quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

HOLLANDE NO BRASIL: TUDO PELO RAFALE (M1317 - 382PM/2013)

Dassault Rafale

O presidente francês François Hollande desembarca no Brasil trazendo na agenda uma ousada proposta de negociação para o caça Rafale. Uma demonstração de quão resoluto Hollande está, em propor um acordo irrecusável, é a participação na sua comitiva, do Presidente e CEO do fabricante francês, Eric Trappier, para pessoalmente explicar todos os detalhes técnicos, políticos e financeiros envolvidos na oferta.

O Diretor da Dassault International do Brasil, Jean-Marc Merialdo, antecipou ao Defesanet os mais atualizados detalhes da proposta francesa, para o caça Dassault Rafale, um dos concorrentes finais no F-X2, a concurso público para compra de 36 aviões de caça para a Força Aérea Brasileira.

Uma oferta de “independência” em Defesa Aérea

Eric Trappier, Presidente e CEO da Dassault Aviation, regista eno seu currículo grande parte do sucesso mundial do antecessor do Rafale, o Mirage, cuja venda em largos números no Oriente Médio tem sua assinatura. Quando perguntado sobre as perspetivas do caça conquistar um desempenho de vendas semelhante, guardadas as devidas proporções da realidade atual de redução do número de aeronaves e restrições orçamentárias, Monsieur Trappier afirma que o momento dos resultados está em franco caminho de concretização. Ele explica que o processo de venda de aeronaves militares tem um tempo absolutamente próprio, principalmente se levarmos em conta as transformações em curso.

“O Rafale incorpora hoje um Radar AESA operacional, peça imprescindível a um caça de primeira linha. Isso é um exemplo da maturidade e consolidação das capacidades do nosso produto, ajustadas à realidade, e que o mantém na vanguarda, apto a competir com as mais modernas tecnologias”, define. Outro aspeto levantado em defesa do caça da Dassault, é independência. “Uma vantagem que podemos oferecer, é o acesso dos nossos clientes, a uma plataforma que permite a incorporação de desenvolvimentos próprios nacionais de cada operador”, e complementa que, no caso do Brasil, a Dassault e o Governo François Hollande já garantiram oficialmente todos os itens da oferta ao Governo Brasileiro, o que inclui 100% de transferência de tecnologia, inclusive repassar à Força Aérea os códigos-fonte do Rafale, o “coração digital” dos programas de computador que controlam a aeronave e as suas armas.

Além do que acredita ser a melhor oferta para o Brasil, Trappier tem confiança no que chama de “parceria ideológica e política natural”, uma vez que “a visão socialista da França é a que mais se assemelha com a do Governo Brasileiro”, definindo o seu ponto de vista sobre as vantagens estratégicas acerca de tal decisão.

Os detalhes da proposta

Jean-Marc Merialdo, Diretor da Dassault International do Brasil, explica que a oferta francesa se pautou pelo integral atendimento às exigências da RFP (request for proposal) do Governo Brasileiro, sem aspas em nenhum item, nem pendências referentes à sujeição de autorizações. Aquando da oferta da Dassault, havia já então, plena aprovação da República Francesa para todas as questões sensíveis de transferência de tecnologia e conhecimento.

“O ponto de partida da nossa oferta, foi oferecer a transferência de autonomia ao Brasil para fazer melhorias ao avião, integrar novas capacidades e novos armamentos, além de incorporar itens específicos de desenvolvimento, adequados à realidade brasileira. Também já no início da formatação da proposta, a capacidade de fazer toda a manutenção do avião no próprio país, tendo em vista o que aconteceu no passado com os Mirage, cujos motores tinham que ser enviados a França. Esta foi a primeira linha geral”, especifica o Diretor da Dassault.

“A segunda linha geral foi a imposição da transferência de tecnologia para a indústria brasileira e para a própria Força Aérea, o que significa que o DCTA será um dos principais recetores desta tecnologia”, completa Merialdo.

