domingo, 14 de abril de 2013

BLACK HAWK NO BREU E UMA BALIZA... NA BÓSNIA (M951 - 34AL/2013)



«Em Agosto de 2000, o nosso batalhão tinha um companhia empenhada num determinado sector da BiH, e recebemos a indicação de que havia ocorrido uma avaria numa das nossas Chaimites, o que obrigaria à substituição de uma peça, por uma sobressalente, que dispúnhamos em depósito.
Para efectivar este desiderato, viriam militares do batalhão buscar a mesma, fazendo-se transportar em meios aéreos Norte Americanos e de noite.
Fui incumbido, pelas operações do batalhão, de proceder em conformidade, pelo que, após ter tido conhecimento da ordem de operações, coloquei a acção em marcha. Preparei três lanternas, com difusores coloridos (um verde e um azul, para a manobra, dado que a cor branca seria demasiado intensa para os goggles dos pilotos, e um vermelho, para a eventualidade de ter que cancelar a operação - a cor vermelha era a cor de "código" para os pilotos abandonarem imediatamente qualquer operação em que estivessem empenhados).
Após termos chegado à LDZ (Landing zone), montada a segurança e imposta a obrigatória disciplina de luzes (proibido usar máquina fotográfica, luzes de qualquer natureza, ou fumar, dado que qualquer chama que fosse efectuada, iria colocar em causa toda a operação).
À hora marcada, e após terem sido dadas todas as instruções ao pessoal, coloquei-me em posição, frente a uma das balizas do campo de futebol que utilizávamos como LDZ e, logo que ouvi o som de um heli a aproximar-se, comecei a "enxameá-lo", fazendo os sinais convencionados, com ambas as lanternas (verde e azul, claro).
Confesso que causa "muito respeito" termos um Black Hawk à nossa frente, praticamente sem o conseguirmos "ver", pois as turbinas e os rotores principais continuam a rodar à mesma velocidade, apenas controlados pelo ângulo do passo do rotor, imposto pelos pilotos.....
Dirigi-me ao héli que tinha à minha frente, (abordando a sua porta lateral de estibordo), por forma a dar cumprimento ao plano, a entrega do sobressalente, e só nesse momento, constatei que haviam aterrado, não um, mas dois hélis, dado que nenhuma luz é accionada de noite, quando se deslocam.
Mesmo estando num teatro de operações já sem conflitos armados, muitos dos desmobilizados mantinham em seu poder armas ligeiras, com as quais, poderiam, mesmo que só por diversão, alvejar aeronaves, pelo que os deslocamentos das mesmas, de noite, era efectuado na completa ausência de luzes.
Após concluída a operação, posicionei-me novamente em frente ao primeiro héli, (com as laternas a apontar para baixo), enquanto aguardava informação relativamente à autorização para descolagem. Os pilotos do primeiro héli não deverão ter achado a mínima piada à demora, e decidiram descolar sem que eu tivesse efectuado o sinal convencionado. Nesta altura, os pilotos deveriam estar mais que chateados, pelo que a descolagem foi feita de forma tão intensa, que literalmente me empurraram para dentro da baliza, com a deslocação de ar que provocaram...»

Autor: Leitor identificado

0 Voaram em formação:

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>