sábado, 6 de agosto de 2022

DIA DE BASE ABERTA - AERODROMO DE MANOBRA Nº1 [M2330 - 45/2022]


Realizou-se mais um dia de base aberta, no passado dia 17 de Julho, desta feita no Aeródromo de Manobra nº1 (AM1), em Maceda, Ovar, evento que pretende ser um momento em que a Força Aérea Portuguesa abre portas à população civil para dar nota, e muito boa nota, do que faz no cumprimento da sua missão, que muito para além da sua inerente bélica, é também uma de serviço público. Naturalmente, a adesão a este dia foi estrondosa, não é para menos já que esta é a única unidade-base no Norte do País, e a cousa do ar desperta na população um fascínio tremendo, não é só na afición.

Com uma componente de demonstrações aéreas de dimensão reduzida, não é um festival aéreo no sentido comum da palavra, assistimos ainda assim a diversas demonstrações de voo, desde logo com a “prata da casa”, um AW-119 Koala da Esquadra 552 “Zangões”, nomeadamente o seu destacamento aéreo para busca e salvamento, que executou algumas de voo, um hi-line e uma recuperação com guincho, isto durante a manhã, altura em que marcou presença um C-130H da Esquadra 501 “Bisontes” que executou algumas passagens aéreas em baptismos de voo, e um avião Epsilon TB-30 da Esquadra 101 “Roncos”, que se deslocou ao AM1 para ali integrar a exposição estática.

A primeira demonstração do dia esteve a cargo do Destacamento de Ovar da Esquadra 552 "Zangões", com o seu novíssimo AW119Kx Koala.




Lá no alto, para uma primeira passagem já em modo baptismal, o C-130H da Esquadra 501 "Bisontes"
O C-130H da Esquadra 501 "Bisontes" à chegada

Desde a BA11 em  Beja veio integrar a exposição estática um TB-30 Epsilon da Esquadra 101 "Roncos"

Da parte da tarde, os OPSAS do AM1 fizeram a sua já habitual demonstração de meios, sendo ainda de registar mais uma demonstração de voo a cargo da Esquadra 552 "Zangões", o C-130 realizou mais alguns voos, incluindo os dos baptismos de voo sorteados de entre os visitantes, sendo de registar que numa primeira passagem este foi escoltado por dois F-16M, da parelha de alerta baseada em Monte Real.

A demonstração dos meios de socorro
O "Koala" à saída para a demonstração da tarde

Facto curioso, a passagem do C-130H escoltado por dois F-16M que aconteceu durante um dos baptismos de voo, algo que não acontece todos os dias!
O embarque para o último baptismo do dia
A tripulação da Esquadra 501 "Bisontes" no seu "escritório"
Antes do regresso a casa, um banho de dessalinização
E o adeus...

A exposição estática de aeronaves incluiu algumas aeronaves no activo, nomeadamente um F-16M , um DHC-1 Chipmunk, e o referido TB-30 Epsilon. Para além destes, ir a Maceda é sempre uma oportunidade de ver ou rever uma pequena amostra do acervo do Museu do Ar, amostra cheia de vida como é evidência disso mesmo o trabalho que se tem feito aqui desde há vários anos no restauro de diversas aeronaves, nomeadamente as duas últimas, o F-84 5187 (actualmente exposto em Sintra, recuperado como 5131), e o T-6G nº1769, aparelho que, se a memória não me atraiçoa, entrou em manutenção (IRAN) após as comemorações dos 50 anos da FAP mas face ao acidente aéreo com o T-6G 1774, já não foi concluído.

Fazendo as delícias de todos, pela oportunidade de ver o fantástico trabalho de recuperação, deste T-6G do Museu do Ar. 
O primeiro aparelho recuperado pela equipe do AM1, em conjunto com uma mão cheia de voluntários trazidos pela AEFA, este impecável Piper Cub (CS-ALN/3208)  



Recentemente trazido desde o Porto, estava remetido ao esquecimento e abandono, esta hélice de Nord Noratlas, uma das peças decorativas do antigo Centro de Selecção do Porto, onde tantos de nós demos o nosso primeiro passo na vida militar: a inspecção.   

O cockpit do Northrop T-38A Talon.
Sempre uma visão fantástica o trabalho do grafitter Nark.




Contou ainda com a participação na exposição estática de meios aéreos da Nortávia, da IFA – Aviation Training Center, e do Aero Clube do Porto. 


Texto: Rui “A-7” Ferreira
Entusiasta de aviação
Nota: O autor do texto/reportagem escreve na grafia antiga.

Fotografia: Rui "A-7" Ferreira e Luís "F-16" Neves



Nota do Autor -  Refira-se que o Polo de Ovar do Museu do Ar, em conjunto com o AM1, tiveram por ali um grupo, trazido pelas mãos da AEFA daquilo que se pretendia que fosse um embrião de um grupo de trabalho permanente, essencialmente composto de voluntários civis, sob orientação da FAP, não só para o restauro de aeronaves (o primeiro exemplo foi o Piper Cub CS-ALN/3208), como para a manutenção dos demais artefactos e o auxílio nas diferentes tarefas daquele polo do Museu do Ar.

Espero que um destes dias possamos ver de novo a abertura deste espaço à participação de civis para que possamos chegar ali e, como sempre digo: «tenho duas mãos, posso ajudar?»



1 Comentários:

Lomba disse...

Bela foto-reportagem.
Desta vez, não deu para ir. Talvez para a próxima...

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>