sábado, 17 de novembro de 2012

PASSAGEM PELO T-6 HARVARD (M762 - PM117/2012)



Após o Tiger Moth comecei a voar no T-6. Era um avião moderno, mais completo e ótimo para instrução, em especial o voo por instrumentos, utilizando o modelo T-6G.
Apesar disso não me entusiasmou, talvez por ter tido três instrutores diferentes.
Nada se passou de especial durante esse período, a não ser… Quando um dia, ia rolar para a posição de descolagem muito descontraidamente, sem obedecer às regras de rolagem com vento de cauda (manche para a frente e velocidade reduzida). 
Para não me esquecer da parvoíce, comecei a sentir o avião a levantar a cauda e muito suavemente a hélice a começar a bater no chão (na relva). Após 2 ou 3 rotações, o motor parou.
Fiquei imóvel na cabine. Porquê?
O avião estava na horizontal com a hélice (na vertical) e uma pá espetada no solo. Tive receio que ao movimentar-me desequilibrasse o avião provocando estragos desnecessários.
Mas que grande melão!
Tive de esperar que me socorressem… e se rissem…
Pode rir-se também à vontade! 

Durante a instrução e mais tarde alguns voos na Ota, perfiz 145:55 horas nesta aeronave.


Texto. Cap. (Ref) Fernando Moutinho 

0 Voaram em formação:

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>