quarta-feira, 26 de março de 2008

As Corridas Aéreas do Touro Vermelho

Meus caros,

Escrevi isto no ano passado, e só agora estou a postar.
Só para terem pena de mim pois sou um tipo muito ocupado...
Ah, e se não se importam, quem tiver uma cópia do meu CD com todas as imagens que fiz no RBAR, p.f. façam uma cópia para mim... não sei o que é feito da minha...
A corrida aérea do touro vermelho

Chegou à Invicta o carrossel alucinante das corridas aéreas do touro vermelho.
A cidade, já de si transformista, transfigurou-se de uma forma anormal, numa azáfama bem diferente das habituais festividades joaninas, que trazem á cidade uma marabunta de gente em busca de folia e cheiro a sardinhas nas mãos, foguetório, farturas, cerveja a rodos, vómito pós-carrosseliano, e um zumbido que nos ecoa até ao dia seguinte resultado de um martelar persistente e assobiado.
Esta marabunta é diferente, vem por outras razões e motivos, vem de mais longe, uns pela curiosidade e pela ignorância, e pelo espectáculo á borla, outros movidos por uma fé inabalável, quais romeiros a pé para Fátima ou a Santiago. Estes últimos tem um único propósito, um único sentido de vida, e um olhar de alucinados, quase esgazeados, com que sondam o céu.
O circo instalou-se no queimódromo, qual circo voador do velho Manfred Von Richtofen, que muda constantemente de lugar, não porque tenha de fugir ás investidas do inimigo, mas porque é mesmo assim, tem de ir de local em local, de país em país, quais saltimbancos, quais missionários a espalhar a fé, a fé no voo dos pássaros de ferro e nos vapores de diesel, e da velocidade alucinante, e milimétrica de precisão e graciosidade, de força bruta e muita ginástica...
Os Ícaros deste circo são verdeiramente os Doze Indomáveis Patifes, de corpos moldados pelo esforço e por um olhar feito de luz, luz feita de experiência e de puro gozo, e pele tisnada pelo sol.
No céu os Ícaros comportam-se como se eles próprios tivessem asas, como se as superfícies de voo e o próprio motor fizessem parte da sua própria estrutura nervo-sensorial, como extremidades que os unem ao resto do corpo através da medula ao grande músculo que é o cérebro.
Quase como se fosse um cyborgue do ar, como se de uma só estrutura homem-máquina se tratasse, ligando o cérebro ao bordo de fuga da asa, ao controlo de potência e ao passo da hélice, ao conjunto das superfícies de voo.
Voa como se sentisse o vento e a variação da pressão do ar passar-lhe pelos rebites da pele metálica como que se tratassem do exterior sensível da sua própria pele. Sente o vento, sente a força, e voa qual contorcionista, até ao limite da sua capacidade física, que é afinal o único impecilho que encontra pela frente, e que o impede de voar mais e melhor.
No fim da sua volta, exausto, ainda arranja forças para dar mais umas quantas voltas, e lá do alto contempla o público que lá no fundo estende os braços e aplaude em apreciação daquilo que este artista do circo acaba de fazer, como quem dá um cubo de açúcar a um cavalo depois de este ter feito mais um truque para a plateia.

Afinal isto é o circo, e o Ícaro-Cyborgue um cavalo de corrida.
Os Dédalos do circo são muitos, fazem muitas e diferentes tarefas, e como é lhe é próprio são a face calada de Ícaro, que se move na sombra, na penumbra, num movimento frenético, técnico e preciso, como exércitos de formigas ou abelhas, que trabalham para a sua rainha.
Por eles podem os Ícaros degladiar-se na arena azul, na arena da precisão, do movimento, da velocidade e do ritmo do cronógrafo.
Não recebem os louros no topo da ribalta, ficam por detrás do cercado que delimita a arena, quase escondidos, mas são eles quem arma as tendas do circo e as mantém de pé, e de novo as desarmam para começar tudo outra vez, bem longe dali.
Mas este Circo do Touro Vermelho arrasta atrás de si uns outros Ícaros e Dédalos, e é vê-los por aí, por toda a parte, nos intervalos do circo, mostrando que afinal os Homens armados com as suas próteses de ferro, imitam muito bem os pássaros.
Deslizam pelo ar, em busca da velocidade e das formas das rigorosas manobras descritas nos livros, que executam numa perfeição inumana, uma após outra, até ao incontabilésimo do grau e ao cagagésimo do segundo. É o fruto do trabalho feito de dedicação e treino por forma a atingir a excelência, a perfeição almejada, não correndo o risco que as asas se lhes desmontem quando sobem ao infinito azul, rumo ao Sol ardente.


Numa das pausas olho ao meu redor.
A arena é delimitada pelo velho burgo, que outrora era só um, mas que parou em uníssono literalmente estarrecido, para ver os artistas deste circo, e esta plateia foi fiel, não arredou pé até ao final para ver o circo.
Para o ano há mais.


Nota do Autor – não que eu me julgue entendido, se calhar nem todos sabem que a lenda grega que fala do voo de Ícaro é na realidade apenas uma parte da lenda de Dédalo. Na verdade Ícaro era um tolo, um palerma alegre, um tal que se deixou levar pela alucinação do voo, e que não quis ouvir seu pai, Dédalo. Teve afinal aquilo que acontece ao longo da História, aos filhos que não querem ouvir os seus pais, e se lançam desenfreadamente para a frente, rumo ao precipício...

Mesmo assim, ouvimos sempre falar dos Ícaros, nunca dos Dédalos...


1 Voaram em formação:

S7alker disse...

É com uma precisão poética que descreves aquilo que eu, como um apaixonado irredutível pelos pássaros de ferro, senti naqueles dias loucos!
Que circo maravilhosamente insano!

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>