sábado, 24 de novembro de 2012

LAJES: AMERICANOS AFASTAM-SE CHINESES APROXIMAM-SE (M772 - PM125/2012)

Base Aérea º4 nas Lajes, Terceira

Segundo notícia divulgada ontem pela Agência Lusa, a administração norte-americana informou o Governo português da sua intenção de reduzir significativamente a presença na Base Aérea das Lajes nos Açores.
Apesar de ser atualmente ponto de passagem e apoio para a aviação norte-americana, principalmente nas ligações de e para o Médio Oriente, novos tempos parecem avizinhar-se, com o consequente impacto que terá para a economia dos Açores e política externa nacional.
Esta decisão do executivo de Obama, vem na continuidade do que parece ser uma política de desinvestimento em bases externas, já que em 2006 os EUA abandonaram a utilização de outra base no Atlântico, mais concretamente em Keflavik na Islândia, tendo desde então o espaço aéreo desta nação nórdica sido patrulhado rotativamente pelos aliados da NATO (incluindo Portugal em agosto e setembro últimos).

Entretanto (e talvez por isso) têm circulado rumores do interesse da China na insular base aérea portuguesa, levantados especialmente pela passagem pouco previsível do Primeiro-Ministro chinês pelas Lajes em Junho passado, no regresso de uma visita oficial ao... Chile, que não fica propriamente em caminho.
O Primeiro-Ministro chinês e sua comitiva estiveram quatro horas de visita à base e ilha Terceira apesar de oficialmente a passagem ter sido designada como "escala técnica".
Do ponto de vista estratégico para a China, ter uma base no Atlântico Norte seria uma forma excelente de impor a sua presença entre EUA e a Europa, bem como contrabalançar o incómodo que é a a influência americana em Taiwan, um espinho cravado no orgulho chinês.

Se houver habilidade política nacional, é certamente uma situação a explorar no interesse do país.


2 Voaram em formação:

Anónimo disse...

E darmos guarida a um regime comunista, cuja organização social e produtiva dá cabo das economias ocidentais!? NUNCA!

É uma pena que o texto acabe com tamanha frase infeliz.

Paulo Mata disse...

Caro amigo, o interesse chinês nas Lajes para já não passa de especulação. O seu aproveitamento pode ser feito de várias formas, tanto alimentando essa especulação para retirar dividendos dos adversários da China, como, a haver real interesse da China, através da própria China. Portugal é um país em grave situação económica (e mesmo que não estivesse)deve aproveitar as oportunidades que se lhe apresentam, que sejam vantajosas para o país e para os seus cidadãos. O falso moralismo de não negociar com países A ou B ou C, não o cumpre país nenhum, nem os EUA, nem Alemanha nem ninguém. Ou só o fazem quando daí podem tirar dividendos. Nós que somos pobres é que temos que o fazer? Se calhar por isso mesmo é que somos pobres. Esta é a minha opinião pessoal. Cumprimentos. Paulo Mata

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>