quarta-feira, 18 de abril de 2012

TEMPOS DE HERÓIS - Trinta Segundos Sobre Tóquio (M634-35PM/2012)





Uma das imagens mais conhecidas da II Guerra Mundial: a descolagem dos B-25 para o "Raide Doolittle"

Trinta segundos sobre Tóquio, é o nome do livro e filme realizados sobre o primeiro ataque Norte-Americano a território nipónico, durante a II Guerra Mundial.
Mais recentemente retratado no épico hollywoodesco “Pearl Harbour” de 2001, o raide de 18 de abril de 1942 sobre o qual transcorrem hoje 70 anos, foi de facto a primeira resposta ao ataque perpetrado na “Pérola do Pacífico” pelos japoneses, cerca de 5 meses antes.

A arrepiante descolagem de um dos primeiros B-25 em pouco mais de meio convés

O plano era audaz e incluía fazer descolar do convés do porta-aviões USS Hornet (bastante mais exíguo que os de hoje em dia) 16 bombardeiros B-25B Mitchell, (usados normalmente a partir de bases terrestres). Completamente carregados de bombas e combustível, sem catapulta, apenas com a ajuda do vento e dos 3400 cv proporcionados pelos dois motores Wright R-2600.


TenCor Doolittle (primeiro plano à esq.) acompanhado pelas tripulações do raide

Comandada pelo TenCor James Doolittle, a missão revestia-se de intuitos mais psicológicos que estratégicos, com vista a restabelecer o moral das próprias tropas, até então somando derrotas em batalhas um pouco por todo o Pacífico. Por outro lado o efeito de atingir o inimigo na sua capital, acabaria por eventualmente ter resultados práticos a médio prazo ao influenciar as suas decisões estratégicas, muito mais do que o estrago direto causado pelas bombas vertidas.

Se o risco na descolagem era elevado pelas razões enumeradas, a aterragem era ainda mais incerta, tendo os bombardeiros que atingir território chinês não controlado pelo Império do Sol Nascente. E se a descolagem se pode dizer que correu bem, tal como o bombardeamento em si, seria na aterragem que a audácia do plano cobraria a sua taxa.

Afundamento do pesqueiro japonês pela artilharia do USS Nashville da escolta do USS Hornet

A descolagem prematura causada pelo cruzamento da frota agressora com um pesqueiro japonês que podia deitar a perder o efeito surpresa, aliado ao já de si longo trajeto a percorrer até atingir território aliado em solo chinês depois do ataque, proporcionaram as condições para que se perdessem 7 vidas, e 3 elementos das tripulações fossem feitos prisioneiros ao aterrar em zona controlada por japoneses.

Elementos da tripulação do Raide Doolittle entre a população de uma povoação chinesa  

A maior parte dos participantes deste famoso raide no entanto, continuaria a voar em missões de combate, alguns na Europa, onde seriam abatidos, prisioneiros na Alemanha Nazi e participariam no episódio conhecido como “A Grande Fuga” retratado também em filme homónimo.

Eram tempos em que os homens pareciam já ter nascido heróis.


Fotos: Arquivo US Navy

0 Voaram em formação:

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...>