quinta-feira, 30 de junho de 2011

NOTA DO COMANDO DO PÁSSARO DE FERRO (M517 - 27/AL2011)

Razões de força maior, nomeadamente o envolvimento da dupla de "comando" do Pássaro de Ferro na elaboração de mais um importante projecto escrito e fotografado para próxima publicação internacional, tem-nos afastado das habituais edições regulares no Pássaro de Ferro.
Contudo, contamos regressar no próximo fim de semana com uma edição dedicada à presença do Pássaro de Ferro numa fragata da Marinha de Guerra, "alvo" de um "ataque aéreo", no âmbito do exercício aeronaval "Contex/Phibex".
Fica também o agradecimento público, mais do que justificado, ao Rui Ferreira e José Matos por terem contribuído para a normalidade nas edições deste espaço.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Se bem me lembro ... SR-71 (M516 - 10RF/2011)


Se bem me lembro ... ainda que correndo o risco de alguma incorrecção da minha parte, esta foi a primeira foto que adquiri, ainda na recruta, na BA3, em Tancos.
Guardo-a como preciosa, para já porque gosto muito dela, e mais ainda por ter sido a primeira da minha colecção. Por lá havia um sargento que percorria as camaratas dos recrutas vendendo-lhes óculos de piloto, e outras coisas, e também fotografias de aviões.
Uma boa parte do crescimento da minha colecção de fotos e slides arrancou de uma forma mais sistemática pouco tempo depois, sobretudo quando comecei a adquiri fotos e slides à MAP – Military Aircraft Photographs. Foi graças a eles que obtive algumas das fotos que, de outra forma, seria, como aliás ainda é, impossível de conseguir.
O SR-71 Blackbird é um dos meus aviões preferidos, ainda hoje, mas nunca vi nenhum, nem mesmo ao longe, como aconteceu da primeira vez que vi um B-1, num festival da FAP, em Monte Real, bem ao longe! Gostava, como muitos de vocês, de o ter visto voar, esta maravilhosa criação do Skunk Works da Lockheed.
A segunda foto, adquirida no mesmo periodo, é também uma das fotos que gosto bastante e integra o meu relicário cá de casa ...

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Os dez de Oldemburgo (M515 - 4JM/2011)

Os dez pilotos portugueses que fizeram o curso de adaptação ao Sabre 6 em Oldemburgo, na Alemanha, em 1965. Na foto, os que estão em cabelo são os pilotos portugueses. Os alemães estão de boné ou bivaque. De pé, da esq. para a dir.Capitão Lopes Pereira, Alferes Egídio Lopes, Ten. Geada, Major Moreira, Sarg. Ajudante Godinho, Sarg. Ajudante Cardoso, Ten. Bispo (sentado na asa) De cócoras: Alf. Costa Martins, Sarg. Ajudante Lopes, Sarg. Ajudante Carvalhão.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Glide Path (M514 - 9RF/2011)



Num registo um pouco diferente dos habituais, venho aqui trazer uma sugestão de leitura. É verdade! Pasme-se com tal proeza, e sobretudo ousadia, quando vinda de um indivíduo que mal sabe ler e escrever o Português, a Língua da Mãe-Pátria, e ainda está convencido que é craque na língua de Shakespeare...

Já conto alguns anos a ler sempre o mesmo autor de ficção-científica, bastante científica por sinal, tão científica ao ponto de, muitas vezes, se tornar real no espaço de poucos anos. Falo obviamente do saudoso Sir Arthur C. Clarke (1917 – 2008).
Um dos livros de leitura muito interessante, porque não dizê-lo mesmo – obrigatória – para todos os aerotranstornados passaro-ferrosianos é o Glide Path, de 1963. Este, transporta-nos para um período muito rico da História da Aviação Mundial, a 2ª Grande Guerra, e para uma equipe muito especial, muito secreta, que no seguimento de um projecto iniciado nos EUA, tenta resolver o seguinte problema: como fazer com que as tripulações dos bombardeiros, depois das missões, depois de muitas horas de voo e grandes distâncias percorridas, conseguissem aterrar em segurança e em quaisquer condições de tempo, de dia ou de noite ...?
Trata, claro está, do desenvolvimento daquilo que é hoje um dado adquirido, o GCA, ou Ground Controlled Approach. Na altura o desenvolvimento do AN/MPN-1 XE.

