quarta-feira, 8 de julho de 2009

O A-7P NUM BREVE SEMPRE

O A-7P 5503 fotografado em Monte Real no ano de 1986 - Crédito da imagem

Desde a sua criação que o Pássaro de Ferro é um espaço de paixões e emoções, consubstanciadas em imagens e também em palavras. O texto de hoje confirma essa regra.
Estamos no limiar dos 10 anos passados sobre o silêncio definitivo do A-7P.
Vivi os 18 anos do Corsair II na FAP. Era quase como ser adepto de um clube de futebol. Vibrava (vibrava não é a palavra adequada, é insuficientemente caracterizadora...) com a sua simples passagem, deliciava-me quando tão fugaz quanto raramente lhe podia tocar.
Tudo num breve sempre!
Uma fotografia era um tesouro, uma notícia (boa ou má) era lida até ser sabida letra a letra.
No passado sábado, em Sintra, toquei o 15503. O abandono do velho SLUF é notório. Os seus serviços e a sua glória passada diluem-se nas cores gastas pelos tempos, o dos relógios e o atmosférico.

A-7P (1)5503 fotografado em Sintra - 4 de Julho de 2009 - Foto: (c) A. Luís

Ao seu redor, um silêncio de mortos, uma agonia de cruzes.
Sendo apenas uma máquina, ainda que cheia de símbolos e memórias, 10 anos de ausência marcam-lhe as formas, deixam-no e deixam-me triste.
Com todo o respeito pelos outros aviões e sou particularmente insuspeito para o escrever, para mim o A-7P é O avião, mesmo 10 anos depois de se ausentar do céu.
~
Nota: A não perder, 6ª feira dia 10 de Julho, aqui no Pássaro de Ferro, a edição de fotos inéditas do A-7P, pelas objectiva sempre competente do Paulo "Wildething" Mata

3 Comentários:

Antonio Barbosa disse...

Eu não percebo quase nada de aviões mas olho aos jactos bem mais modernos e olho ao A7 e não sei explicar a razão pela qual só quero ver fotos dele...não sei se não será até pelo seu estilo algo " brutal ", há qualquer coisa de " puro " nesse avião.
Essas fotos de dia 10 prometem...

S7alker disse...

Apesar de ter sido desenvolvido a partir de um caça, o F-8 se não estou em erro, o A-7 é uma pura, brutal, sólida, peça de ataque ao solo. Herdou o nome de um dos aviões de combate mais bem sucedidos da 2ª Guerra Mundial e da Coreia, e foi algum orgulho aquilo que senti, quando, na minha infância, estando nós já na fase de transição para o F-16, aprendi que operávamos máquinas destas.
E é bem verdade que o A-7 tem algo nele que chama a atenção, a rudeza do desenho, talvez. A asa alta, a fuselagem atarracada e a enorme entrada de ar sob o nariz.
É uma máquina de respeito que operou com distinção em 4 forças aéreas.
Até sempre, Corsair...

Kyriu disse...

O A7 cá, o A10 lá... acho que é a sensação daquele amigo de que se pode depender, que encaixa e não se queixa, oferece o ombro quando se precisa...

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>