sábado, 3 de novembro de 2012

O MEU PRIMEIRO VOO (M747 - 108PM/2012)

O autor voando em formação em Tiger Moth

É sempre importante o dia do primeiro Voo.
Foi já na qualidade de aluno que efectuei o meu primeiro voo. Foi num Tiger Moth, no dia 9 de Janeiro de 1952.
O instrutor, 1ºSar Tércio, foi um excelente instrutor, presto-lhe as minhas homenagens.
Nesse primeiro voo, além de passear um pouco, começou por me mostrar algumas das características e possibilidades do avião.
Em dado momento no entanto, fez-me uma manobra que me ia fazendo torcer o pescoço e trocar os olhos. Já no solo, pergunta-me:
- Sabe que manobra foi aquela?
Respondi que não, mas que tinha ficado baralhado!
-Pois bem, habitue-se porque agora em todos os voos vai ter a mesma dose.
Foi uma dose de voo invertido.
-É para se habituar a todas as situações.
Estas palavras não mais as esqueci. Reconheço que tinha muita razão. Habituou-me a posições anormais fazendo com que nunca perdesse o “norte” mesmo nas posições mais esquisitas.
No total, durante a instrução e mais tarde na Ota, acabei por efectuar 74:45 horas no saudoso Tiger.

Texto: Cap. (Ref) Fernando Moutinho



O Pássaro de Ferro vai durante os próximos meses reservar os Sábados para contar histórias da aviação de outros tempos, contadas por quem as viveu na primeira pessoa.
O nosso primeiro protagonista é o Cap (Ref) Fernando Moutinho, piloto da Força Aérea Portuguesa entre 1951 e 1976, período durante o qual voou 20 aviões diferentes e conheceu o combate nas Guerras de África, entre muitas outras peripécias que nos irá contar. 
A sua carreira na aviação começou com a incorporação em Sintra, em princípios de Outubro de 1951, como aluno piloto.  Terminando o curso e brevetamento em fins de Dezembro de 1952, foi promovido a 1º Cabo Piloto.
Nos primeiros dias de Janeiro de 1953 foi colocado na BA2 – Ota, na Esquadra 10, onde voou no F-47D Thunderbolt, sendo promovido a Furriel em Abril do mesmo ano.
Colocado na Esquadra 21 (F-84G Thunderjet) em Abril de 1954, integrou a primeira patrulha acrobática nacional os "Dragões" ainda nesta aeronave, passando posteriormente para a Esquadra 50 que pouco depois foi renomeada Esq 51 (F-86F Sabre) em Agosto de 1958. Neste período foi promovido a 2º Sarg. em Janeiro de 1956 e a 1º Sarg. em Janeiro de 1958.
Em Dezembro de 1959 foi colocado na Base Aérea 5, em Monte Real, aquando da transferência da Esquadra 51 para aquela Base.
Promovido a Sarg. Ajudante em Janeiro de 1960, em Outubro desse ano rumou para a Águeda tirar o 1º ano do Curso de Oficiais.
Em Julho de 1961 foi colocado na BA1, em Sintra, para o 2º ano do Curso (Pilotos Navegadores) tendo terminado o Curso nesse ano e promovido a Alferes em 22/12/61.
Volta a Monte Real em Fevereiro de 1962 para a Esquadra 51.
Em Maio foi enviado para a Guiné, por 3 meses, para render outros pilotos, no Destacamento do F-86F. Nos primeiros dias de Julho de 1963 foi colocado na Guiné para uma comissão normal que terminou em Fevereiro de 1965, tendo sido promovido a Tenente em 1/12/63.
Em Março, Abril e Maio de 1965, frequentou, em Sintra, o Curso de Capitães, regressando à BA5 onde se manteve até fins de Setembro 1966. Neste ano foi colocado na BA9, em Luanda, até Outubro de 1972 sendo promovido a Capitão em 31/5/68.
Em Outubro de 1972 foi colocado nas OGMA (Oficinas Gerais de Material Aeronáutico) na Secção de Voos de Ensaio.
Em Fevereiro de 1975 é reenviado para a BA9 para reforçar a Esq 92 na missão de evacuação das populações para a Ponte Aérea.
Nas vésperas da Independência de Angola, precisamente, a 2 de Novembro, descola de Luanda trazendo o último Nord Noratlas(6415). Ficou colocado na BA3, em Tancos mas, não satisfeito, em Outubro desse ano conseguiu ser colocado na Ota onde decidiu passar à Reserva a partir de 1 de Março de 1976.
Durante a sua vida activa nunca deixou de cumprir os mínimos de voo como piloto mesmo na frequência de cursos.
Quando passou à Reserva tinha efectuado 7.825:45 horas de voo.
Foi punido uma vez por efectuar um looping com o tecto baixo e recebeu 11 louvores incluindo dois do CEMFA.
O Mapa das Horas de Voo é apresentado de seguida:


Pássaro de Ferro

1 Voaram em formação:

Rui Gomes disse...

Carissimos,
Muito obrigado por estas pequenas mas tão significativas histórias. O Sr. Capitão fernando Moutinho é alguém que admiro particularmente e por isso gostaria de ter a liberdade de lhe pedir que um dia conte aqui algo que se passou com um seu camarada de curso, amigo da minha familia e que infelizmente já faleceu, trata-se do Albano Melo Pereira e do acidente que protagonizou em F-84 numa passagem de tiro realizada na carreira de tiro de alcochete, penso que terá sido no ano de 1955. O avião embateu no solo a grande velocidade, tendo explodido, o Albano sobreviveu sem se ter ejectado, penso por isso que deverá ser algo quase único. Obrigado, Rui Gomes

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>