sexta-feira, 27 de novembro de 2009

A CRUZ DE CRISTO


Cruz de Cristo nas velas do NRP Sagres


Cruz de Cristo num F-16BM da Força Aérea Portuguesa


-->
Cada vez que há uma sexta-feira 13, como aconteceu este mês, há inevitavelmente uma sexta-feira 27. Facto indesmentível ao qual ninguém presta atenção, porque ao contrário da sexta-feira 13, a sexta-feira 27 não tem nenhuma aura especial. Desta vez todavia é o dia em que escrevo sobre a sexta-feira 13 e a Cruz de Cristo.

Toda a gente conhece as superstições normalmente associadas às sextas-feiras 13. Menos saberão que foi precisamente uma sexta-feira 13 a razão da Cruz de Cristo ser actualmente um símbolo nacional, identificando desde há vários séculos os navios da Marinha de Guerra e em tempos mais modernos as aeronaves militares portuguesas.

Foi na fatídica sexta-feira 13 de Outubro de 1307 que se fundamentaram as aziagas superstições actuais, com o massacre levado a cabo contra os Cavaleiros Templários, que terminaria na extinção da Ordem do Templo, depois de um processo levado a cabo por Filipe IV de França, com o apoio do Papa Clemente V. O poder da Ordem do Templo era tal na época, que o medo e cobiça, acabariam por traçar o seu funesto destino e o dos seus cavaleiros.

Já em Portugal, foi adoptada uma decisão salomónica, que permitiu não desobedecer às ordens papais, e manter simultaneamente uma ordem religiosa e militar que tantos serviços havia prestado ao país. Fundava-se a Ordem de Cristo, herdeira dos títulos e bens da Ordem do Templo, mas na prática mudaria apenas o nome e o símbolo: a Cruz de Cristo.

Dando razão a algumas teorias em voga principalmente desde o sucesso do livro “O Código Da Vinci”, a Ordem de Cristo viria a ser pedra basilar do desenvolvimento científico e do financiamento que permitiu a senda dos Descobrimentos Portugueses, tendo nas suas fileiras individualidades como Vasco da Gama, Bartolomeu Dias, Pedro Álvares Cabral, Gonçalves Zarco, Fernão de Magalhães, e o Infante D. Henrique como Grão-Mestre.

Com a extinção das ordens religiosas no século XIX, a Ordem de Cristo foi extinta uma primeira vez, sendo transformada posteriormente em ordem honorífica, extinta novamente aquando da implantação da República, para ser novamente recriada em 1918.

Actualmente, e independentemente da Ordem, o símbolo da Cruz de Cristo ganhou carácter próprio, enquanto símbolo de Portugal e da lusitanidade, estando presente em inúmeros brasões, emblemas, bandeiras (entre as quais a da região autónoma da Madeira) e, como não podia deixar de ser, nas embarcações e helicópteros da Marinha e aeronaves da Força Aérea Portuguesa.



Planta do templo de Salomão, alegadamente inspiração para a geometria da Cruz de Cristo (fonte: wikipedia)


Geometria de construção da Cruz de Cristo (fonte: wikipedia)


Cruz de Cristo (fonte: wikipedia)


3 Comentários:

S7alker disse...

Excelente post.

Novamente, uma emotividade que transmite força às palavras escritas.
E eu aprendi uma ou dias coisas que não sabia.

Saudações.

Paulo "Wyldething 07" Mata disse...

Caro S7alker, mais uma vez obrigado pelos comentários e por continuar a seguir o Pássaro de Ferro.

Abraço

Mário Costa disse...

Excelente "post".
Só um pequeno reparo, a Marinha não tem "barcos", tem navios e embarcações.

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>