sexta-feira, 21 de março de 2014

TUCANO E SUPER TUCANO PARA MOÇAMBIQUE (M1483 - 310PM/2013)

Embraer EMB-314 Super Tucano da Força Aérea Brasileira

Moçambique poderá comprar aviões de ataque Super Tucano e um simulador de manobras navais ao Brasil, disse hoje, em Maputo, o ministro da Defesa brasileiro, Celso Amorim, depois de um encontro com o seu homólogo moçambicano Agostinho Mondlane.

Segundo Celso Amorim, que falava durante uma conferência de imprensa sobre o encontro bilateral na área da Defesa que os dois países promoveram hoje, Moçambique poderá contar com "financiamento a médio e longo prazo" do Brasil para adquirir três aviões Super Tucano (Embraer EMB-314).

"Se Moçambique confirmar o interesse que foi manifestado no passado de adquirir três aviões de ataque, que são relativamente caros, eles terão que ser vendidos, mas há possibilidade de financiamento a médio e longo prazo", afirmou o ministro brasileiro.

Avançando que estas aeronaves estão a ser compradas pelos Estados Unidos para missões militares no Afeganistão, Celso Amorim falou ainda da possibilidade de Moçambique vir a adquirir um simulador naval ao Brasil.

Embraer EMB-312 Tucano da Força Aérea Brasileira

Sobre a promessa brasileira de doação de três aviões de treino Tucano (Embraer EMB-312) a Moçambique, que o Pássaro de Ferro oportunamente noticiou, o ministro brasileiro referiu que a proposta já foi aprovada pelo executivo liderado pela Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, faltando o aval do Congresso Nacional do país.

"Prometemos e vamos cumprir a doação de três aviões Tucano, que são aviões de treino brasileiros. A parte que tinha que ser realizada dentro do executivo brasileiro já foi [efetuada], agora depende apenas da aprovação do Congresso Nacional", disse Celso Amorim.

O anúncio da doação destes equipamentos causou polémica no Brasil, uma vez que foi feito numa altura em que Moçambique já se encontrava mergulhado numa crise político-militar, provocada por diferendos, ainda não resolvidos, entre a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) e o Governo de Maputo.

Os confrontos já provocaram dezenas de mortes, incluindo civis, sobretudo no centro de Moçambique.

No que se refere à área de cooperação em Defesa, Agostinho Mondlane classificou o Brasil como um dos "parceiros mais importantes" de Moçambique.

"Moçambique tem vindo a trabalhar com vários parceiros e, na área da Defesa, um dos parceiros mais importantes é o Brasil, que tem estado a trabalhar connosco na capacitação dos nossos homens", disse o recém-empossado ministro moçambicano, que substituiu Filipe Nyussi, candidato presidencial da Frelimo, no poder, às eleições de outubro.

O ministro brasileiro considerou ainda que "as necessidades de proteção e defesa dos recursos naturais em Moçambique são muito grandes", referindo-se ao reforço de cooperação que os dois países pretendem empreender.
Fonte: Lusa
Adaptação: Pássaro de Ferro

0 Voaram em formação:

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>