Diferencial competitivo da oferta francesa

O coração da oferta está “articulado em torno de todos os pedidos de modificações do Rafale feitos pela FAB, por volta de 18 itens, que envolve um leque de especificidades muito brasileiras”. A execução deste processo já está desenhada de forma concreta, segundo Merialdo, em três etapas. Na primeira, técnicos e engenheiros brasileiros vão para a França receber uma formação, que inclui toda a documentação física e electrónica do Rafale, o que faz parte da NAP - National Autonomy Package, para poder intervir no próprio Rafale. Depois disso, ainda em França, junto com técnicos e engenheiros franceses, os brasileiros irão começar a trabalhar nas primeiras modificações a serem implantadas no avião. Numa segunda etapa, brasileiros e franceses vão deslocar-se para o Brasil nas respetivas empresas ou entidades, como no caso do DCTA, e vão continuar a desenvolver e adequar novas capacidades no avião, no Brasil, sob supervisão francesa. Na terceira etapa, então, o comando destas modificações passa em definitivo aos técnicos e engenheiros brasileiros, ficando os seu pares franceses no apoio, até terminar todo o conjunto de modificações previstas. Merialdo define que “este esquema é o coração da nossa oferta de transferência prática e real de tecnologia e conhecimento”.

Além do próprio caça, autonomia de armamentos

No que diz respeito ao armamento ar-ar, utilizado para interceções e combate aéreo, foi oferecido o míssil MICA (Missile d'Interception et de Combat Aérien), como também foi considerada a pedido da FAB, a integração de todos os outros mísseis disponíveis no inventário ou programas da Força, como o A-Darter. Para missões ar-solo foi oferecido o AASM (Armement Air-Sol Modulaire - com capacidade para ataque a seis alvos diferentes ao mesmo tempo), além da integração de qualquer outro na posse do Brasil. Merialdo destaca que o próprio Ministério da Defesa Francês já aprovou a disponibilização e desenvolvimento conjunto com o Brasil, de novos armamentos a serem integrados no Rafale. “Dentro da oferta da Dassault, também foi oferecido o Pod de designação de alvos, Damocles, e obviamente, já foi aberta a possibilidade de integrar outros Pods no inventário da FAB, como o LITENING”, esclarece.

Offset -  As contrapartidas do contrato

Hoje, já celebrados, são 78 acordos com empresas e universidades. À Embraer, por exemplo, estão previstos desde todos os testes em voo à produção de asas de aviões de caça supersónicos, dentre outras partes e sistemas. Num número global, o percentual de compensação da oferta da Dassault, alcança os 160%, nas contas de Merialdo, que também aborda o cronograma destas contrapartidas: “Em termos de tempo, tudo o que está relacionado com o desenvolvimento de novas funções no Rafale Brasileiro, evidentemente está enquadrado no prazo de entrega da ordem de 3 anos a partir do T-zero”, quantifica.

O Diretor da Dassault ressalta a carta oficial em que o Governo Francês se compromete à comprar no mínimo dez KC-390, para as Forças Armadas daquele país, aquando da escolha do Rafale pelo Brasil.

Para ilustrar concretamente o tipo de qualificação internacional que favoreceria empresas e profissionais brasileiros, Merialdo menciona o caso da empresa Omnisys, sediada em São José dos Campos. “A Omnisys foi criada por engenheiros brasileiros, trabalhando em diversos projetos de radares, e em 2000 a Thales adquiriu participação na empresa transferindo à Omnisys a produção de radares de vigilância aérea para a aviação civil. Depois de produzir esse radar, passou a desenvolver novas funções e performances para este produto, passando a exportar do Brasil para diversos países como Singapura, China e a própria França. Está prevista para a Omnisys receber a tarefa de desenvolver a nova parte do software do radar AESA do Rafale e também produzir as antenas ativas do próprio radar, para os aviões brasileiros e para futuros compradores no exterior. A previsão é que ela possa dobrar a sua mão de obra com esse aumento de carga do programa Rafale”, esclarece.

Merialdo complementa destacando que a oferta da Dassault é mais focada em transferência de tecnologia do que a transferência de carga industrial. “A nossa experiência demonstra que essa tecnologia gera atividade económica, não só restrita a uma área específica, mas sim estendendo-se a outras áreas tecnológicas, tão logo absorvida pelo próprio país”, defendendo o que em ditado local se traduz em “ensinar a pescar tem mais valia do que simplesmente dar o peixe”, conclui.

Fonte: DefesaNet
Adaptação: Pássaro de Ferro

0 Voaram em formação:

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>