segunda-feira, 12 de junho de 2006

"A-7" - UM NOME E UMA HISTÓRIA... - Parte I

"O 'A-7' junto de um TA-7P" - 1990

O chafurdar na origem de um nome, neste caso na origem do meu próprio apelido (A-7), é voltar atrás, à nossa própria origem, à nossa própria história, à nossa própria vida.
Todos nós conhecemos pessoas que têm apelidos, e todos esses apelidos tem uma história, história essa que é afinal, o culminar de um conjunto de sucedidos e acontecimentos relacionados com uma pessoa, e que funcionam na sua grande maioria, ou pelo menos no pensamento de quem lho atribuiu, a explicação mais ou menos lógica para o nome, sigla, ou até ruído que lhe foi dado. Nalguns casos nem chega a ser isso, apenas é um apelido que lhe foi dado, sem grande explicação ou lógica, ou mesmo até sentido.
Tive muitos apelidos, e é natural que ainda venha a ter mais alguns, mas aquele que ficou, pois ainda perdura, é mesmo o "A-7".
A origem é simples, se assim se pode dizer. No entanto já não se pode dizer o mesmo das suas consequências. Mas por preguiça, vou-me socorrer um pouco de um texto que escrevi no ano passado que reconta bem toda a história deste apelido que, repito, é curta e sem graça.
Facto curioso, ou não, não foi na minha infância, mas antes na adolescência, e ao par do despontar do acne juvenil, que não tive, que abri a minha mente para o mundo dos aviões.
Não contrariando essa ideia diga-se em abono da verdade que, umas das vagas recordações de infância, foi o deslumbramento perante estas estranhas máquinas voadoras, vindo-me à memória, com um travo de saudade, as idas à varanda exterior do Aeroporto do Porto, não à espera de ninguém, mas numa estranha romaria dominical, que grupos familiares, pintavam um quadro colorido e cheio de movimento fervilhante, subindo e descendo as escadas de caracol exteriores, que conduziam ao terraço ou varanda, preenchendo tempos infinitos a observar, espantados, o rebuliço dos aviões a fazer uma barulheira estridente a descolar e aterrar.
Dessas romarias, e agora que falo disso, vem-me também à memória, a lembrança de brincar no interior de um aparelho, cujos contornos não me recordo com exactidão, mas que da bruma da memória me soam a algo semelhante a um T-6, a cuja carcaça acedíamos por um buraco que existia na vedação junto ao parque de estacionamento.
Poderei ter aí aberto alguma ferida que me tenha exposto ao vírus dos aviões? É possível.
Havia ali muito metal ferrugento.
Para além disso a minha mãe confirmou-o. Isso e aquela questãozita de ter malhado umas quantas vezes abaixo do berço (de cabeça, claro).
Por estranho que isso possa parecer, ou não, apanhei a doença dos aviões através do contacto com um livro, o que demonstra a capacidade de mutação deste vírus.
O Adriano, um "chinoca" chegado de Macau (no início dos anos 80) e ao qual perdi totalmente o rumo (o que é pena), um dia mostrou-me uma enciclopédia de aviação.
A partir daí foi o descalabro.
Possuo um exemplar desse livro, pois não descansei enquanto não consegui que a minha mãezinha comprasse essa preciosidade escrita pelo punho do Sr. Bill Gunston, que custou na Bertrand, importado, dois contos e quinhentos !!! (1982?) Uma pipa de massa, mas que ainda hoje uso como material de referência, porque além do mais é um daqueles livros intemporais.
Com a minha entrada no Corpo Nacional de Escutas, por volta dessa mesma década de 80, já eu padecia com alguma gravidade da enfermidade aviónica. De tal forma que pouco tempo depois, se calhar nem um ano depois, já tinham alterado o meu nome oficial, de tão chato que eu era sempre a falar de aviões. Não me recordo quando exactamente, mas começaram a chamar-me A-7.
Onde arranjaram eles o apelido? Nada mais simples, pois na altura a outra coisa mais chata a falar de aviões, nomeadamente de A-7's, e pelas piores razões, eram os noticiários, convenhamos, uma época menos gloriosa da aviação militar lusa.
Ainda hoje, e já lá vão 20 e tal anos, há dezenas de antigos e actuais escuteiros e familiares dos mesmos que, ou continuam a não saber o meu nome, ou não se desabituaram de me chamar A-7!
Repare-se que eu na altura não tinha qualquer interesse particular por este trambolho com asas, o interesse surge mais tarde. (continua)
Por: Rui "A-7" Ferreira

