terça-feira, 10 de julho de 2007

REQUIEM


Foto: José Jorge

Quando visitava o Museu do Ar em Alverca pelos anos 80, olhava aqueles aviões, bem como os que agonizavam (e agonizam) do DGMFA, e pensava: ”aviões velhos”. Relíquias. O A-7 é que é! Na altura o cavalo de batalha e coqueluche da FAP.

Agora olho para as células de A-7 preservadas à semelhança do F-86 da antiga porta de armas em Monte Real ou do 5320 que por vezes rolava em ocasiões festivas, e parece-me estranho. É como se fosse um avião deslocado do seu ambiente natural. Como se ainda devesse voar. Um pássaro com as asas cortadas.

Habituei-me a pensar que o A-7 era eterno.

E afinal já lá vão 8 anos.

4 Voaram em formação:

António Luís disse...

Este dia 10 de Julho é um dia trite para a comunidade de "A-7ólicos" de que me orgulho de fazer parte.
Estive lá em Monte Real (contigo, o Rui "A7 5513" Ferreira e restante comunidade A-7) e o dia vagueou entre a glória e a depressão.
8 anos volvidos, já aqui o escrevi, os céus de Portugal estão, ainda, mais pobres!

António Luís disse...

Trite = triste

Corsário de Segunda disse...

Snifff

Pedro Ferreira disse...

vamos ter saudades...ai vamos vamos..

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>