Boa leitura!



Nota final - Arthur C Clarke foi o Pai do satélite geoestacionário de comunicações, esse Pássaro de Ferro que voa ali para o lado do Cosmos, que nem nos lembramos que existe mas que nos permite, como é o caso, a confortável navegação no cosmos da informação, eu estar aqui a fazer esta postagem desde um cybercafé na Tailândia, onde me encontro, a banhos ...

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Do Sabre ao Fiat (M513 - 3JM/2011)

F-86F o modelo do destacamento 52 em Bissalanca que regressaria à Metrópole por pressões diplomáticas
Fiat G-91R/4 com pintura usada na Guiné
Acabei hoje de escrever a longa história dos F-86 canadianos que nunca chegaram a Portugal em 1965 por veto do Canadá. É uma história que vai sair em artigo na Mais Alto e também lá fora. 
É uma história curiosa que começa em Dezembro de 1964, com o embarque em Bissau dos dois últimos Sabre do Destacamento 52 sediado na Base Aérea de Bissalanca e acaba com a compra do Fiat G.91 R/4, oito meses depois. 
Pelo meio muitas manobras diplomáticas, muitos contactos, muitas frustrações até à solução final. Deu-me muito trabalho a investigação. Além do Arquivo da Defesa Nacional, tive que arranjar documentos no arquivo de Salazar e no arquivo alemão dos Negócios Estrangeiros e também no francês. 
Mas valeu a pena. 
É uma história que merecia ser contada e que nunca tinha sido contada publicamente com o grau de detalhe com que eu conto. 
Menos um dossier em cima da mesa e outro ali à espera.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Se bem me lembro ... AB212ASW (M512 - 8RF72011)



Se bem me lembro ... nem me dei muito ao trabalho de fotografar o navio da Nossa Armada a partir do qual, aproveitando o favorecimento angular, fotografei a popa do ITS Ardito [D550] da Marina Militare Italiana, de onde se podia ver este magnífico Agusta-Bell AB212ASW [MM8083/7-38].
Nunca tinha visto nenhum e se calhar não exagero muito se disser que foi a primeira vez que vi ao perto um dos míticos Bell de duas pás do rotor principal, pás largas e de som característico, inconfundível e que nem mesmo nas novas motorizações, nem as versões de 4 pás, conseguem apagar.
Um helicóptero Bell e a sua assinatura sonora única ... quase uma impressão digital.
Andam outros por aí, quase todos os dias, por de cima do Velho Burgo, desde logo o Jet Ranger da Helitours, baseado em Massarelos, ou tantas vezes o Bell 412EP da Inaer, ao serviço INEM.


terça-feira, 14 de junho de 2011

Atlantique para Portugal? (M511 - 2JM/2011)



Projectado nos anos 50 para ser o novo avião de reconhecimento marítimo da NATO, o Atlantique nunca teve a projecção do P-3 Orion, mas sempre foi uma boa alternativa ao avião americano. O que eu não sabia é que Portugal tinha tentando comprar o Atlantique em meados dos anos 60, mas que o negócio seria bloqueado pelos EUA e pela Alemanha. Descobri há pouco tempo uma referência a este episódio numa comunicação de Junho de 1965, entre a embaixada alemã em Paris e o Ministério dos Negócios Estrangeiros em Bona, onde é claramente dito que a França queria vender o avião, mas que vários países se opuseram, entre os quais, EUA e Alemanha. Um caso interessante a que vou dedicar alguma atenção nos próximos tempos.


sábado, 11 de junho de 2011

PLÁCIDO AIR CUP 2011 (M510 - 20PM/2011)

Imagem de arquivo


O aeródromo de Santarém vai acolher mais uma vez o Campeonato Nacional de Acrobacia Aérea - Plácido Air Cup durante o fim de semana que está a decorrer.
O Pássaro de Ferro vai estar presente em reportagem bem como na venda do livro "F-16 Falcões e Jaguares" durante Sábado e Domingo.



