatro anos depois, com dois Amigos, para ver e fotografar o que era possível mas, às páginas tantas, porque alguém terá ouvido, ou imaginou que ouviu, um cão a ladrar, os Amigos revelaram-se como sendo da onça e deram “corda aos bitorinos”, acabando eu por arriscar o meu belo corpinho, fazendo o caminho até aos aviões. Eles ficaram à sombra, prontos para desatar a correr para os carros ao mínimo sinal de perigo!
Lá consegui fazer algumas fotos e identificar alguns aviões ou bocados deles, como T-6, Do27  PV-2, e F-86.
Alguns anos depois voltei ao local e já não estava lá nada, nem um bocadinho para expor por cima da lareira da sala...

Deixo-vos com algumas imagens desse dia em que por lá andei em cima dos aviões.


Rui "A-7" Ferreira
Entusiasta de Aviação








Foto adicional...





   

quinta-feira, 18 de junho de 2020

PRIMEIROS F-16 DO SEGUNDO LOTE DESTINADO À ROMÉNIA DEIXAM A OGMA [M2154 - 72/2020]

À saída da OGMA com a pintura romena       Foto: OGMA

A OGMA anunciou ontem, através da sua conta na rede social Twitter, a entrega à Força Aérea Portuguesa, dos dois primeiros F-16 pertencentes ao segundo lote destinado à Força Aérea Roménia, ao abrigo do contrato assinado entre os dois países a 27 de Janeiro do corrente ano de 2020.



Estas duas primeiras células - números de cauda FAP 15132 e 15135 - estão agora na Base Aérea nº5 em Monte Real, onde aguardam a entrega à Roménia, prevista inicialmente ainda para o mês de Junho. Situações decorrentes da pandemia de COVID-19 poderão contudo impor algum atraso no processo.


A descolagem em Alverca com destino à BA5       Fotos: OGMA


Segundo a mesma planificação inicial, mais duas células têm entrega prevista para Outubro, com a quinta e última do lote, a acontecer já em 2021.






sábado, 13 de junho de 2020

Esquadrilla 6 na BA5 [M2153 - 71/2020]




Trago hoje aos caríssimos leitores Pássaro-Ferrosianos mais um apontamento fotográfico, desta feita de um conjunto de aparelhos da Armada Española que tive oportunidade de fotografar em Monte Real (BA5), nos finais de Setembro de 2004.

Tratam-se de quatro Hughes H.369HM(ASW) da Escuadrilla 6, em voo de treino “cross country”.  Eram eles os HS.15-5/01-605 ,  HS.13-7/01-607 , HS.13-9/01-609 , HS.13-12/01-612.

Por hoje é só, despeço-me com amizade, até ao próximo programa

Rui “A-7” Ferreira
Entusiasta de aviação


















sábado, 6 de junho de 2020

SUPERMARINE SWIFT - Nunca conhecemos tudo (Breve crónica) - [M2152 - 70/2020]


Por mais "perito" ou conhecedor do mundo da aviação, sobretudo a militar, nunca se sabe tudo, nunca se conhece tudo. Há sempre interstícios onde
quase
se escondem desconhecimentos, particulares particularidades que se nos escapam porque manifestamente fora dos habituais contextos, laterais aos trilhos que percorremos, lá onde nos sentimos seguros.
Recentemente, naquela felicidade espantada dos acasos, dei comigo a desconhecer por completo a existência deste avião. O Supermarine Swift.


A designação "Supermarine" traz logo à memória o icónico e incontornável "Spitfire". E, só por isso a expectativa adensa-se, não sem essa evidente razão.
Assim, este aparelho é uma espécie de "híbrido" entre o lendário Hunter e o Gnat, sendo que a combinação resulta num aspeto desprovido de especiais "temperos" e que não é completamente destoado do tradicional "design" britânico que criou a aviação de combate Beef  em meados do século passado. Uma fuselagem sem especiais predicados, a "asa varrida", uma entrada de ar de cada lado, um motor turbojato [um Rolls-Royce Avon RA.7R (Avon 114)] e está feito.
O avião, como muitos da sua linhagem, não é lindo, nem feio, antes pelo contrário.


Foi introduzido operacionalmente em 1954 (fez o primeiro voo em 1948...) e 13 anos depois, foi oficialmente retirado (1967). Tendo em conta o seu algo breve lapso de tempo de serviço, não se pode dizer que tenha sido um avião com sucesso.
As suas performances andaram no limiar da quebra da barreira do som, mas sempre abaixo dela e conseguia voar até aos 40 mil pés.
Não sei se rematar esta abordagem ao Swift com o chavão, "um ilustre desconhecido" será a melhor forma de o resumir, mas é a que, feitas as contas, assenta melhor no facto.
Perfis do avião - [via Wikipédia]

Formação de seis aviões - [via Wikipédia]

Para quem quiser saber um pouco mais sobre este avião, siga esta ligação (em inglês).





sexta-feira, 5 de junho de 2020

SEGUIU PARA MODERNIZAÇÃO ÚLTIMO LYNX DA MARINHA PORTUGUESA [M2151 - 69/2020]

O último Lynx Mk.95 da Esquadrilha de Helicópteros da Marinha à partida para Yeovil           Foto: Marinha Portuguesa


A Marinha Portuguesa informou ontem 4 de Junho de 2020, que o quinto e último helicóptero Lynx Mk.95 (n/c 19203) da sua Esquadrilha seguiu para modernização, juntando-se assim aos restantes quatro, que se encontram em fases diferentes da modernização, nas instalações da Leonardo em Yeovil, Reino Unido.

O 15203 no Montijo a ser acondicionado para o transporte até ao Reino Unido     Foto: Marinha Portuguesa


O primeiro a ser submetido aos trabalhos de modernização (n/c 19204) para o padrão Mk.95A realizou já o primeiro voo a 14 de Fevereiro do corrente, estando a sua entrega à Marinha prevista até ao final deste Verão.


O primeiro Lynx da Marinha Portuguesa modernizado, em voo de experiência em Yeovil a 27 de Maio de 2020

O programa de modernização aprovado visa a actualização das aeronaves, de forma a manter uma capacidade que confira um maior espectro operacional à Marinha, cumprindo ao mesmo tempo os requisitos de desempenho e interoperabilidade no “Céu Único Europeu”. Além de nova instrumentação do cockpit, comunicações e sistemas de navegação, os trabalhos de modernização incluem nova motorização com duas turbinas LHTEC CTS800-4N, sistema de amortecimento de vibrações do rotor principal e um novo guincho de salvamento.



ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>