terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

AS DECLARAÇÕES DE UM MINISTRO DA DEFESA (M600-13PM/2012)



O país está de tanga. A expressão foi proferida em 2003 pelo actual Presidente da Comissão Europeia, então Primeiro-Ministro da ocidental pátria lusitana, Durão Barroso.
O mesmo Durão Barroso que sabe-se lá porquê, preteriu o país que (mal ou bem) governava para assumir o cargo que hoje se lhe conhece na União Europeia. Desde então, passaram já quase nove anos, e o país (ou os seus governos) em vez de reagir aos sinais de alerta, continuou a cavalgada cega para o abismo, continuando a endividar-se loucamente porque “as dívidas públicas não são para pagar”.
Após o mal feito por quem de direito, o resgate do FMI e as medidas ditadas pelo triunvirato (mais conhecido por "troika") são um mal aparentemente necessário (se houver alguém com uma ideia melhor que se chegue à frente). Os políticos empossados da difícil tarefa de tirar o país do buraco onde a mesma classe política o colocou, começaram a cortar a torto e a direito em regalias, salários, carreiras, postos de trabalho, etc. Soube-se pela comunicação social que na Carris por exemplo, toda a família anda à borla. Até a irmã maior e vacinada. Que os funcionários têm barbeiro à borla. Que têm um ordenado base, mas que pode ser substancialmente aumentado, bastando cumprir o horário normal (?!) de trabalho. 
Havia que terminar com isto, e o país estava (quase) todo de acordo.

Dentro desta linha de pensamento e talvez confiando na proverbial aversão de certas facções da sociedade portuguesa às Forças Armadas para lhe dar cobertura, o Sr. Ministro da Defesa, resolveu vir a público proferir algumas barbaridades acerca das instituições militares e dos próprios militares que as compõem.
Habituada que está a utilizar o Orçamento da Defesa como um "saco azul" ao qual se pode recorrer sempre que necessário para outros fins, a classe política propõe-se ultrapassar os limites do razoável. 

Ignorando que desde o 25 de Abril foram as FA's as instituições que mais reformas já tiveram, quando muitos órgãos do Estado continuam gordos e estacionários. Ignorando que nas FAs há já uma rentabilização de recursos superior a qualquer outro órgão estatal e de fazer inveja a muita empresa privada. Ignorando que com os cortes já perpetrados se estão a atingir níveis de treino e funcionamento  perigosamente baixos. Ignorando que o seu motorista porventura ganha mais que um piloto de helicópteros de busca e salvamento. Nas FA's já não há mais por onde cortar, sob pena de deixarem de existir como tal. A tentativa de cortes nos privilégios e benesses abusivas e absurdas em muitas entidades, parece ter descambado numa catártica "caça às bruxas" em que há que "queimar" também os militares.

Tal como já tive oportunidade de escrever antes, nas FA's o Sr. Ministro encontra facilmente homens com mais cultura e formação que em qualquer direcção de partido político. Homens com Sentido de Estado, uma noção que falta a várias gerações de políticos. As FA's que o Sr. Ministro apelidou de "politizadas", foram as mesmas que ofereceram a liberdade aos portugueses em 25 de Abril de 1974 e a souberam manter em 25 de Novembro de 1975. Devolveram depois o seu poder à sociedade civil e passaram a submeter-se voluntariamente ao poder político, numa atitude inaudita na história mundial. O mesmo poder político que desde então não tem cessado de as subverter e desconsiderar a seu bel-prazer.
O Sr. Ministro da Defesa veio a público dizer que só deve estar nas FA's quem tem vocação para tal. Esqueceu-se de definir o seu conceito de vocação. Curiosamente, o normal coro de vozes hostis às forças militares, quase nem se fez ouvir. Estariam todos distraídos?

Poucos saberão que foram as missões internacionais das FA's que deram voz a Portugal nas Nações Unidas na resolução da situação de Timor-Leste. Poucos o saberão porque a classe política se encarregou de tomar para si os louros.
São as FA's actualmente dos poucos esteios de credibilidade do país a nível internacional, pelas meritórias missões que vêm mantendo a decorrer pelo mundo.
Mas são esses homens que o Sr. Ministro da Defesa quer fora das FA's porque lhe são incómodos. São ironicamente um alvo fácil.

Entretanto os grandes interesses mantêm-se incólumes: o Estado continua a sustentar entre muitos outros interesses, contratos com empresas claramente danosos para o país, assinados por quem antes estava no Governo e agora está nessas empresas. Continua a servir interesses, não politizados como acusou o Sr. Ministro os militares, mas de políticos e ex-políticos. E por aí sim, haveria muito dinheiro que se poderia poupar aos contribuintes.

Ainda assim o Sr. Ministro acertou na necessidade de reformas. Mas reformas para que as FA's sejam mais autónomas do poder político, constantemente a ingerir-se no seu funcionamento interno.

As FA's não são a Carris, Sr. Ministro. 

Da próxima vez que falar dos homens que o seu ministério tutela, tenha vergonha. Há mais patriotismo no dedo de um pé de um soldado português, do que na classe política toda.
As Forças Armadas devem ser a pedra basilar de uma nação. Se ainda não percebeu isso, está no cargo errado!
____
Nota: Não sou militar, nunca fui militar, nem tão-pouco tenho militares na minha família próxima. Não sou nem nunca fui filiado nem simpatizante de nenhum partido político. Considero-me por isso insuspeito para poder falar de modo isento, longe de interesses próprios em qualquer dos lados.

1 Voaram em formação:

Anónimo disse...

pingspO Ministro da Defesa, assim como o PR, deveria ser sempre uma pessoa que tivesse sido militar e não um piegas qualquer.

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>