Livro vai estar à venda no recinto

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Se bem me lembro ... Gazelle (M509 - 7RF/2011)



Se bem me lembro ... o primeiro Gazelle que vi foi um de plástico, um kit da Heller à escala 1/100, que montei e que se perdeu no tempo, como tantos outros aos quais não sei o que lhes fiz, ou não o quero confessar...
Acho que o segundo foi mesmo o “Raio Azul”, ou “Blue Thunder”, que gostei muito de ver na televisão e que, bem vistas as coisas, pouco tinha de futurista, ainda que, naquela altura, poucos sabíamos o suficiente do assunto para o distinguir de uma nave espacial...
O terceiro foi um que encontrei na OGMA, de um utilizador militar africano e que por lá se encontrava para ser reparado. Bom, “reparado” não seria bem o termo, o termo mais adequado seria mesmo reconstruído, pois o seu estado era muito mau, tinha sido alvo de sabotagem. Fácilmente identificável pela sua cauda característica, com o seu rotor Fenestron (o primeiro helicóptero a usar), tudo o resto era, e à falta de uma expressão melhor, um monte de ferros retorcidos . Se o cliente chegou a pagar, acredito que tenha saído das mãos dos hábeis artesãos da OGMA, quase como se estivesse a sair da fábrica. Não o cheguei a saber, e para o presente caso pouco interessa.
O último, pelo menos para já, foi este da foto inclusa, de um Aerospatiàle SA342L1 Gazelle, do Exército Francês, que fotografei quando com dois amigos nos deslocámos até França e à Bélgica. Tinhamos parado um pouco, para esticar o pername num qualquer aeródromo, na esperança de podermos fotografar um “teco-teco” e ... sai-nos este na rifa!

Rui "Corsário de Segunda" Ferreira


segunda-feira, 6 de junho de 2011

Se bem me lembro ... BO-105 (M508 - 6RF/2011)



Se bem me lembro ... quando me apercebi que me deixavam fotografar no AM2, e portanto andar sempre munido com a minha Agfamatic para as minhas escapadelas ao AM2, passei a trazê-la comigo quase todos os dias.
Às vezes lá tinha sorte e lá apanhava uma ou outra coisa mais engraçada para variar dos FTB-337G ou do Alouette III em destacamento.
Lembro-me precisamente da primeira, que foi a primeira vez que perdi por não trazer a máquina, que aterraram lá no AM2 2 ou 3 MBB Bö105 do Exército Alemão.
Acho que nunca mais vi nenhum por lá, um helicóptero que nada me diz apenas o de ostentar na sigla “MBB” alguns nomes sonantes, ou míticos, que fazem lembrar coisas antigas: Messerchmitt-Bölkow-Blohm.

Só alguns anos mais tarde é que encontrei um, aqui mesmo na Invicta, durante as edições do Red Bull Air Race. Bem bonitos e que belas fotos deram...







quinta-feira, 2 de junho de 2011

SA-330 PUMA - O FIM DE UMA ERA(M507 - 26AL/2011)







Imagens da chegada dos últimos três SA-330 Puma (19502, 19503, 19504) à Base Aérea nº 11, em Beja, no dia 14 de Abril passado, no final do seu legado ao serviço da Força Aérea.
Depois de tantas horas de voo, depois de tantas vidas salvas, sob o esforço, entrega e abnegação de muitas gerações de militares.
Estava posta definitivamente nas páginas da história, a "Operação Fénix" e o rugido dos motores e pás deste magnífico helicóptero passaram a fazer parte de boas memórias de todos os que, muito ou pouco, em melhores ou piores condições, conviveram com ele!
________
Fotos gentilmente cedidas pelo Francisco Brito Alves, a quem o Pássaro de Ferro agradece!

ARTIGOS MAIS VISUALIZADOS

CRÉDITOS

Os textos publicados no Pássaro de Ferro são da autoria e responsabilidade dos seus autores/colaboradores, salvo indicação em contrário.
Só poderão ser usados mediante autorização expressa dos autores e/ou dos administradores.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Laundry Detergent Coupons
>