sábado, 22 de junho de 2013

OUTROS AVIÕES DA MINHA CARREIRA (M1050 - 177/PM2013)

Ju-52

Junkers Ju-52    Foto: AHFA

Um avião em que a minha experiência foi pouco mais que nula foi o Junkers Ju-52. Apenas 23:25 horas, a maior parte delas efetuadas durante o meu Curso de navegação em Sintra (fins de 1961 e princípio de 63). E metade delas foram realizadas numa só missão.
Essa missão, no Inverno, serviu para ir entregar abafos ao nosso pessoal a frequentar um Curso em Salamanca. Recordo que o regresso feito a 10.000 pés teve de ser efetuado dentro de nuvens e, como o Pil Comandante não estava muito à vontade a voar dentro delas, ofereci-me e fiz o voo quase todo, até ficarmos a voar em visual, já perto do nosso destino – Sintra.
Foi uma experiência "interessante" devido à sua lentidão.

Miles Magister

Miles Magister      Foto: M.C. Lopes

Desloquei-me com outro piloto à Carreira de Tiro (tempo de F-47) num Magister que, como talvez saibam, não tinha sistema de rádio.
O outro piloto não estava familiarizado no modelo, daí termos combinado que, no regresso à Ota, ele traria o avião até às proximidades da Base e o sinal para mudança de piloto, seria o abanar do manche.
Ao passarmos sobre o rio Tejo vejo o avião começar a descer perigosamente. Esperei, até que em ultima instância, agarrei o manche e puxei o avião.
O que se passou foi que o outro piloto teria feito o dito movimento pré-combinado, contudo eu não me apercebi. Estas histórias com dois pilotos têm a tendência a acabar mal. Cada um confia no outro e... faz-se tarde!
Claro que hoje já não deve haver "pardal" sem rádio mas se houver, cuidado…
Voei nesta máquina somente 6:35 horas.

Piper Cub

Piper L-21 Super Cub

A minha experiência neste pequeno avião também foi muito limitada – 9:10 horas.Voos muito esporádicos.
Não gostei da “máquina” sob aspecto de pilotagem. Estava habituado a aviões com comandos sensíveis, e este era muito pachorrento. Nas manobras de asa especialmente.
Foi uma máquina construída para andar a direito.

Auster

Auster D-5      Foto: AHFA

Posso aplicar as mesmas palavras do Cub. Reconheço que era mais consistente, mas mesmo assim nada entusiasmante. Cumpria ainda assim as suas missões com eficácia.
A minha experiência: 10:40 horas, algumas na Guiné.

T-37C

Cessna T-37C Tweety Bird

Voei neste avião quando estive nos Voos de Experiência nas OGMA – Alverca.
Ao todo efetuei 65:10 horas. Para além do número de horas, confesso que nunca fui seu grande
admirador e a maior parte dos voos ia como 2º piloto. Reconheço que foi um bom avião para a instrução mas, para avião com reatores, era muito lento.
Presunções … do passado.

T-33

T-33 Shooting Star      Foto: AHFA

Outro modelo em que a minha experiência foi reduzida. Ao todo completei 44 horas. O interessante é que o grosso das horas foram voadas na Alemanha, concretamente, em Furstenfeldbruck, onde em 1955 frequentei um Curso de Instrumentos.
Após isso só fiz mais três voos nesse avião.

Texto: Cap (Ref) Fernando Moutinho

0 Voaram em formação:

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>