terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

IRÃO FURTIVO? - REPRISE (M863 - 43PM/2013)

Qaher F-313        Foto:Agência FARS
No seguimento da divulgação com pompa e circunstância, do primeiro caça stealth (furtivo) totalmente produzido no Irão, as reações de especialistas (e até para olhos menos treinados) não se fizeram esperar: ao avião batizado Qaher F-313 foram apontadas várias falhas que comprometeriam o seu desempenho: tamanho geral muito pequeno, entradas de ar demasiado pequenas, um painel de instrumentos duvidoso para uma aeronave "high tech", já para não falar na estrutura interior do aparelho, visível no cockpit, a parecer (se não é mesmo) um chamado "mockup" (modelo à escala real), com a diferença de que provavelmente nem à escala real estaria.
Se da análise das fotos, a credibilidade da aeronave já deixava muito a desejar, a cereja no topo do bolo, foi um vídeo divulgado pela cadeia de TV estatal, alegadamente mostrando o Qaher 313 em voo, cuja análise parece não mostrar mais do que um modelo de rádio controlo com a forma do F-313.

Dado o "ceticismo" internacional quanto à veracidade da aeronave apresentada, do Irão chegou um comunicado através da agência MEHR, em que são descritas as 10 características principais do Qaher F-313, a saber (e ler com cautela):

"1- A utilização de duas entradas de ar proporciona ar ao motor. Devido a um ângulo indireto das entradas de ar a refletividade de radar é reduzida, tal como no F-35
2- Os gases quentes da exaustão são misturados com ar frio das entradas de ar, arrefecendo a massa de ar antes da saída pelo bocal de exaustão, reduzindo assim os efeitos do calor na superfície da aeronave.
3- A utilização de materiais que absorvem as ondas de radar tornam o Qaher F-313 uma aeronave furtiva
4- Considerando o comprimento e altura da aeronave ser inferior a 16 e 4 m, respetivamente, os dois compartimentos de  bombas têm capacidade para duas bombas de 900 kg, ou um número maior de bombas mais pequenas de precisão, ou mísseis, ou ainda pelo menos seis mísseis ar-ar da categoria R-17 ou PL-12.
5- A relativamente grande área dos estabilizadores verticais, cria estabilidade direcional favorável, tal como a inclinação das mesmas traz benefícios aerodinâmicos, nomeadamente em manobras laterais.
6- A grande canópia proporciona visibilidade a 360º, essencial para voos a baixa altitude, ataque ao solo e combates ar-ar a curta distância (dogfights).
7- As asas com ângulo lateral variável em forma de M, são um exemplo perfeito dos projetos indígenas, que são a melhor forma para os aviões.
8- O trem de aterragem de ciclo único é a melhor prova de que o F-313 é uma aeronave leve, com peso mínimo à descolagem de 12 a 14 toneladas e máximo de 20 toneladas.
9- O cockpit tem oito ecrãs analógicos, o que significa que a tecnologia MFD (multi functional displays) ainda pode progredir no F-313.
10- Considerando que a manche de comando, os sistemas de controlo, as superfícies móveis nas asas, leme e estabilizadores verticais são hidráulicos, o sistema não é fly-by-wire (comando computorizado).

No projeto do F-313, foi usado software avançado de design (CATIA), métodos de análise aerodinâmica tais como dinâmica dos fluidos computacional (CFD), com a ajuda de software de geração de matrizes (GAMBIT) e análise de fluidos (FLUENT), além de outros programas de design por computador, que demonstram um trabalho científico completo em várias áreas científicas nacionais, utilizadas no projeto do F-313."

Ora bem....
Vejamos ainda o vídeo:



Sem mais comentários.




0 Voaram em formação:

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>