8 Voaram em formação:

Anónimo disse...

SLUF,continua a voar! A grande altitude ou rente ao solo, voa amigo!
Obrigado pela tua amizade e generosidade.Pelos bons momentos nesta
paixão comum e pelo teu carácter! Que
o teu Allison TF-41 nunca se apague e
o seu barulho nos faça sentir vivos e
felizes! Sonhar também è preciso...
Bons voos, A-7...

"Firebomber"

António Luís disse...

Caro "Firebomber"!

Só uma pequena correcção.
... Em vez de Allison TF-41, deveria ser o P&W TF-30 P-408.
ESTE é (era) o Motor do A-7P!...

Cumprimentos.
A. Luís

Cuervo disse...

Parabéns Rui "A7" por este blog. É a primeira vez que mando uns bitaites numa coisa destas mas esta iniciativa merece. Com mais tempo contarei aqui as minhas histórias que estou certo que serão enriquecedoras deste espaço.
Tenho, no entanto uma reclamação...
Tudo bem, todos sabemos que os "porquinhos" ficaram com a segunda esquadra de F-16 mas, como todos sabemos os Magníficos, juntamente com os Falcões é que fizeram a história do nosso SLUF e não vi nenhum link para a ESQ.304.
Um abraço do Cuervo, Magnífico 45.

Manuel da Gaita disse...

Parabéns.
o blog está fantástico

Carlos "Charlie" Gomes disse...

Amigo Rui Ferreira, grande SLUFmaster, palavras para quê? Foram pessoas como tu e o António Luís que me levaram ainda mais a gostar do Corsair. Mesmo sendo um "filho" dos Fiat e dos Jaguares, o A-7P será sempre para mim algo especial e eterno, aquele avião que na meninice era o guardião dos nossos sonhos mais etéreos, aquele no qual ansiávamos um dia subir a bordo, aquele que fazia virar todas as cabeças quando o urro do seu TF-30 se tornava audível, aquele que nos fez chorar nas alturas em que algo correu mal.
Estão prestes a decorrer sete anos desde o momento em que o SLUF deixou de cruzar os nossos céus. Foi com amargura que em 1993 me despedi do Fiat e seis anos mais tarde do Corsair. As actuais Esquadras 201 e 301 carregam orgulhosamente consigo o legado destes dois inesquecíveis aviões de combate, sinónimos de uma Era que já findou. É nas asas dos seus falcões brilha hoje a nossa Cruz de Cristo. Mas a saudade, aquela que nos aperta o peito, essa, continuará sempre cá...

Abraços
Carlos

Anónimo disse...

Xii! Que calinada!! Já agora, Luís, os
TA-7P também tinham o TF-30? Penso que
estes bilugares eram mais recentes, não eram? Obrigado pela correção e excelente blog.

Firebomber

António Luís disse...

Caro "Firebomber"
Sim, os TA-7P tinham também o TF-30.
De facto, as células dos TA-7P eram mais recentes qua as dos monolugares.
Já agora, os motores Allison TF-41 equipavam os A-7D, A-7E e A-7K, se não estou em erro, para além dos ainda operacionais A-7H e TA-7H da Grécia.

Obrigado pelos elogios. Venha sempre.

Saudações.
A. Luís

ClearedForTakeOff disse...

Belas recordçãoes de A7 a passar por cima da escola de santa cruz (madeira) na altura da Guerra do Golfo.

Belo blog, sim senhor

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>