domingo, 23 de setembro de 2007

AVIÕES EM PAU DE GELADO



Recordando ainda a época de estio da minha infância, a memória remete-me para mais uma história curiosa e que espelha bem a paixão que os aviões me suscitam.
Já na altura dos A-7P, em plena década de oitenta, descobri as potencialidades plásticas dos paus de gelado.
Catava-os da areia como que apanha pérolas.
Deles fazia pequenos aviões. Munido de uma faca bem afiada e de um lápis, construi dezenas de pequenos aviões de madeira. Muitos A-7P e alguns T-33.
Num pau desenhava as fuselagens, noutros as asas e as derivas. Com a faca cortava as peças, com cola ligava-as até obter os aviões que ficavam com uns generosos 4 ou 5 centímetros de comprimento por pouco menos de envergadura.
Como naquela altura o A-7P dominava o meu imaginário, lembro-me de ter alinhados no parapeito da janela do meu quarto, 6 ou 7 "aparelhos", com os quais executava as mais diversas missões.
Eram tempos em que raramente vinha a Coimbra (vivia em Penacova, a uns "longínquos" 20 km...), desconhecia que existiam Kits. Por isso construia-os com o meu engenho e alimentado pela enorme vontade de os ter por perto, ainda que algo "rombudos" e feitos de simples paus de gelado...
...Era feliz.
-
Crédito das fotos: A-7P 15111 (Paulo Mata) - T-33 1927 (Ian Powell - Airliners.net)

0 Voaram em formação:

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>